O TRABALHO EM COOPERATIVAS DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM ESTUDO DO RECICLA CONQUISTA

  • Aline Marinho Santos UESB
  • Maria Zilda Dantas UESB
  • Saulo Silva Teixeira FTC/UESB

Resumo

A sociedade urbana consumista da contemporaneidade contribui sobremaneira para o aumento da quantidade de resíduos nas cidades. A maior parte dessa produção é de difícil decomposição. Além disso, o descarte inadequado do lixo tem se despontado como uma problemática passível de análise. Diante disso, a presente pesquisa teve como objetivo analisar a contribuição de uma cooperativa local como agente responsável pela diminuição dos males causados pelo consumismo, além de compreender a sua importância para o cooperado. A partir dos resultados, verifica-se que o Recicla Conquista, apesar de trazer nítidas contribuições para o meio ambiente e para o cooperado, apresenta falhas de autogestão, além de ser pouco contemplado por políticas públicas.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ABCIHT, Alexandre de Melo et al. O valor da marca sicredi: uma análise na cooperativa do Vale do Rio Pardo- RS. In: XV SEMEAD Seminários em administração, 2012. Disponível em: < http://sistema.semead.com.br/15semead/resultado/trabalhosPDF/871.pdf>.

ALIGLERI, Lilian; ALIGLERI, Luiz Antonio; KRUGLIANSKAS, Isak. Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas, 2009.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10004:2004 – Resíduos sólidos – classificação. Rio de Janeiro, 2004.

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil- 2014. São Paulo: Abrelpe; 2014

DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2007.

GARCIA, Marcio Barreto Santos et al. Resíduos sólidos: responsabilidade compartilhada. Semioses, Bonsucesso v. 9, n. 2, p. 77-91, 2016.

MESQUITA JÚNIOR, José Maria de. Gestão integrada de resíduos sólidos. Coordenação de Karin Segala. Rio de Janeiro: IBAM, 2007.

OLIVEIRA, Ana Paula da Costa. A participação do consumidor-gerador de resíduos e sua contribuição no instrumento da coleta seletiva prevista na política nacional de resíduos sólidos. In: Anais do Congresso de Ensino, Pesquisa e Extensão da UEG (ISSN 2447-8687). 2016.

OCB. Orientação para constituição de cooperativas conforme a nova nomenclatura do sistema OCB. 6º edição revisada e ampliada. Brasília, 1996.

PNRS- Política Nacional de Resíduos Sólidos: contexto e principais aspectos. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/cidades-sustentaveis/residuos-solidos/politica-nacional-de-residuos-solidos/contextos-e-principais-aspectos>. Acesso em 21 de julho de 2016.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. No Brasil, 80 mil toneladas de resíduos sólidos são descartados de forma inadequada por dia. Disponível em: < https://nacoesunidas.org/no-brasil-80-mil-toneladas-de-residuos-solidos-sao-descartados-de-forma-inadequada-afirma-onu/ >. Acesso em: 21 de julho de 2016

STRAUCH, Manuel; ALBUQUERQUE, Paulo Peixoto de. Resíduos: como lidar com recursos naturais. Oikos, 2008.

ZANETI, Izabel Cristina Bruno Bacellar. Educação ambiental, resíduos sólidos urbanos e sustentabilidade: um estudo de caso sobre o sistema de gestão de Porto Alegre, RS. 2016. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) Universidade de Brasília, Brasília, 2003.
Publicado
2018-06-02
Como Citar
SANTOS, Aline Marinho; DANTAS, Maria Zilda; TEIXEIRA, Saulo Silva. O TRABALHO EM COOPERATIVAS DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM ESTUDO DO RECICLA CONQUISTA. Geopauta, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 26-42, jun. 2018. ISSN 2594-5033. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/3857>. Acesso em: 17 ago. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/rg.v2i1.3857.
Seção
Artigos