INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE MINERADORA NA DINÂMICA DA PAISAGEM: REFLEXÕES TEÓRICAS

  • Manara Teles Santos Matos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Meirilane Rodrigues Maia UESB

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir a dinâmica da paisagem minerada em Vitória da Conquista-BA. Cuja discussão foi desenvolvida a partir de reflexões teóricas acerca do espaço, paisagem e natureza sob a perspectiva socioambiental. Os seguintes autores foram utilizados como aporte teórico para o desenvolvimento desse trabalho: Bertrand (1972), Sotchava (1963), Cosgrove (2002), Santos (1988) e Smith (1988). Nesse sentido, a paisagem é processo resultante da relação sociedade-natureza, pois é marcada pelos processos físicos, sociais e históricos que a fizeram existir. A mineração envolve processos naturais, econômicos, políticos e sociais; é permeada de diversos interesses por conta dos diferentes sujeitos sociais enredados, os quais terão percepções diversificadas acerca dos aspectos positivos e/ou negativos ocasionados pela exploração de bens minerais, o que influencia diretamente na dinâmica da paisagem. A visão excludente da relação sociedade-natureza, a coloca como fonte de recursos para sociedade a fim de atender suas demandas.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professora Adjunta do Departamento de Gografia e do Programa de Pós-graduação (PPGEo) da Universidade Estadual do Sudoete da Bahia - UESB, email meire.rmaia@gmail.com

Referências

ALMEIDA, J. R.; TERTULIANO, M. F.. Diagnose dos sistemas ambientais: métodos e indicadores. In: Avaliação e Perícia Ambiental. Cunha, S. B. da; Guerra, A. J. T. (Orgs.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. P. 115-170
BARRETO, M. L. (orgs.). Mineração e desenvolvimento sustentável: desafios para o Brasil. Rio de Janeiro: CETEM/MCT, 2001. 215 p.
BERNARDES, Júlia Adão; FERREIRA, Francisco Pontes de Miranda. Sociedade e Natureza. In: CUNHA, Sandra Baptista da Cunha; GUERRA, Antônio José Teixeira (Orgs.). A questão ambiental: diferentes abordagens. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
BERTALANFFY, Ludwig von. Teoria Geral dos Sistemas: fundamentos, desenvolvimento e aplicações. 8 ed. Petrópolis: Vozes, 2015. Tradução Francisco M. Guimarães.
ERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física Global: Esboço Metodológico. Cadernos de Ciências da Terra do Instituto de Geografia da USP, São Paulo, n. 13, 1972. Tradução Olga Cruz.
CHRISTOFOLETTI, Antonio. Modelagem de Sistemas Ambientais. São Paulo: Edgard Blücher, 1. ed. 1999.
______. Aplicação da abordagem em sistemas na Geografia Física. Revista Brasileira de Geografia. São Paulo: n. 2, p. 21-33, 1990.
COSGROVE, Denis. Observando la naturaleza: el paisaje y el sentido europeo de la vista. Boletín de la A.G.E. Universidad de California, Los Angeles, n. 34, págs. 63-89, 2002. < http://age.ieg.csic.es/boletin/34/3406.pdf> Acesso em 07/05/2009.
HARVEY, David. A Justiça Social e a Cidade. Editora HUCITEC. São Paulo, 1980. Tradução de Armando Corrêa da Silva.
LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Trad. Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins (do original: La production de l’espace. 4e éd. Paris: Éditions Anthropos, 2000). Primeira versão: início - fev.2006
LIMA, E. M. Interações Socioambientais na Bacia Hidrográfica do Rio Catolé – Bahia. 2012. Tese (Doutorado em Geografia)-Universidade Federal de Sergipe,2012.
LIMBERGER, Leila. Abordagem sistêmica e complexidade na geografia. Geografia, Rio Claro, v. 15, n. 2, p. 95-109, 2006. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/geografia>. Acesso em: 22 dez. 2016.
MAIA, Meirilane Rodrigues. Zoneamento geoambiental do município de Vitória da Conquista-BA: um subsídio ao planejamento. 2005. 170 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal da Bahia, Salvador
MARTINELLI, Marcelo; PEDROTTI, Franco. A cartografia das unidades de paisagem: questões metodológicas. Revista do departamento de Geografia, São Paulo, v. 14, p. 39-46, 2001
NASCIMENTO, Flávio Rodrigues do; SAMPAIO, José Levi Furtado. Geografia Física, Geossistemas e Estudos integrados da paisagem. Revista da Casa da Geografia de Sobral, Sobral, v. 6/7, n. 1, p. 167-179, 2004/2005.
PUNTEL, Geovane Aparecida. A paisagem no ensino da Geografia. Ágora, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 283-298, jan./jun. 2007.
RODRIGUEZ, José Manuel Mateo; SILVA, Edson Vicente da. A classificação das paisagens a partir de uma visão geossistêmica. Mercator – Revista de Geografia da UFC, Fortaleza, ano 01, n. 01, p. 95-112, 2002.
RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V. da; CAVALCANTI, A. P. B. Geoecologia das
paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: Editora UFC, 2004.
SANCHES, Roberto. Ordenamiento territorial: Bases y Estrategia Metodológica para la Ordenación de Tierras. 1ª. ed. Buenos Aires: Orientación Gráfica Editora, 2009. 266p.
SANTOS, Milton. Metamorfoses do Espaço Habitado, Fundamentos Teórico e Metodológico da Geografia. Hucitec.São Paulo 1988.
______. A natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. EDUSP: São Paulo, 2014. 4. ed. 8. Reimpr.
SILVA, Márcio Luiz da. Paisagem e Geossistema: contexto histórico e abordagem teórico metodológica. Geoambiente on-line Revista Eletrônica do Curso de Geografia do Campus Jataí - UFG, Jataí, n. 11, p. 163-185, jul-dez 2008.
SMITH, Neil. Desenvolvimento desigual. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.
SOTCHAVA, V. B. Introdución a la teoria de los geossistemas. Novo Sibersk: Nauka, 1963. 318 p.
______. O estudo dos geossistemas. Métodos em questão. São Paulo: nº 16, IGEOG – USP, 1977.
Publicado
2018-12-28
Como Citar
MATOS, Manara Teles Santos; MAIA, Meirilane Rodrigues. INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE MINERADORA NA DINÂMICA DA PAISAGEM: REFLEXÕES TEÓRICAS. Geopauta, [S.l.], v. 2, n. 3, p. 5-23, dez. 2018. ISSN 2594-5033. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/4178>. Acesso em: 22 mar. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/rg.v2i3.4178.
Seção
Artigos