Para valorizar a dimensão da vida cotidiana: articulações ao debate das sustentabilidades

Resumo

Propomos a valorização da dimensão do cotidiano enquanto enfoque de análise que exerce  importância para o debate que constrói a necessidade de novos padrões de sustentabilidades frente às segregações socioambientais. A discussão ambiental comumemente está relacionada ao privilégio das grandes dimensões, dos grandes eventos (catástrofes) ambientais, relacionadas aos resultados sociais advindos dos mesmos. A supervalorização de tais processos são entendidos, aqui, enquanto produtores de alienações que negam e camuflamam processos de injustiças ambientais promovidas no dia-a-dia. Valorizar o cotidiano, nos embasamentos de Lefebvre e Heller, para a compreensão mais sólida da realidade, se faz de suma importância para entrelaçar redes e propostas de sustentabilidades que privilegiam o plano da vida comum, a autonomia territorial e a participação ativa dos sujeitos.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestrando em Geografia do Programa de Pós-Graduação (POSGEO) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – Bolsista da CAPES – Membro do Grupo de Estudos Urbanos e Rurais (URAIS) -

Referências

CASTRO-GÓMEZ, S. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In LANDER, E. (org). A Colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. 2005.
CRUZ, V. C. Geografia e pensamento descolonial: notas sobre um diálogo necessário para a renovação do pensamento crítico. In CRUZ, V. C.; OLIVEIRA, D. A. (orgs). Geografia e giro descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2017. p. 37-54.
DUSSEL, E. Europa, modernidade e eurocentrismo. In LANDER, E. (org). A Colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. 2005.
ESCOBAR, A. Territórios da diferença: a ontologia política dos “direitos ao território”. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 35, 2015.
HELLER, A. O cotidiano e a história. Paz e Terra: Rio de Janeiro, 1985.
LAYRARGUES, P. P. A Natureza da ideologia e a ideologia da natureza: elementos para uma sociologia da educação ambiental. Tese de doutorado apresentada ao departamento de sociologia do Instituto de filosofia e ciências humanas da Universidade Estadual de Campinas, 2003.
LEFF, E. Saber Ambiental: Sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 6º ed.- Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
LEFEBVRE, H. A vida cotidiana no mundo moderno. Editora Ática, São Paulo, 1991.
LEFEBVRE, H. La Conscience mystifiée. Suivi de La Conscience privée. Paris: Syllepse, 1999 [1936].
MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. Editora Boitempo, 2013.
MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, nº 34, p. 287-324, 2008.
PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.
PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1989.
QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In LANDER, E. (org). A Colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. 2005.
RUA, J. Desenvolvimento, Espaço e Sustentabilidades. IN: RUA, J. (org.). Paisagem, Espaço e Sustentabilidades. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2007;
RUA, J. Desenvolvimentos e sustentabilidades: uma perspectiva geográfica. In: OLIVEIRA, M. P. COELHO, M.C.N. CORRÊA, A, M. O Brasil, a América Latina e o Mundo: Espacialidades Contemporâneas. Rio de Janeiro: Lamparina. 2008.
SANTOS, M. Por uma Geografia cidadã: por uma epistemologia da existência. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, AGB-EDIUPF, n. 21, p. 7-14, 1996.
SANTOS, M. A natureza do espaço. Técnica e tempo, razão e emoção. Ed. da Universidade de São Paulo. 2006.
SMITH, N. Desenvolvimento Desigual. Bertrand, Rio de Janeiro, 1988.
SOUZA, M. L. Quando o trunfo se revela um fardo: reexaminando os percalços de um campo disciplinar que se pretendeu uma ponte entre o conhecimento da natureza e o da sociedade. Geousp – Espaço e tempo, v. 22, n. 2, p. 274-308. 2018.
SWYNGEDOUW, E. A cidade como um híbrido: Natureza, sociedade e “urbanização-ciborgue”. In ACSELRAD, Henri. A duração das cidades: Sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Ed. Lamparina, 2001. p. 99-120.
VESENTINI, J. W. Geografia, natureza e sociedade. São Paulo: Contexto, 1992.
Publicado
2020-04-30
Como Citar
MARTINS, Gabriel dos Santos. Para valorizar a dimensão da vida cotidiana: articulações ao debate das sustentabilidades. Geopauta, [S.l.], v. 4, n. 1, p. 92-110, abr. 2020. ISSN 2594-5033. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/6173>. Acesso em: 02 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/rg.v4i1.6173.
Seção
Artigos