A memória do Itarendá ressignificando novas territorialidades

  • Evilania Bento da Cunha Universidade Federal do Amapá
  • Rosilene Cruz de Araujo Universidade Federal do Amapá

Resumo

O presente Relato é resultado dos estudos na disciplina Antropologia Visual, ministrada pelo professor Dr. Flavio Leonel no Programa de mestrado em Linguagens e Saberes na Amazônia da Universidade Federal do Pará, Campus de Bragança. Diante da fundamentação teórica apreciada durante a disciplina pensamos discutir o conceito de memória apresentado por Paul Ricoeur, em  que o autor baseia-se em duas perguntas: de que há lembrança? De quem é a memória? Podemos atribuir a esses questionamentos a passagem de paradigma: do fato que é lembrado, ao sujeito que lembra tal fato. Dessa forma, a memória dos Ka’apor pode remeter a imagens do passado e reconstituir o presente das novas aldeias criadas dentro do seu Território. Assim, o relato faz um recorte teórico de conceitos chaves do que foi o desenvolvimento da pesquisa, cujo tema é A (RE)SIGNIFICAÇÃO DO LUGAR E AS NOVAS TERRITORIALIDADES DOS KA’APOR NAS ALDEIAS IPU’Y RENDA E TURIZINHO. Além disso, proponho apresentar as reflexões dos pesquisadores Ana Luiza Carvalho, Fernando Tacca, Carlo Severi e Jacques Aumont no bojo do conceito de imagem relacionando com as fotografias adquiridas durante  experiência como professora do projeto de escolarização ka’apor, nos anos 2012 e 2013, denominado Ka’a namõ jumu’e ha katu – Aprendendo com a Floresta.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-06-30
Como Citar
CUNHA, Evilania Bento da; ARAUJO, Rosilene Cruz de. A memória do Itarendá ressignificando novas territorialidades. ODEERE, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 25-35, jun. 2018. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/3640>. Acesso em: 19 nov. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v3i5.3640.