QUILOMBOS: escravidão e resistência

Resumo

O Brasil foi um dos maiores traficantes de africanos destinados à escravidão nas Américas; e a Bahia um dos seus principais destinos. Porém, juntamente com a escravidão, os africanos trouxeram também a rebelião. Uma das principais formas de negação da escravidão pela revolta trazida pelos negros africanos às Américas foi o quilombo. O artigo discute as mudanças ocorridas na literatura histórica sobre a escravidão e suas formas de negação após o centenário da abolição, em 1988. O quilombo de Palmares surgido no interior de Alagoas em finais do século XIV, veio a se constituir, durante o século XVII, no maior e mais bem organizado quilombo das Américas. Visto de formas diferentes pela historiografia ao longo do tempo, Palmares acabou por se transformar, no imaginário dos explorados de todos os matizes e dos negros de forma especial, num dos maiores símbolos de liberdade e de resistência a qualquer forma de exploração, opressão e discriminação.


Palavras-chave: Escravidão; negros; quilombo de Palmares; resistência.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

AUGEL, Moema Parente. Palmares revisitado. In: A Cor das Letras, 4. Feira de Santana: UEFS, 2000. https://doi.org/10.13102/cl.v4i1.1768

CALMON, Pedro. História do Brasil. São Paulo: Nacional, 1941. 7 v.

CARDOSO. Fernando Henrique. Capitalismo e escravidão no Brasil meridional. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

CARNEIRO. Edson, O quilombo dos Palmares, 1630-1695. São Paulo: Brasiliense, 1947;

CARVALHO, Marcus J. M. de. Trabalho, cotidiano, administração e negociação numa feitoria do tráfico no Rio Benim em 1837. Afro-Ásia, n. 53, 2016, pp. 227-273. https://doi.org/10.9771/1981-1411..v0i53.22471

CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia: Um vocabulário afro-brasileiro. Rio de janeiro: Academia Brasileira de Letras/ Top-books, 2001.

COSTA. Emília Viotti da. Da senzala à colônia. São Paulo: Ciências Humanas, 1978.

CURTO, José. Resistência à escravidão na África: o caso dos escravos fugitivos recapturados em angola, 1846-1876. Afro-Ásia, n. 33, 2005, pp. 67-86.

ENNES. Ernesto, As guerras nos Palmares. São Paulo: Nacional, 1938;

FREITAS. Décio, Palmares: a guerra dos escravos. 4. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1982.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: Formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1987.

_______. O escravo nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX: tentativa de interpretação antropológica, através de anúncios de jornais brasileiros do século XIX, de característicos de personalidade e de formas de corpo de negros ou mestiços, fugidos ou expostos à venda, como escravos, no Brasil do século passado. São Paulo/Recife: ed. Nacional e Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, 2ª edição, 1979.

GENOVESE, Eugenio. Roll, Jordan, Roll. The World the Slaves Made. New York: Pantheon Books. A Division of Random House, 1974, traduzido parcialmente e publicado no Brasil (apenas as duas primeiras partes) sob o título de A Terra Prometida: O Mundo que os Escravos Criaram. Tradução Maria Inês Rolim e Donald Magalhães Garschageir. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Brasília, DF: CNPQ, 1988.

GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo: Ática, 1985.

______. A escravidão reabilitada. São Paulo: Ática, 1990.

GRAMSCI, Antônio. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1985.

GRODEN. Dale T., História e motivo em “Saudação a Palmares” de Antonio Frederico de Castro Alves (1870). In: Estudos Afro-Asiáticos, 25 (dez, 1993), p. 189-205.

HANCHARD, Michael George. Orfeu e o poder: o movimento negro no Rio de Janeiro e são Paulo. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001.

MARTINS. Oliveira, O Brasil e as colônias portuguesas. Lisboa: Guimarães, 1953, p. 64

MOURA, Clóvis. Rebeliões da Senzala – Quilombos Insurreições Guerrilhas. 3. ed. São Paulo: Ciências Humanas, 1981.

______. Os Quilombos na dinâmica social do Brasil. Maceió: EDUFAL, 2001.

NABUCO, Joaquim. A escravidão. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Massangana, 1988. (edição compilada do original manuscrito por José Antonio Gonçalves de Mello).

NASCIMENTO, Alexandre do. Negritude e cidadania: o movimento dos cursos pré-vestibulares populares. In: ROMÃO, Jeruse. Histórias da educação do negro e outras histórias. Brasília: Secad, 2005. p 139-156.

OLIVEIRA, Maria Inês Cortes. Quem eram os ‘negros da guiné’? A origem dos africanos na Bahia. In: Afro-Ásia. Salvador: CEAO/UFBa, n. 19-20, p. 37-73, 1997. https://doi.org/10.9771/aa.v0i19-20.20947

PRADO JR. Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1981; Jacob Gorender. O escravismo colonial. São Paulo: Ática, 1978.

PRICE. Richard. Palmares como poderia ter sido. In: REIS, J. J.; GOMES, Flávio dos Santos (Orgs.). Liberdade por um fio. História dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil. A história do levante dos Malês (1835). São Paulo: Brasiliense, 1986.

______. (Org.). Escravidão & invenção da liberdade: estudos sobre o negro no Brasil. São Paulo/Brasília: Brasiliense/CNPq, 1988.

______.; SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: resistência negra no Brasil escravista. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

______. GOMES, Flavio dos Santos (Orgs.). Liberdade por um fio – História dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

RIBEYROLLES, Charles. Brasil Pitoresco. Belo Horizonte: Itatiaia, dois volumes, 1980.

RODRIGUES, João Botelho Veloso, & RODRIGUES, João Bartolomeu. Rota dos escravos nas Caraíbas. Revista Internacional de Educação, Saúde e Ambiente, Vol. 2. N. 3, 2019, pp. 33-61. https://doi.org/10.37334/riesa.v2i3.25

RODRIGUES, Raimundo Nina. A Tróia negra. Erros e lacunas da história de Palmares. Diário da Bahia (20, 22 e 23 de agosto de 1905), posteriormente reproduzido em Os africanos no Brasil, cap. III. São Paulo: Brasiliana, 1932.

SCHWARTZ, Stuart B. Segredos internos. Engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Cia das Letras, 1988.

______. Mocambos, quilombos e Palmares: a resistência escrava no Brasil colonial. In: Estudos Econômicos, n. 17, p. 83-86, 1987.

SILVA, Maciel. Pretas de honra: trabalho, cotidiano e representações de vendeiras e criadas no Recife do século XIX (1840-1870). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Dissertação de Mestrado, 2004.

SLENES, Robert. Na senzala uma flor. Esperanças e recordações na formação da família escrava – Brasil Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

TAUNAY, Affonso de. Na Bahia colonial. 1610-1764. Revista do IHGB, Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1924. v. 144. T 90.

THOMPSON. Edward. P. Tradición, revuelta y consciência de classe. Barcelona: Editorial Critica, 1979.

TRINDADE, Solano. O poeta do povo. Organizada por Raquel Trindade, São Paulo, Editora Cantos e Prantos, 1999.

VERGER, Pierre. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o Golfo do Benin e a Bahia de Todos os Santos dos séculos XVII ao XIX. São Paulo: Corrupio, 1987.

VAINFAS Ronaldo, A heresia dos índios – catolicismo e rebeldia no Brasil colonial, São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

VIANA Filho, Luís. O negro na Bahia, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
FONSÊCA, Humberto José; SILVA, Zoraide Portela. QUILOMBOS: escravidão e resistência. ODEERE, [S.l.], v. 5, n. 9, p. 234-250, jun. 2020. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/6573>. Acesso em: 08 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v5i9.6573.