SABERES, TRAJETÓRIAS E ESPAÇO SOCIAL: cartografia da alteridade e etnografia reflexiva entre comunidades quilombolas

Resumo

A pesquisa a priori se propôs realizar um esboço etnográfico das quatro comunidades quilombolas no médio sertão maranhense, atentando para os elementos intrínsecos da produção de conhecimentos. Como suporte metodológico, as interlocuções seguiram pelo viés dos estudos que privilegiam as alteridades e os saberes locais como pressupostos analíticos fundamentais. Nessa perspectiva, procuramos nos afastar da maioria dos estudos voltados para comunidades quilombolas que trazem como abordagem central, as lutas fundiárias, o reconhecimento por direitos, no entanto, compreendemos que essas abordagens são fundamentais como marco de compreensão das lutas políticas. As comunidades quilombolas aqui pesquisadas somente foram certificadas pela Fundação Palmares no ano 2006, porém há mais de meio século essas comunidades mantém entre si relações de sociabilidade e intercâmbios culturais. Não obstante, a nossa busca de conhecimento está pautada nos saberes, nas trajetórias e nas concepções de espaço social (território) referenciado na alteridade. Dessa forma, procuraremos captar os processos de criatividade cosmopolítica, sociocosmológica e antropológica, dando ênfase para as suas próprias elaboração e construção de conceitos. Para esse fim, o trabalho de campo foi um instrumental metodológico de suma importância, aliado a outras metodologias, por exemplo, a história oral, a etnohistória e os cuidados com a linguagem local, elementos fundamentais inerentes às ciências sociais.


Palavras-chave: Quilombolas, Cosmopolítica, médio sertão maranhense. 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre, RS: Zouk, 2015.

CAPRANZANO, Vincent. O dilema de Hermes: o disfarce da subversão na descrição etnográfica. In CLIFFORD, James & MARCUS, George. A escrita da cultura. Poética e política da etnografia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, Papeis Selvagens Edições, 2016.

CLIFFORD, James & MARCUS, George. A escrita da cultura. Poética e política da etnografia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, Papeis Selvagens Edições, 2016.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica. Antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2004.

DELEUZE, G & GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 1997.

DELEUZE, Gilles. O abecedário de Gilles Deleuze. In Estudos Filosóficos. São Paulo: Abertos, 1989.

GIDDESN, Anthony. Em defesa da Sociologia. São Paulo: Editora da UNESP, 2001.

GIDDENS, Anthony. Social Theory and Modern Sociology. Stanford: Stanford University Press, 1995.

INGOLD, Tim. Antropologia. Para que serve? Rio de Janeiro, Editora Vozes, 2019.

INGOLD, Tim. Estar vivo. Ensaio, movimento, conhecimento e descrição. Rio de Janeiro: Editora Vozes. 2019.

LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2014.

NASCIMENTO, L.A.S. &. RIBEIRO, Sheila Gomes. Diáspora e religiosidade de uma liderança quilombola no Médio Sertão Maranhense. São Luís: FAPEMA, Relatório Parcial, 2019.

SEGAUD, Marion. Antropologia do Espaço. São Paulo: SESC, s\d.

STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico. São Paulo: UBU Editora, 2017.

VIEIRA, Suzane A. Resistência e pirraça na malhada. Cosmologias quilombolas no Alto Sertão de Caetité. Rio de Janeiro: Tese de doutorado, Museu Nacional, UFRJ, 2015.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac & Naify, 2010.

ZOURABICHVILI, François. Vocabulário de Deleuze. Campinas: Centro Interdisciplinar de Estudos em Novas Tecnologias da Informação, Unicamp, 2014.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
DO NASCIMENTO, Luiz Augusto Sousa. SABERES, TRAJETÓRIAS E ESPAÇO SOCIAL: cartografia da alteridade e etnografia reflexiva entre comunidades quilombolas. ODEERE, [S.l.], v. 5, n. 9, p. 313-331, jun. 2020. ISSN 2525-4715. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/6582>. Acesso em: 08 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/odeere.v5i9.6582.