Memórias e histórias da comunidade Quilombola Orquídio Pereira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/odeere.v5i9.6613

Resumo

Os estudos sobre as comunidades quilombolas tem se ampliado significativamente nos últimos anos no Brasil. Áreas como História, Sociologia, Antropologia, Educação tem evidenciado, com diferentes enfoques teóricos e metodológicos, a importância de se compreender as dimensões histórias, culturais, educacionais dessas comunidades. Neste artigo apresentamos aspectos da história e memória da comunidade quilombola Orquídio Pereira. Os dados foram construídos por meio de entrevistas com moradores antigos e nos permitiu entender as memórias de moradores em uma perspectiva benjaminiana.

Palavras-chave: Memória. Narrativa. Comunidade quilombola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

<section style="text-align: justify; padding: 3px;"><span class="TextRun SCXW129413442 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="none"><span class="NormalTextRun SCXW129413442 BCX0">ARRUTI, José Maurício. Quilombos. In: SANSONE, Lívio; PINHO, Osmundo Araújo (org.). Raça: novas perspectivas antropológicas. Salvador: EDUFBA, 2008. p. 315-351.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. 7.ed. São Paulo: Ed. Brasiliense,1994.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Ato das Disposições Constitucionais Transitórias: Art. 68. Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Decreto nº 4.887 de 20 de novembro de 2003. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2003.

DÓCIO, A. A.; PEROVANO FILHO, N. Extensão universitária é ato de aquilombor-se na contemporaneidade. Odeere – Revista do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade vol.4, n.8, p.338-363, 2019. <a href="https://doi.org/10.22481/odeere.v4i8.6241" rel="DOI">https://doi.org/10.22481/odeere.v4i8.6241</a>

FERREIRA, Graziele N. Cinzento: memória de uma comunidade negra remanescente de quilombo. 195f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1999.

FIABANI, Adelmir. Mato, palhoça e pilão: o quilombo, da escravidão às comunidades remanescentes (1532-2004). 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

LEITE, Ilka, Boaventura. O projeto político quilombola: desafios, conquistas e impasses atuais. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, vol.16, n.3, p.965-977, 2008. <a href="https://doi.org/10.1590/s0104-026x2008000300015" rel="DOI">https://doi.org/10.1590/s0104-026x2008000300015</a>

LEITE, Ilka Boaventura. Os quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. Etnográfica, Lisboa, v. IV, n. 2, p. 333-354, 2000.

LIMA, Vivian I. Raízes, frutos e tramas: pertencimentos, relações étnicas e saberes na comunidade quilombola do Baixão (Vitória da Conquista – Ba). 124f. Dissertação (Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2018.

MELO, Ana Lúcia Aguiar et al. “Palmas” para o quilombo: processo de territorialidade e etnicidade negra. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2011.

O’DWYER, Eliane Cantarino (Org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

OLIVEIRA, R. F. Índios Paneleiros no Planalto da Conquista: do massacre e o (quase) extermínio aos dias atuais. 221f. Dissertação (Mestrado em História). UFBA, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, 2012.

OLIVEIRA, C. A. Quenta Sol: a história e a memória de uma comunidade negra através da sua oralidade. 139f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Estadual Paulista, Franca, 2010.

SEIXAS, Jaci. Percursos de memórias em terras de história: problemáticas atuais. In: BRESCIANI, Stella e NAXARA, Márcia (Orgs.). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Ed. Unicamp, 2001. </section>

Downloads

Publicado

2020-09-03

Como Citar

Eugenio, B., Tamborrielo, M. L., Nóbrega, R. C., & dos Santos, J. B. (2020). Memórias e histórias da comunidade Quilombola Orquídio Pereira. ODEERE, 5(9), 154-179. https://doi.org/10.22481/odeere.v5i9.6613