NUEVOS SENTIDOS EN LA FORMACIÓN DOCENTE EN URUGUAY: EL INCIPIENTE DESARROLLO DE LO PRIVADO Y LAS ALTERACIONES DEL ETHOS MAGISTERIAL.

  • Eloísa Bordoli
  • Luis Domínguez

Resumo

Permitir o desenvolvimento de universidades privadas no Uruguai - realizado no quadro dos decretos da última ditadura cívico-militar - permitiu a instalação da formação terciária privada. Neste contexto, o artigo pretende analisar o desenvolvimento da formação privada de professores nas últimas décadas. Em particular, busca identificar e analisar o surgimento dessas ofertas, bem como os processos de resignificação dos significados da formação de professores no zeitgeist neoliberal em que se baseia a Nova Gestão Pública. Na desvalorização do público, há uma alteração nos significados na formação de professores de ensino básico, bem como no ethos do magistério que foi criado no Uruguai moderno. O foco é estabelecido em dois momentos: inicialmente, identifica-se a matriz de significado e a produção do etos em magistério articulados em torno do modelo de significantes e do trabalho integracionista vinculado à homogeneização da igualdade. Num segundo momento, investigam-se em torno das alterações dos sentidos operados na formação de professores de ensino básico como consequência das oportunidades de formação privada. Neste contexto, identificam-se as divisões e disputas de significados que se estabelecem. O trabalho heurístico é desenvolvido a partir de uma perspectiva pedagógica crítica, se baseia em algumas noções da Análise do Discurso (LACLAU; MOUFFE, 1987). Metodologicamente, trabalhamos com documentos de naturezas varias para identificar os deslocamentos de significados na formação de professores.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-08-06
Como Citar
BORDOLI, Eloísa; DOMÍNGUEZ, Luis. NUEVOS SENTIDOS EN LA FORMACIÓN DOCENTE EN URUGUAY: EL INCIPIENTE DESARROLLO DE LO PRIVADO Y LAS ALTERACIONES DEL ETHOS MAGISTERIAL.. Práxis Educacional, [S.l.], v. 14, n. 29, p. 245-266, ago. 2018. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/4111>. Acesso em: 17 ago. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/praxis.v14i29.4111.