PESQUISADORAS NEGRAS NA DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PERSPECTIVA (AUTO)BIOGRÁFICA

  • Claudia Miranda Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Docente do Programa de PósGraduação em Educação da UNIRIO. Líder do grupo de pesquisa Formação de professores, Pedagogias Decoloniais, currículo e interculturalidade: agendas emergentes na escola e na universidade.

Resumo

As estratégias de sujeitas negras, que se profissionalizam, com vistas a alcançar deslocamento de seu status sócio educacional, são problematizadas a partir de uma análise (auto)biográfica. Como parte das alternativas de construção do conhecimento arrisco-me a sugerir, como uma contribuição transgressora, alguns atalhos experimentados no percurso de estudante universitária, pesquisadora e professora do ensino superior. Apresento interseções e contornos investigativos sobre a formação acadêmica tomando como objeto uma travessia insurgente em instituições públicas. O ponto de partida é uma análise onde a presença negra e feminina na docência do ensino superior ganha relevo. Sob tal perspectiva, arrisco-me a sugerir, como uma contribuição transgressora, alguns descaminhos experimentados no percurso que fiz como professora e pesquisadora negra.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-10-19
Como Citar
MIRANDA, Claudia. PESQUISADORAS NEGRAS NA DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PERSPECTIVA (AUTO)BIOGRÁFICA. Práxis Educacional, [S.l.], v. 14, n. 30, p. 393-414, out. 2018. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/4374>. Acesso em: 14 nov. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/praxis.v14i30.4374.