AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA: PERCEPÇÕES DE DOCENTES DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

  • valdicléa Machado da Silva Rede Municipal de Educação de Joinville – Brasil
  • Márcia de Souza Hobold Universidade Federal de Santa Catarina – Brasil

Resumo

Este artigo apresenta as percepções de docentes em relação às ações de formação continuada
oferecidas por uma Rede Municipal de Ensino. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo, em que
se lançou mão da entrevista semiestruturada como instrumento para coleta de dados. Os principais
aportes que constituem a pesquisa são: Marcelo García (1999), Imbernón (2009, 2010, 2011), Formosinho (2009), Nóvoa (1991a, 1991b, 2002), Romanowski (2007) e Freire (1998). Os resultados deste estudo apontaram que os docentes necessitam que as ações de formação continuada promovam uma aproximação entre teoria e prática e que suas expectativas e necessidades de formação sejam tomadas como ponto de partida ao planejar essas ações. Os dados indicaram que os cursos mais contributivos são aqueles que oferecem uma continuidade do processo formativo, que contemplam as experiências dos professores e que propiciam a socialização dos seus sucessos e suas dificuldades, em um espaço coletivo de aprendizagem.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestre em Educação pela Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE). Professora da Rede Municipal de Educação de Joinville.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).
Professora de Didática do Departamento de Metodologia de Ensino (MEN) e do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Publicado
2019-01-17
Como Citar
DA SILVA, valdicléa Machado; HOBOLD, Márcia de Souza. AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA: PERCEPÇÕES DE DOCENTES DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Práxis Educacional, [S.l.], v. 15, n. 31, p. 295-312, jan. 2019. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/4674>. Acesso em: 21 fev. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/praxis.v15i31.4674.