ESTIMULAÇÃO PRECOCE: O CASO DE UMA CRIANÇA COM SEQUÊNCIA DE PIERRE ROBIN

Resumo





Este estudo analisa o processo de estimulação precoce de uma criança com necessidades educacionais especiais (NEE), em virtude de Sequência de Pierre Robin (SPR), atendida por uma instituição privado-filantrópica de Educação Especial, relacionando os contextos familiar e especializado. Utilizou-se a abordagem qualitativa, com análises descritivas, empregando-se como procedimentos técnicos as pesquisas bibliográfica e de campo para coleta de dados, por meio de estudo de caso. Pelas análises, pôde-se perceber que, desde a chegada da criança com SPR à instituição, em 2015, até o ano de realização da pesquisa, em 2018, houve progressos no seu desenvolvimento, também possibilitados pela participação da mãe, apesar das dificuldades de trabalho da última professora, que relatou falta de experiências com tal modalidade de intervenção pedagógica especializada. Assim, defende-se a necessidade de apoio institucional para que não haja ruptura entre as práticas desenvolvidas pelos docentes, de modo a se garantir o desenvolvimento integral da criança e articulação entre todos os agentes e serviços envolvidos com a estimulação precoce.





DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Pedagoga pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Naviraí (UFMS/CPNV). 

 

 
##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Educação pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD); Professor da Faculdade de Educação da UFGD. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Inclusiva (Gepei).

Referências

ARANHA, Maria Lúcia Azevedo Ribeiro. Desenvolvimento Infantil na creche. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

BEZERRA, Giovani Ferreira. Mediação verbal para alunos com deficiência intelectual na Sala de Recursos Multifuncionais: reflexões e (pro)posições, Revista Práxis Educativa, v. 12, n. 3, p. 960-979, 2017. Disponível em:
.
Acesso em: 22 ago. 2018.

BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação Qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto editora LDA. Portugal. 1994. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2018.

BORGES, Gabriela Silva Braga. Estimulação precoce, trabalho pedagógico e a criança com deficiência na creche. 2016. 172 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Goiás, Catalão, 2016. Disponível em: %20Gabriela%20Silva%20Braga%20Borges%20-%202016.pdf>. Acesso em: 16 maio. 2018.

BRASIL. Referencial curricular nacional para a educação infantil: estratégias e orientações para a educação de crianças com necessidades educacionais especiais.
Ministério da Educação – Brasília: MEC, 2000. Disponível em
Acesso em: 30 maio 2020.

BRASIL. Diretrizes Educacionais sobre Estimulação Precoce: o portador de necessidades educativas especiais. Brasília: MEC, SEESP, 1995. Disponível em: . Acesso em: 30 maio. 2020.

BRASIL. Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor. Brasília: Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde, 2016. Disponível em: < http://www.abenforj.com.br/site/arquivos/manuais/298%20Diretrizes-de-estimulacao-precoce.pdf >. Acesso em: 30 maio. 2020.

CACHEFFO, Viviane Aparecida Ferreira; GARMS, Gilza Maria Zauhy. A afetividade na função do professor de educação infantil. In: CIRÍACO, Klínger Teodoro; BEZERRA, Giovani Ferreira (Orgs.). Educação Básica, Formação de Professores e Inclusão. Curitiba: CRV, 2013, p. 107-114.

CARDOSO, Carolina; FERNADES PROCÓPIO, Leandra; MARCOS, Procópio. Estimulação precoce na educação infantil: um estudo bibliométrico. Revista EDaPECI, São Cristóvão, v.17. n. 1, p. 166-186 jan. /abr. 2017. Disponível em: < https://seer.ufs.br/index.php/edapeci/article/view/5964>. Acesso em: 30 maio 2020.

COSTA, Regina Célia Gradowski Farias Da. O estado do conhecimento sobre estimulação precoce no conjunto de teses e dissertações brasileiras no período entre 2000 e 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013. Disponível em: %20REGINA%20CELIA%20GRADOWSKI%20FARIAS%20DA%20COSTA.pdf?sequenc
e=1&isAllowed=y>. Acesso em: 08 jun. 2018.

DOBROCHINSKI, Sarah Camila Almeida; PARRA, Claudia Regina. A essencialidade da intervenção precoce em crianças com deficiência intelectual. Psicologia.PT, 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2018.

FORMIGA, Cibelle Kayenne Martins Roberto; RAMOS, Bruna Abreu. Programas de Intervenção Precoce: Orientações Gerais e Experiências. Revista Diálogos e Perspectivas em Educação Especial, Marília, v.3, n.2, p. 111-116, jul. - dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2018

GUALDA, Danielli Silva; BORGES, Laura; RODRIGUES, Roberta Karoline Gonçalves. A participação da família de crianças pré-escolares público alvo da educação especial no processo de escolarização dos filhos. In: DENARI, Fátima Elisabeth. Educação Especial: reflexões sobre o dizer e o fazer. São Carlos; Pedro & João. 2013, p. 79-100.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOLLO, Cristina; GRAVE, Magali Teresinha Quevedo. Incidência de crianças participantes dos programas de estimulação precoce de cinco Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais do Vale do Taquari. Revista Caderno pedagógico, Lajeado, v. 12, n. 1, p. 221-230, 2015. Disponível em: Acesso em: 05 jun. 2017.

GLAT, Rosana; PLETSCH, Marcia Denise. Inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais. 2. ed. Rio de Janeiro: Uerj. 2012.
MACHACÁS, Rúben Luís Faria. Sequência de Pierre Robin. 2015. 52f. Dissertação (Mestrado Integrado em Medicina Dentária) – Faculdade de Medicina Dentária, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2015. Disponível em: . Acesso em 19 abr. 2019.

MÓNICO, Lisete et al. A Observação Participante enquanto metodologia de investigação qualitativa. CIAIQ, v. 3, p. 724-733, 2017. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2020.

NASCIMENTO et al. Programas de intervenção precoce: caracterização de instituições e profissionais. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 31, p. 431- 446 abr./jun. 2018. Disponível em:
. Acesso em 15 jun.2018.

SATO et al. Sequência de Pierre Robin – Etiopatogenia, Características Clínicas e Formas de Tratamento. Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial, v 48, n. 3, p.161-164, 2007. Disponível em: .
Acesso em: 18 out. 2018.

SILVA, André Ribeiro et al. Educação precoce: uma revisão integrativa de literatura. Pensar a Prática, Goiânia, v. 20, n. 4, p. 853-863, out./dez. 2017. Disponível em: < https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/44215/pdf>. Acesso em: 30 maio 2020.

TERZAGHI, Marila Alicia; CORIAT Haydée Liliana. Fundamentos e limites da estimulação precoce. Algumas reflexões. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 5, n. 8, p.18-23, 2000. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/estic/v5n8/03.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2018.

TULESKI, Silvana Calvo. Vygotski: a construção de uma psicologia marxista. 2. ed. Maringá: Eduem, 2008.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
MARTINS, Rosely Vieira dos Santos; BEZERRA, Giovani Ferreira. ESTIMULAÇÃO PRECOCE: O CASO DE UMA CRIANÇA COM SEQUÊNCIA DE PIERRE ROBIN. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 40, p. 275-302, jul. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/4999>. Acesso em: 10 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i40.4999.