AS DINÂMICAS EDUCATIVAS EM MOÇAMBIQUE: OBJECTIVOS E PERSPECTIVAS

Resumo





O presente artigo aborda sobre As Dinâmicas Educativas em Moçambique: Objectivos e Perspectivas. Recorreu-se ao método de pesquisa bibliográfica de modo a agregar maior teor e rigor a esse conhecimento. Embora a educação em Moçambique tenha percorrido várias fases ao longo da sua história, ela enfrenta ainda hoje vários desafios que precisam de ser vencidos. O sector educativo deve alcançar uma independência económica, o que vai conferir uma autonomia de modo a levar a cabo as suas actividades e proporcionar uma educação de qualidade aos moçambicanos, pois apenas uma educação adequada pode formar homens de qualidade para uma nação. É preciso que o Governo Moçambicano conceba uma educação na linha da criatividade que leva à criação da obra, incidindo sobre os conhecimentos dialécticos e na reflexão do Homem sobre si mesmo e sobre a sociedade, pois esta educação “criativa” é inovadora, porque é essencialmente antropológica e pressupõe um clima de máxima liberdade, o que na linguagem de Habermas é uma educação emancipatória. E não da reprodutividade, porque essa é uma educação de necessidade, isto é, um movimento de repetição, mesmo quando a sua repetição se aproxima da obra original.






 


 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Licenciado em Ensino de Filosofia com habilitações em Ensino de História, pela Faculdade de Ciências Sociais e Filosóficas da Universidade Pedagógica de Maputo (FCSF/UPM); É Escritor, Poeta e Docente de Introdução a Filosofia na Escola Secundária Comunitária Santa Maria de Namuno, Cabo Delgado – Moçambique; Coordenador do Clube de Livro de Namuno; Co-Editor da Revista Publica Ciência e actua nas áreas de Filosofia Política, Filosofia do Direito e Filosofia da Educação.

 

 

Referências

AGENDA 2025. (2003). Visão e Estratégias da Nação. Maputo: Comité de Conselheiros.
BERTEN, André. (2004). Filosofia Social – A responsabilidade social do filósofo. São Paulo: Paulus.
CASTIANO, José P. & NGOENHA, Severino Elias. (2013). A Longa Marcha duma Educação Para Todos em Moçambique. Maputo: Publifix Lda.
DU BOIS, W. E. B. (1999). As Almas da Gente Negra, Trad. Heloisa Toller Gomes. Editora, Rio de Janeiro: Lacerda.
FREIRE, Paulo. (1987). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
GOLIAS, Manuel. (1992). Sistemas de Ensino em Moçambique: Passado e Presente. Maputo: Escolar.
HEGEL, George Wilhelm Friedrich. (2001). A Razão na História: uma introdução geral à filosofia da história. Trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro.
INDE/MINED. (2003). Plano Curricular do Ensino Básico. Moçambique: DINAME.
JOHNSTON, Anton. (1986). Educação em Moçambique 1975-1984. Stockholm: SIDA, Education Division Documents nº. 30.
KANT, Immanuel. (1995). A Paz Perpétua e Outros Opúsculos. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70.
MARQUES, Ramiro. (2002). Valores Éticos e Cidadania na Escola. Lisboa: Presença.
MAZULA, Brazão. (1995). Educação, Cultura e Ideologia em Moçambique: 1975-1985. São Paulo: USP.
MUDIMBE, V. Y. (2013). A Invenção de Africa – Gnose, Filosofia e Ordem do Conhecimento. Portugal: Edições Pedago Lda.
NGOENHA, Severino Elias. (1992). Por Uma Dimensão Moçambicana da Consciência Histórica. Porto Edições Salesianas.
________________________. (1994). Filosofia Africana: Das Independências às Liberdades. Maputo: Edições Paulistas – África.
RAWLS, John. (2000). Justiça e Democracia. Trad. Irene A. Paternot. São Paulo: Martins Fontes.
SAÚTE, Alda Romão. (2004). Escola de Habilitação de Professores Indígenas «José Cabral», Manhiça-Alvor (1926-1974). Maputo: Promédia, Colecção Identidades.
SEN, Amartya. (1998). O Desenvolvimento como Liberdade. Trad. Joaquim Coelho Rosa. Brasil: Gradiva.

Legislação
BOLETIM OFICIAL nº. 13, de 27 de Março de 1935, que aprova o Regulamento do Ensino Primário Rudimentar e o Regulamento das Escolas Distritais de Artes e Ofícios.
————————- nº. 33, que aprova o Regulamento da Caixa da Escola de Artes e Ofícios para a Escola António Enes de Moamba.
————————- nº. 6, de 10 de Fevereiro de 1937, que aprova a Remodelação da Escola de Habilitação de Professores Indígenas.
————————- nº. 11, de 17 de Setembro de 1937, que aprova os Estatutos da Caixa Escolar da Escola de Habilitação de Professores Indígenas José Cabral.
————————- nº. 13 (Série I), de 31 de Março de 1962.
————————- nº. 6 (Série I, Suplemento 2), de 13 de Fevereiro de 1969.
Decreto-Lei nº. 35.507, de 17 de Setembro de 1947.
Decreto nº. 45.908, de 1964.
Portaria nº. 8.395, de 31 de Maio de 1950.
————- nº. 4.469, de 13 de Agosto de 1941.
———— nº. 15.971, publicado no Boletim Oficial nº. 13, de 31 de Março de 1962.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
PAPEL, Timoteo Gentil. AS DINÂMICAS EDUCATIVAS EM MOÇAMBIQUE: OBJECTIVOS E PERSPECTIVAS. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 40, p. 303-333, jul. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5078>. Acesso em: 10 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i40.5078.