NUNCA NOS SONHARAM: POLÍTICAS E POÉTICAS DA RESISTÊNCIA

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão sobre a mise-en-scène do tema da educação pública no documentário Nunca me sonharam (2017), de Cacau Rhoden, protagonizado por jovens que cursam o ensino médio em escolas públicas de diferentes regiões do Brasil. Analisa-se a narrativa fílmica, em sua retórica político-estética, tanto em relação ao discurso do autor sobre a sua obra quanto em relação aos contextos sociais de produção e recepção do longa-metragem. Busca-se, a partir dessa análise relacional, apreender as possíveis tensões que revelam as lutas simbólicas pela disputa de seu significado, considerando que o documentário foi realizado no quadro do programa “Jovem de Futuro”, do Instituto Unibanco, e justamente no contexto das discussões sobre a reforma do ensino médio

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense com estágio-doutoral na École des Hautes Études em Sciences Sociales (EHESS). Professora do Programa de PósGraduação em Educação da Universidade Católica de Petrópolis e pesquisadora do Grupo de Estudos em Educação, Cultura e Contemporaneidade (GRECCA/UCP), do Grupo de Análises de Políticas e Poéticas Audiovisuais (GRAPPA/UERJ) e do Grupo de Reconhecimento de Universos Audiovisuais (GRUA/UFRJ).

##submission.authorWithAffiliation##

Mestre em Educação pela Universidade Católica de Petrópolis e pesquisadora do Grupo de Estudos em Educação, Cultura e Contemporaneidade (GRECCA/UCP).

##submission.authorWithAffiliation##

Mestre em Educação pela Universidade Católica de Petrópolis e pesquisadora do Grupo de Estudos em Educação, Cultura e Contemporaneidade (GRECCA/UCP).

Referências

AVELLAR, José Carlos. A ponte clandestina. Teorias de cinema na América Latina. São Paulo: Edusp, 1995.

BOEMH, Camila. Documentário traz sonhos e desafios dos jovens do ensino médio público. Agência Brasil, 27/05/2017.

BOURDIEU, Pierre & PASSERON, Jean-Claude. A Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora Francisco Alves, 1992.

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (Org.). Escritos de educação, 16 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015a.

BOURDIEU, Pierre. Os excluídos do interior. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (Org.). Escritos de educação, 16 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015b.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 3ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2002.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.

BREDER, Debora. A Zed And Two Noughts: sobre antropologia, cinema e outras maquinações. In: OLIVEIRA, Esmael; VIANA JUNIOR.; Mario; COSTA, Patrícia (Org). Metodologias de pesquisa em ciências humanas – Campos, Problemas e Objetos. Curitiba: Editora CRV, 2015, pp. 73-90.
BREDER, Debora; COELHO, Paloma. Desvelando imagens: o visível e o indizível na pele que habitamos. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, nº 3, pp. 1489-1502, set.-dez., 2017.

CARDOSO DA MOTTA, Vânia; FRIGOTTO, Gaudêncio. Por que a urgência da reforma do ensino médio? medida provisória nº 746/2016 (lei nº 13.415/2017). Educ. Soc., Campinas, v. 38, nº. 139, pp.355-372, abr.-jun., 2017.

CARRIÈRE, Jean Claude. A linguagem secreta do cinema. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

CÁSSIO, Fernando. Nunca me sonharam e o sequestro das histórias. Documentário comove o público, mas é peça de propaganda de projetos de privatização da gestão escolar e para a Reforma do Ensino Médio. Carta Educação, 06 de Setembro de 2017.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 13ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 2010.

GENTILI, Pablo A.A.; SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação – Visões críticas. Petrópolis: Vozes, 1998.

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012.

PEÑA, Francisco de La. Imaginários fílmicos, cultura y subjetividade. Por un análisis antropológico del cine. México, DF: Ediciones Navarra, 2014.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO Experimental/ Editora 34, 2005.

SOUZA, Pedro Herculano. A desigualdade vista do topo: a concentração de renda entre os ricos no Brasil, 1926-2013. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade de Brasília/UnB, 2016.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.
Publicado
2020-04-01
Como Citar
BREDER, Debora; HERMONT LOURES VALLE, Letícia; EPPINGHAUS DE FIGUEIREDO, Maria Paula. NUNCA NOS SONHARAM: POLÍTICAS E POÉTICAS DA RESISTÊNCIA. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 39, p. 473-495, abr. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5217>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i39.5217.