QUIMERAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: A FORMAÇÃO PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS

Resumo





O estudo tem como objetivo problematizar o curso de pedagogia, considerando o instituído pela Resolução do CNE/CP N. 1/2006, evidenciando-o enquanto uma quimera curricular quando se considera as atribuições previstas para esses profissionais e a formação de docentes para atuarem na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Tem-se como campo de observação e análise os Projetos Pedagógicos e as matrizes curriculares de 16 cursos presenciais de Pedagogia que fizeram a reforma e são ofertados pelo conjunto das 7 universidades públicas do estado do Rio Grande do Sul. Tratando esses documentos como discursos e monumentos a partir de contribuições de Michel Foucault e Ernesto Laclau, analisam-se as formas como as/os pedagogas/os são definidos nas suas atribuições e tarefas e os saberes que são privilegiados pelos currículos, concluindo pelo insuficiente preparo para essas docências.





DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Membro do Grupo de Estudos sobre Docência e Educação Básica: currículo, políticas e profissionalização docente (GEDEB).

Publicado
2019-07-01
Como Citar
GARCIA, Maria Manuela Alves. QUIMERAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: A FORMAÇÃO PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NOS ANOS INICIAIS. Práxis Educacional, [S.l.], v. 15, n. 33, p. 91-117, jul. 2019. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5278>. Acesso em: 17 jul. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v15i33.5278.