ECOLINGUÍSTICA: UMA BOA PRÁTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O AMBIENTE VIVIDO NA AMAZÔNIA AMAPAENSE

Resumo

Este trabalho derivou da pesquisa inicial para dissertação de mestrado e objetiva discutir a Ecolinguística como uma boa prática para educação ambiental, no Igarapé da Fortaleza-AP, com foco nas questões socioambientais existentes, associada à institucionalização de uma Área de Proteção Ambiental no local. O Igarapé da Fortaleza integra a Amazônia Setentrional Amapaense e se situa na divisa entre os municípios de Macapá e Santana. A urbanização do local foi impulsionada, inicialmente, pelo advento de grandes empreendimentos privados para exploração de minério e madeira, induzindo um fluxo populacional que se instalou no local sem os padrões vigentes de urbanização e ordenamento territorial, sem infraestrutura adequada e em situação de risco iminente, devido à degradação ambiental e vulnerabilidade social. Além disso, o poder público criou uma Área de Proteção Ambiental no local, com a intenção de regular as práticas ecológicas sem considerar as questões socioambientais. Na prática, não alcança os resultados esperados, pois, na verdade, apenas camufla interesses. Esse contexto inspirou a pesquisa, a qual teve abordagem qualitativa, sendo de natureza bibliográfica e os dados tratados sob a inspiração na análise de conteúdo. Um dos principais resultados revelou que para a educação ambiental, em um ambiente vivido inóspito como o Igarapé da Fortaleza-AP, é possível utilizar como recurso pedagógico a Ecolinguística, em função de estreita relação entre linguagem e meio ambiente de forma acessível à sociedade.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestrando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP); Licenciado em Letras pela mesma instituição, advogado, professor da rede estadual de ensino; Amapá-Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Educação pela UFU/MG; Professora efetiva da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação/UNIFAP como professora permanente e ao curso de Graduação em Tecnologia em Secretariado; Amapá-Brasil.

Publicado
2019-07-01
Como Citar
CAMPOS, Marcelo Conceição da Rocha; PAIXÃO, Eliana do Socorro de Brito. ECOLINGUÍSTICA: UMA BOA PRÁTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O AMBIENTE VIVIDO NA AMAZÔNIA AMAPAENSE. Práxis Educacional, [S.l.], v. 15, n. 33, p. 498-516, jul. 2019. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5301>. Acesso em: 19 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v15i33.5301.