O ENSINO MÉDIO NO BRASIL: AUSÊNCIAS SILENCIADAS

Resumo

O artigo tem como objetivo compreender os limites e as perspectivas à universalização do acesso e à valorização do professor no Ensino Médio. A discussão foi realizada com base em indicadores educacionais arrolados à qualidade social, com destaque para Taxa Líquida de Matrícula, Adequação da Formação e o Esforço Docente. A análise explicita um contexto distante do proposto nas metas 3, 15, 17 e 18 do Plano Nacional de Educação (2014-2024) e evidencia desafios relacionados à universalização do acesso, à formação inicial e às condições de trabalho do professor do Ensino Médio. Sugere que o problema da qualidade social do Ensino Médio não se resolverá com a flexibilização curricular proposta na Lei 13.415/2017. A qualidade social reivindica a universalização do acesso, mormente aos jovens de 15 a 17 anos, e a transformação da docência em uma profissão socialmente atraente. Dimensões subestimadas nas discussões do tempo presente pelos defensores da reforma.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Pesquisador no Grupo Política e Gestão da Educação.

Publicado
2019-08-26
Como Citar
COSTA, Gilvan Luiz Machado. O ENSINO MÉDIO NO BRASIL: AUSÊNCIAS SILENCIADAS. Práxis Educacional, [S.l.], v. 15, n. 34, p. 32-52, ago. 2019. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5460>. Acesso em: 18 set. 2019.