ARACY CÔRTES E AS EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS DIFUSAS NOS PALCOS AMADORES DO RIO DE JANEIRO (1900-1920)

Resumo





A partir da trajetória de Zilda de Carvalho Espindola (1904-1985), também conhecida como Aracy Côrtes, este trabalho se propõe a compreender as profundas relações entre educação – e suas práticas difusas –, cultura e política na cidade do Rio de Janeiro, nas primeiras décadas do século XX. Através de periódicos, entrevistas concedidas ao Serviço Nacional de Teatro e sua biografia, publicada em 1984, por Roberto Ruiz, busco perceber como as experiências dessa atriz, cantora e empresária do teatro de revista dialogavam com as transformações sociais ocorridas na capital federal. Debruçaremos-nos, especialmente, sobre suas vivências na Sociedade Dramática Particular Filhos de Talma, visto que os grêmios dramáticos vinculavam-se como espaços de formação social, promovendo práticas de letramento, palestras, encontros e debates de textos teatrais que permeavam o cotidiano da cidade. Para tanto, é importante concebermos a educação de forma ampla e plural, entendendo como as iniciativas pautadas em uma ação institucionalizada coexistiram com espaços plurais de acesso às letras. Como nos sugere Edward P. Thompson, ao considerarmos as diferentes vivências de Aracy Cortez no universo do entretenimento carioca, nos inclinamos a olhar para a sociedade na sua multifacetada rede de relações. Não obstante, o início de sua carreira artística nos permite perceber como as mulheres tornaram-se protagonistas de ações educativas, elaborando variadas estratégias para ampliar o acesso ao código letrado, conferindo-lhe uma vasta gama de sentidos.





DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Membro integrante do Grupo de Pesquisa em História Social da Educação.

Referências

ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas: mulheres na colônia. Condição feminina nos conventos e recolhimentos do Sudeste do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: EDUNB, 1993.
ALMEIDA, Ângela Mendes. O gosto do pecado. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

ALMEIDA, Julia Lopes de. Entre Amigas. In: A Mensageira: revista literária dedicada à mulher brasileira. 15 de out. de 1897.

ANJOS, Juarez José Tuchinski dos. A educação da criança pela família no século XIX: da historiografia a um problema de pesquisa. Rev. bras. hist. educ. v. 15, n. 1 (37), p. 51-81. jan./abr. 2015.

BATALHA, Claudio H. M. A geografia associativa: associações operárias, protesto e espaço urbano no Rio de Janeiro da Primeira República. In: AZEVEDO, Elciene et al (org.). Trabalhadores na cidade: cotidiano e cultura no Rio de Janeiro e em São Paulo, séculos XIX e XX. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

BERTUCCI, Liane Maria; Faria Filho, Luciano Mendes; Oliveira, Marcus Aurélio Taborda de. Edward P. Thompson: história e formação, Belo Horizonte, Edufmg, 2010.

BRASIL. Depoimentos, v. III, FUNARTE/SNT, 1977

CABRAL, Sérgio. Pixinguinha: vida e obra. Rio de Janeiro: FUNARTE, 2007.

CAETANO, João. Lições Dramáticas. Rio de Janeiro: Ministério de Educação e Cultura, Departamento de Imprensa Nacional, 1956.

CARULA, Karoline. A imprensa feminina no Rio de Janeiro nas décadas finais do século XIX. Revista Estudos Feministas. v 24, n. 01, p. 261-279. janeiro-abril. 2016.

COSTA, Ana Luiza Jesus da. O educar-se das classes populares oitocentistas no Rio de Janeiro entre a escolarização e a experiência. 2012. 274f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. Loucura, gênero feminino: as mulheres de Juquery na São Paulo do início do século XVIII. Revista Brasileira de História. v.9, n.18, ago/set, 1989.

D’INCAO, Maria Ângela (org). Amor e família no Brasil. São Paulo: Contexto, 1989.

DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, UNESP, 1997.

ENGEL, Magali. Meretrizes e doutores, saber médico e prostituição no Rio de Janeiro (1840-1890). São Paulo: Brasiliense, 1989.

DIAS, Maria Odila. Cotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1984.

______. Novas subjetividades na pesquisa histórica feminista: uma hermenêutica das diferenças. Estudos Feministas. v. 2, n. 2, p. 273-282.1994.

DORIA, Escragnole. Teatro de amadores. Revista da Semana. 26 de junho de 1943.

ESTEVES, Martha de Abreu. Meninas perdidas: os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro da Belle Époque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

FIGUEIREDO, Luciano. O avesso da memória: cotidiano e trabalho da mulher em Minas gerais no século XVIII. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: EDUNB, 1993.

FRANCA, Luciana Penna. Teatro amador: a cena carioca muito além dos arrabaldes. 2011. 118 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

______. Teatro Amador no Rio de Janeiro: associativismo dramático, espetáculos e periodismo (1871-1920). 2016. 244f. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

GARRAIO, Augusto. Manual do Amador Dramatico: guia pratico da arte de representar. 2ª ed. Lisboa, Arnaldo Bordalo: 1911.

GARZONI, Lerice de Castro. Nas fronteiras do não-trabalho: trabalhadores pobres e as definições de vadiagem no início do século XX. Revista Mundo do Trabalho, v. 1, p. 65-95. 2009.

______. Arena de combate: gênero e direitos na imprensa diária (Rio de Janeiro, início do século XX). 2012. 291f. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas.

GOMES, Tiago de Melo. Um Espelho no Palco. Campinas: Unicamp, 2004.

GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008.

GUIMARÃES, Lucia Maria Paschoal; FERREIRA, Tânia Maria Tavares Bessone da Cruz. Myrtes Gomes de Campos: Pioneirismo na luta pelo exercício da advocacia e defesa da emancipação feminina. Revista do Instituto de Estudos de Gênero, v.9, n.2, p.135-151, Niterói, RJ, 1 sem. 2009.

HIPÓLIDE, Eduardo Gramani. O teatro anarquista como prática social do movimento libertário (São Paulo e Rio de Janeiro - de 1901 a 1922). 2012. 331f. Dissertação (Mestrado em História) - PUC-SP, São Paulo.

LEITE, Miriam L. Moreira. Outra face do feminismo: Maria Lacerda de Moura. São Paulo: Ática, 1984.

LEITE, Rosalina de Santa Cruz. Brasil Mulher e Nós Mulheres: origens da imprensa feminista brasileira. Revista Estudos Feministas. v. 11, n. 1, p. 234-241. 2003;

LENHARO, Alcir. Fascínio e solidão: as cantoras do rádio nas ondas sonoras de seu tempo. Anais do Seminário Perspectivas do Ensino de História. São Paulo: Faculdade de Educação/USP, 1988.

LIMA, Lana Lage da Gama. (org). Mulheres, adúlteros e padres. Rio de Janeiro: Dois pontos, 1987.

LOURO, Guacira. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, UNESP, 1997.

MACIEL, Laura Antunes. De “o povo não sabe ler” a uma história dos trabalhadores da palavra. In: MACIEL, Laura Antunes; ALMEIDA, Paulo Roberto de; KHOURY, Yara Aun. (Orgs.). Outras histórias: memórias e linguagens. São Paulo: Olho d´água, 2006.

MAGALDI, Ana Maria Bandeira de Mello; SCHUELER, Alessandra Frota Martinez de. Educação escolar na primeira república: memória, história e perspectivas de pesquisa. Tempo. v.13, n.26, p.32-55. 2009.

MEICHES, Mauro, FERNANDES, Sílvia. Sobre o trabalho do ator. São Paulo: Perspectiva, 1999.

MENCARELLI, Fernando Antônio. Cena Aberta: A absolvição de um bilontra e o teatro de revista de Arthur Azevedo. Campinas: Editora Unicamp, 1999.

MOTT, Luiz. O lesbianismo no Brasil. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987;

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a pequena África do Rio de Janeiro. 2a ed. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1995.

MUZART, Zahidé Lupinacci. Uma espiada na imprensa das mulheres no século XIX. Revista Estudos Feministas. v. 11, n. 1, p. 225-233. 2003.

NEVES, Larissa de Oliveira; LEVIN, Orna Messer (Orgs.). O Theatro – crônicas de Arthur Azevedo. Campinas: Editora Unicamp, 2009.

OLIVEIRA, Karine da Rocha. Josephina Álvares de Azevedo: a voz feminina no século XIX através das páginas do jornal A Família. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2009.

PEDRO, Joana Maria. Mulheres honestas, mulheres faladas: uma questão de classe. Florianópolis: EDUSFC, 1994.

PENA, Maria Valéria Junho. Mulheres e trabalhadoras. Presença feminina na constituição do sistema fabril. Rio de Janeiro: Paz e terra. 1981.

PERROT, Michele. Os Excluídos - Operários, Mulheres e Prisioneiros. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra. 1988.

PINHEIRO, Alexandra Santos. Para além da amenidade — O Jornal das Famílias (1863- 1878) e sua rede de produção. Tese (Doutorado em Teoria e História Literária) — Programa de Pós-graduação em Teoria e História Literária, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

PITA, Valéria. Nos termos de suas benfeitoras: encontros entre trabalhadoras e as senhoras da Sociedade de Beneficência, Buenos Aires, 1852-1870. Revista Mundos do Trabalho, v. 1, n. 2, p. 41-65. 2009.

PRADO, Décio de Almeida. Procópio Ferreira (Um pouco da prática e um pouco da teoria). In: Peças, pessoas, personagens: o teatro brasileiro de Procópio Ferreira a Cacilda Becker. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

QUINTANEIRO, Tania. Retratos de mulher: o cotidiano feminino no Brasil sob o olhar dos viajeiros do século XIX. Petrópolis: Vozes, 1996.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar. A utopia da cidade disciplinar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

______. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina. Campinas: Unicamp, 1990.

SOARES, Luiz Carlos. Rameiras, ilhoas e polacas: A prostituição no Rio de janeiro do século XIX. São Paulo: Ática, 1992.

REIS, Ângela de Castro. Aprendizado atorial em âmbito familiar: paralelos entre o “teatro antigo” e o circo tradicional no Brasil. In: Anais do XXVIII Simpósio Nacional de História: Lugares de Historiadores: velhos e novos desafios. Florianópolis: ANPUH, UFSC, 2015.

RUIZ, Roberto. Araci Cortes: Linda Flor. Rio de Janeiro: Funarte, 1984.


SAMARA, Eni Mesquita. As mulheres, o poder e a família. São Paulo: Marco Zero, 1989.

SCHUELER, Alessandra Frota Martinez de. Notas sobre a feminização da docência: professoras primárias na cidade do Rio de Janeiro de fins do século XIX. Cadernos de Educação. ano 13, n. 22, jan./jun. 2004.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Recife: SOS CORPO, 1992.

SILVA, Ermínia. Circo-teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil. São Paulo: Altana, 2007.

SILVEIRA, Daniela Magalhães da. O trabalho feminino no espaço doméstico: gênero e classe no Jornal das Famílias. Revista Topoi. v. 16, n. 31, p. 689-706. jul./dez. 2015.

SOIHET, Rachel. Condição feminina e formas de violência: mulheres pobres e ordem urbana 1890-1910. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

______. História das mulheres e história do gênero. Um depoimento. Cadernos Pagu. n.11, p.77-87, 1998.
SOUZA, Sílvia Cristina Martins de. Do tablado às livrarias: edição e transmissão de textos teatrais no Rio de Janeiro da segunda metade do século XIX. In: Anais do IV Congresso Internacional de História. Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 9 a 11 de setembro de 2009.

TEIXEIRA, Roberta Guimarães. Na penna da imprensa professoras e professores primários do século XIX (1852-1888): contribuições aos estudos da feminização do magistério. 2010. 166f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Ciências Humanas e Sociais, UNIRIO, Rio de Janeiro.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa: a força dos trabalhadores. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

______. As peculiaridades dos ingleses. In.: NEGRO, Antônio Luigi; SILVA, Sergio (orgs.). E. P. Thompson: As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. 3. ed. Campinas: Unicamp, 1998. v. 1.

VAINFAS, Ronaldo. Trópicos dos pecados. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

VASCONCELOS, Maria Celi. A casa e seus mestres: a educação no Brasil do Oitocentos. Rio de Janeiro: Gryphos, 2005.

VICTORINO, Eduardo. Para ser actor. 3ª ed. São Paulo: Livraria Teixeira Vieira Pontes & Cia, 1936.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.
Publicado
2020-01-01
Como Citar
PINTO, Rebeca Natacha de Oliveira. ARACY CÔRTES E AS EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS DIFUSAS NOS PALCOS AMADORES DO RIO DE JANEIRO (1900-1920). Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 38, p. 88-111, jan. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5990>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i38.5990.