POSTS NA PÁGINA DO DOM BOSCO RONDONIENSE: HISTÓRIAS ESCOLARES NO FACEBOOK

Resumo





A vocação deste artigo é a de refletir sobre as postagens dos sujeitos nos territórios fluidos da web, mais especificamente na página do Colégio Dom Bosco rondoniense no Facebook; nessa acepção, traz para a discussão os posts que circulam num tempo de redes sociais virtuais, buscando contribuir para os estudos sobre os lugares de memórias da escolarização. Os registros compartilhados, possíveis fontes para a historiografia da Educação, exibem as memórias sobre o tempo escolar. Quais as motivações dos usuários nessa página virtual? Nesse ímã de interação, os usuários desempenham papéis indicadores das ações cotidianas, expondo os lugares, as relações, as representações escolares. Nesse contexto, cabe à tela, a capacidade de revelar as memórias escolares vividas no espaço midiático, na quais, os produtores e receptores manejam a linguagem, postam imagens, com vistas à produção de sentidos sobre a vida na instituição de ensino rondoniense. Estudos de Lima (1993) e Cantanhede (1950) anunciam que desde 1933, as aulas com Música, Teatro, sessões de cinema faziam parte das ações educativas dessa instituição de ensino. A pesquisa aborda os variados temas surgidos nas postagens dos novos e antigos estudantes do educandário: saudades dos amigos, debate sobre o Patrimônio cultural em Porto Velho, assim como as atividades que praticaram na escola. Valho-me dos estudiosos Certeau (1982), Chartier (2002), Lévy (1999) e Sibilia (2008) para me ajudar a pensar que as postagens na rede social do Facebook também representam valores, atividades cotidianas e práticas educativas que permitem o conhecimento institucional para além dos estudos historiográficos.





DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Pós-doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ) junto ao grupo de pesquisa Instituições, Práticas educativas e História. Conta com o apoio do PNPD/CAPES, sob a supervisão da Professora Titular Dra. Ana Chrystina Venancio Mignot. Professor doutor da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), campus de Porto Velho, junto ao Núcleo de Ciências Humanas, Departamento de Ciências da Educação. Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Educação Escolar, Mestrado Profissional, MEPE/UNIR, na linha de Pesquisa Práticas pedagógicas, Inovações curriculares e tecnológicas.

Referências

ALBUQUERQUE, Marlon Gomes. Da formação polivalente ao movimento da Educação Matemática: uma trajetória histórica da Formação de Professores de Matemática na Universidade Federal de Rondônia em Ji-Paraná (1988-2012). 276 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2014. Orientador: Prof. Dr. José Luiz Magalhães de Freitas.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Amar se aprende amando. Rio de Janeiro: Record, 1985.

AREND, Silvia Maria Fávero; Macedo, Fábio. Sobre a História do tempo presente: Entrevista com o historiador Henry Rousso. Tempo e Argumento. Disponível em: Acesso em 10 set. 2018.

AYMARD, Maurice. Amizade e convivialidade. In: Chartier, Roger. História da vida privada, da Renascença aos Séculos das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 439-481.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1999.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BERGMANN, Leila Mury. Por favor, aula hoje não!: o orkut, os professores e o ensino. In. COUTO, Edvaldo Souza; ROCHA, Telma Brito Rocha (Orgs). A vida no Orkut: narrativas e aprendizagens nas redes sociais. Salvador: Eduufba, 2010. P. 57-78.

BLOCH, Marc. Apologia da História, ou o Ofício do Historiador. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editora, 2002.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade, lembrança de velhos. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

CASTILLO GÓMEZ, Antonio. História de la cultura escrita. Madrid, ES: Trea, 2002.

CANTANHEDE, Antonio. Achegas para a história de Porto Velho. Manaus: Artes gráficas da Escola Técnica de Manaus, 1950.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CIAVATTA, Maria. O mundo do trabalho em imagens: a fotografia como fonte histórica (Rio de Janeiro, 1900-1930). Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1999.

COUTO, Edvaldo Souza. Pedagogias das conexões: compartilhar conhecimentos e construir subjetividades nas redes sociais digitais. In: PORTO Cristiane; SANTOS, Edméa Oliveira do. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar. Campina Grande: EDUEPB, 2014. P. 47-66.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e educação: figuras do indivíduo projeto. São Paulo: Paulus, 2008.

FIORIN, José Luis. Elementos de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2008.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Adolescência em discurso: mídia e produção de subjetividade. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1996.

FONSECA, Thaís Nívia de Lima. História da Educação e História cultural. In: VEIGA, Cynthia Greive; FONSECA, Thais Nivia de Lima e (Orgs). História e Historiografia da Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. P. 49-75.

FREITAS, Maria Tereza de Assunção. Leitura e escrita de adolescentes na internet e escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

JOAS, Hans. O interacionismo simbólico. In: GIDDENS, Anthony; TURNER, Jonathan (Orgs.). Teoria social hoje. São Paulo: Unesp, 1996. P. 127-174.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2010.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Ed.Unicamp, 2003.

LÈVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LIMA, Abnael Machado. Achegas para História da Educação no estado de Rondônia. Porto Velho: SEDUC, 1993.

MALUF, Marina. Ruídos da memória. São Paulo: Siciliano, 1995.

MARCUSCHI, Luís Antônio. Linearização, cognição e referência: o desafio do hipertexto. Disponível em: Acesso em: 18/07/ 2010.

MATURANA, Humberto. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: UFMG,1998.

MIGNOT, Ana Chrystina Venancio. Da gaveta à vitrine: exposições sobre a escrita. In: Souza, Elizeu Clementino de (Org.), Autobiografias, histórias de vida e formação: pesquisa e ensino. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. P. 207-224

MUZART, Z. Do navegar e de navegantes. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venancio; BASTOS, Maria Helena Camara; CUNHA, Maria Teresa Santos ( Orgs.). Refúgios do eu: educação, história e escrita autobiográfica. Florianópolis: Mulheres, 2000. P. 181-190

NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria (Org.). Cabeças Digitais: O cotidiano na era da informação. Rio de Janeiro: Ed.Pucrio, 2006.

NÓVOA, Antônio. Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

OLSON, David. O mundo no papel. São Paulo: Ática, 1997.

PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa Oliveira do. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar. Campina Grande: EDUEPB, 2014.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RODRIGUES, Diogo Moyses. O Direito Humano à Comunicação: igualdade e liberdade no espaço público mediado por tecnologias. 166 f. Dissertação (Mestrado em Direito). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Orientadora Profª Drª Maria Victoria de Mesquita Benevides.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.
SIMÕES, Robson Fonseca. Memórias digitais: histórias escolares nas comunidades do Orkut. Appris: Curitiba, 2018.

SOUZA, Márcio. Breve história da Amazônia. São Paulo: Marco Zero, 1994.

THOMSON, Alistair. Recompondo a memória: questões sobre a relação entre história oral e as memórias. Revista Projeto História – Ética e História Oral. Programa de Estudos Pós-Graduados em História. São Paulo: EDUC, 1997, P. 51-84.

VIÑAO, Antonio. Las autobiografias, memórias y diários como fuente histórico-educativa: tipologia e usos. In: TEIAS- Revista da Faculdade de Educação/ UERJ, n. 1, jun. 2000, p. 82-97.

ZUIN, Antonio Álvaro Soares. Adoro odiar meu professor: o aluno entre a ironia e o sarcasmo pedagógico. Campinas: Autores Associados, 2008.
Publicado
2020-01-01
Como Citar
SIMÕES, Robson Fonseca. POSTS NA PÁGINA DO DOM BOSCO RONDONIENSE: HISTÓRIAS ESCOLARES NO FACEBOOK. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 38, p. 199-218, jan. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5997>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i38.5997.