OS PONTOS CONVERGENTES ENTRE OS/AS TEÓRICOS/AS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO

Resumo

Este artigo é resultado da pesquisa de Iniciação Científica da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas, que teve como título: “Os Teóricos da Educação do Campo”. O estudo centrou-se nos principais autores/as teóricos/as referente à coletânea Por Uma Educação do Campo e outros, que tratam a Educação do Campo, dentre os quais se destacam: Arroyo (1999), Fernandes (1999), Caldart (2000), Molina (2004) e Benjamin (2000). O artigo está divido em 4 (quatro) pontos: 1) Breve histórico sobre a Educação do Campo; 2) Os Movimentos Sociais e a Educação do Campo; 3) Os/as Teóricos/as e a concepção da Educação do Campo; 4) Os/as teóricos/as e os pontos fundamentais para compreender a concepção da Educação do Campo. A pesquisa teve como foco o seguinte objetivo geral: Analisar os Teóricos que sustentam a concepção de Educação do Campo. Objetivos específicos são: 1) Estudar os referenciais teóricos da Educação do Campo; 2) Refletir sobre a concepção da Educação do Campo e os pontos convergentes. O procedimento metodológico da pesquisa teve como base a pesquisa bibliográfica de cunho qualitativo, centrada nos autores que vem discutindo os princípios, fundamentos epistemológicos e conceituais da Educação do Campo. A conclusão da pesquisa centrou nos estudos da temática da Educação do Campo e sua relação com a perspectiva dos Movimentos Sociais do Campo, considerando suas contribuições para a formulação de uma educação significativa e contextualizada para os sujeitos desse contexto. Assim, evidenciaram-se as concepções de Educação do Campo atribuídas pelos/as autores/as teóricos/as ao longo da pesquisa, bem como a contribuição dos Movimentos Sociais para a elaboração de propostas educacionais voltadas para a realidade do campo brasileiro.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professora Doutora do Departamento de Administração e Planejamento, da Faculdade de Educação, do Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

##submission.authorWithAffiliation##

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Participou de defesa oral no I Seminário de pesquisa em Educação - FACED\UFAM, com o tema "Educação do campo: desafios da prática curricular docente" - 2º semestre/2016 Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica - PIBIC/ UFAM (2017-2018).

Referências

ARROYO, Miguel Gonzalez. FERNANDES, Bernardo Mançano. A Educação Básica e o Movimento Social do Campo. Brasília: Articulação nacional por uma educação básica do campo, 1999.

ARROYO, Miguel Gonzalez. Política de Formação de Educadores do Campo. Cad. Cedes, Campinas, vol. 27, n. 72, p. 157-176, maio/ago. 2007. Disponível em Acesso em 23 set. 2017.

ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna. Por Uma Educação Do Campo. 5 ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

BENJAMIN, César; CALDART, Roseli Salete. Projeto Popular e Escolar do campo. 2 ed.. Brasília: Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo. Coleção Por uma Educação Básica do campo, 2001, n° 3.

BEZERRA NETO, Luiz. Educação do campo ou no campo? Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.38, p. 150-168, jun.2010 - ISSN: 1676-2584.

BEZERRA NETO, Luiz; BEZERRA, Maria Cristina dos Santos. Educação do Campo: referenciais teóricos em discussão. Revista EXITUS, v 1, n 1, p. 93-104, Jul./Dez. 2011.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Panorama da Educação do Campo. Inep/MEC, 2007. Disponível em: http://www.redler.org/panorama-educacao-campo.pdf>. Acesso em 25 dez. 2017.

BRASIL. Por uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In: Educação do Campo: Identidade e políticas públicas. Brasília: Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo. Coleção Por uma Educação Básica do campo, 2002, nº 4, p.18-25

BRASIL. Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília: Imprensa Nacional, 1996.

CALDART, Roseli Salete. Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Revista Trabalho, Educação, Saúde. Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 35-64, mar./jun.2009.

FERNANDES, Bernardo Mançano. et al. Educação do campo: campo – políticas públicas – educação. Org. Clarice Aparecida dos Santos. Brasília: INCRA, 2008.

FREITAS, Ernani Cesar de; PRODANOV, Cleber Cristiano. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul: Universidade Feevale, 2013.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

MOLINA, Mônica Castagna. Desafios para os educadores e as educadoras do campo. In: Educação do Campo: Identidade e políticas públicas. Brasília: Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo. Coleção Por uma Educação Básica do campo, 2002, nº 4, p. 26-30.

PINHO, Ana Sueli Teixeira de; SANTOS, Stella Rodrigues dos. Educação fundamental no campo: por uma educação liberta do modelo escolar “urbanocêntrico”. Bahia: Educação Fundamental, n.13, 2007. Disponível em: http://:www.30reuniao.anped.org.br/minicursos/ementa%20do%20minicurso%20do%20gt13.pdf

SANTOS, Ramofly Bicalho. História da Educação do campo no Brasil: o protagonismo dos movimentos sociais. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 18, n. 51, Out./Dez. 2017.
Publicado
2020-04-01
Como Citar
BORGES, Heloisa da Silva; OLIVEIRA, Bianca da Silva. OS PONTOS CONVERGENTES ENTRE OS/AS TEÓRICOS/AS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 39, p. 238-258, abr. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6376>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i39.6376.