A COMUNIDADE QUILOMBOLA DE QUEIMADAS: A LUTA PELO RECONHECIMENTO E VALORIZAÇÃO DA MEMÓRIA/HISTÓRIA

Resumo

A escravidão no Brasil foi sempre uma temática estudada e questionada principalmente no que se refere à questão do trabalho, da resistência do negro, da economia, dentre outras vertentes, salientando que a mesma aconteceu de maneira diferenciada e com particularidades, diversificando conforme às regiões e interesses. O presente estudo buscou analisar como se deu o processo de reconhecimento da comunidade de Queimadas como remanescente de Quilombo. Por meio deste trabalho é analisado o processo de certificação e a importância da memória e história dos moradores para valorização de seus antepassados e afirmação do ser quilombola. A investigação foi realizada na comunidade Quilombola Queimadas localizada em Guanambi/BA, na região do Território Sertão Produtivo. Utilizamos como recursos metodológicos a entrevista semiestruturada com três lideranças quilombolas, análise do livro de ata da associação comunitária e observação durante as reuniões da associação. Mediante os resultados da pesquisa notou-se o forte papel da assistente social para o reconhecimento da comunidade como quilombola e o entrelaçamento das lideranças da comunidade para que a certificação fosse alcançada, ressaltamos também a carência de benefícios após o reconhecimento e a relevância da história da comunidade para a construção da afirmação da identidade.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Licenciada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia e Especialista em Educação do Campo pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Departamento de Educação, Campus XII de Guanambi/BA.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Educação e Contemporaneidade. Professora Adjunta da Universidade do Estado da Bahia- UNEB. Departamento de Educação, Campus XII de Guanambi-Ba. Pesquisadora vinculada ao Núcleo de Estudo, Pesquisa e Extensão Educacional Paulo Freire- NEPE. Linha de Pesquisa: Currículo, diversidade e formação docente. Professora do Programa de PósGraduação em Educação da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – PPGED UESB, Campus de Vitória da Conquista, vinculada à Linha 2 de pesquisa- Currículo, prática educativa e diferença.

Referências

ARRUTI, José Maurício Andion. Mocambo: Antropologia e história do processo de formação quilombola. Bauru: Edusc, 2006.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico- Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: DF, 2005.

BRASIL. Decreto Nº 4.887, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. DECRETO DO EXECUTIVO, Brasília, DF, 20 nov. 2003. 182o da Independência e 115o da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/d4887.htm Acesso em: 10 ago. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.639 de 09 de janeiro de 2003. Brasília: Presidência da República, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2003/L10.639.htm Acesso em 21 de set. de 2018.

BRASIL. Lei nº 11.645 de 10 de março de 2008. Brasília: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm Acesso em 21de set. de 2018.

BRASIL. Fundação Cultural Palmares. Comunidades Quilombolas. Disponível em: http://www.palmares.gov.br/?page_id=37551. Acesso em 30 de jun. 2018.

CARDOSO, Luis Fernando Cardoso e. Reconhecimento e organização política quilombola na luta por território na Ilha do Marajó (PA). Dossiê rural – Dinâmicas contemporâneas do mundo rural, Cronos: R. Pós-grad. Ci. Soc. UFRN, Natal, v.14, n.2, 2013 (p. 93-107).

DUTRA, Nivaldo Osvaldo. Liberdade é reconhecer que estamos no que é nosso: comunidades negras do Rio das Rãs e da Brasileira – BA (1982-2004). 2007. 178 f. Dissertação (Mestrado em História) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

FREITAS, Décio. O Escravismo Brasileiro. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. Comunidades Quilombolas. Disponível em: http://www.palmares.gov.br/?page_id=37551. Acesso em 30 de jun. de 2018.

GOHN, Maria da Glória. O protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. 2. ed., São Paulo: Cortez, 2008.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: Educação anti-racista : caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03 / Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. – Brasília: Ministério da Educação, Coleção Educação para todos, 2005 (p. 39-62).

GOULARTE, Nivaldo Aníbal. Brasil 500 anos: desconstruindo o mito (coletânea de textos). Criciúma: Unesc, 2000.

LE GOFF. História e Memória. 7ed. São Paulo: Unicamp, 2003.

LEITE, Ilka Boaventuura. Os quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. In: Etnográfica, v. IV, n. 2, 2000 ( p. 333‐354).

LEITE, Ilka Boaventuura. O projeto político quilombola: desafios, conquistas e impasses atuais in Rev.Estud.Fem.vol.16.nº3 Florianópolis. set. /dez.2008.

MACÊDO, Dinalva de Jesus Santana. Educação em Comunidades Quilombolas do Território de Identidade do Velho Chico/BA: indagações acerca do diálogo entre as escolas e as comunidades locais. Tese de doutorado. Universidade do Estado da Bahia, 2015.

MOURA, Clovis. Os Quilombos e a Rebelião Negra. São Paulo. Ed. Brasiliense, 5ªed. 1986.

MOURA, Clovis. Quilombos: resistência ao escravismo. São Paulo: Ática, 1987.

MUNANGA, Kabengele. Identidade, cidadania e democracia: algumas reflexões sobre os discursos anti-racistas no Brasil.In: SPINK, Mary Jane Paris(Org.) A cidadania em construção: uma reflexão transdisciplinar. São Paulo: Cortez, 1994 ( p. 177-187).

MUNANGA, Kabengele. Origem e histórico do quilombo em África. In: MOURA, Clóvis. Os quilombos na dinâmica social do Brasil. Maceió: EDUFAL, 2001(p. 21‐31).

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raças, racismo, identidade e etnia. Palestra pproferida no 3º Seminário Nacional Relações Raciais e Educação – PENESB-RJ, 05 de novembro de 2003.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989 ( p. 3-15).

PRIOSTE, Fernando, Gallardo Vieira, Quilombolas, Luta, por Terras e Questões Raciais no Supremo Tribumal Federal. In: Os direitos territoriais quilombolas: além do marco territorial/ Coordenadores, Antonio Carlos Wolkmer, Carlos Frederico Marés de Souza Filho, Maria Cristina Vidotte Blanco Tarrega..-- Goiânia : Ed. da PUC Goiás, 2016. (p. 105 – 124).

SANTOS, Jamille Pereira Pimentel. As etnicidades geracionais presentes na dinâmica do nascer, viver e morrer na comunidade quilombola Queimadas, Guanambi/Ba”. Dissertação. (Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade) Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB.- Jequié, 2017.

SILVA, Valdélio Santos. Rio das Rãs a luz da noção de quilombo. Revista Afro- Ásia. 23 n. Salvador: EDUFBA. 2000 (p. 267-295).

SILVA, Joseane Maia Santos. Comunidades quilombolas, suas lutas, sonhos e utopias. Revista Palmares - Cultura Afro-brasileira. A FCP chega aos 21 anos - Tempo de cidadania e diversidade. Ano V, n. 5, ago. 2009.
Publicado
2020-04-01
Como Citar
LIMA, Hayla Fernanda Moura; MACÊDO, Dinalva de Jesus Santana. A COMUNIDADE QUILOMBOLA DE QUEIMADAS: A LUTA PELO RECONHECIMENTO E VALORIZAÇÃO DA MEMÓRIA/HISTÓRIA. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 39, p. 520-542, abr. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6407>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i39.6407.