INTERAÇÕES DISCURSIVAS SOBRE A CONTEXTUALIZAÇÃO MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i42.6636

Palavras-chave:

Contextualização matemática, Discurso, Práticas de numeramento

Resumo

O artigo objetivou problematizar o discurso da contextualização matemática e sua relação com práticas discursivas mobilizadas pelos sujeitos curriculares da Educação de Jovens e Adultos. Para tanto, usamos informações secundárias produzidas por meio de entrevistas com estudantes e professores/as que ensinam matemática nessa modalidade de ensino. Em diálogo com autores (as) do campo da Educação Matemática, operamos com ferramentas teórico-analíticas como discurso e poder-saber na perspectiva pós-crítica de estudos curriculares, sobretudo aqueles que se inspiram nas contribuições de Michel Foucault e colaboradores, para assumir as práticas de numeramento enquanto discursivas, portanto, produtoras de verdades acerca do Ensino de Matemática. A análise sugere que práticas de numeramento que têm lugar na Educação de Jovens e Adultos encontram-se atravessadas por relações de poder-saber, que estabelecem, compreendem e produzem discursos como o da contextualização matemática, engendrados no mecanismo da aplicabilidade, para instituir regimes de verdade que naturalizam a hegemonia da matemática formal (acadêmica e escolar) e o discurso da contextualização, e de como os sujeitos curriculares da Educação de Jovens e Adultos são capturados por esse discurso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neomar Lacerda da Silva, Universidade Federal da Bahia – Brasil

Doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA) – Brasil; Professor da Rede Pública Estadual da Bahia – Brasil; Membro do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática (ENCIMA) – UFBA.

Andréia Maria Pereira de Oliveira, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) – Brasil; Professora adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da UFBA/UEFS e no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA; Membro do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática (ENCIMA) – UFBA.

Marlécio Maknamara, Universidade Federal de Alagoas – Brasil

Pós-doutorado na School of Education da La Trobe University – Austrália, com Bolsa Estágio de Professor Visitante no Exterior (CAPES/PVEx); Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – Brasil; Professor do Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) – Brasil e dos Programas de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) – Brasil; Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas com Narrativas em Educação/CNPq (ESCRE(VI)VER).

Referências

BAKER, Dave; STREET, Brian; TOMLIN, Alison. Mathematics as social: understanding relationships between home and school numeracy practices. For the learning of mathematics. v. 23, n. 3, p. 11-15. 2003.

BAMPI, Lisete. Efeitos de poder e verdade do discurso da Educação Matemática. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 24, n. 1, p. 115-143, jan./jun. 1999.

BARWELL, Richard. What is numeracy? For the learning of mathematics, v. 24, n. 1, p. 20-22. 2004.

BOCASANTA, Daiane Martins; WANDERER, Fernanda; KNIJNIK, Gelsa. Educação de jovens e adultos e os conhecimentos tecnocientíficos: analisando as relações entre ciência, tecnologia e matemática. Horizontes, v. 34, n. 3, p. 81-92, 2016.

BORBA, Marcelo Carvalho; SKOVSMOSE, Ole. A ideologia da certeza em Educação Matemática. In: SKOVSMOSE, O. (Org.). Educação Matemática Crítica: a questão da democracia. 6.ed. Campinas: Papirus, v. 1, p. 127-148, 2011.

CALDEIRA, Maria Carolina Silva; PARAÍSO, Marlucy Alves. Currículo e relações de poder-saber: conflitos e articulações entre o dispositivo de antecipação da alfabetização e o dispositivo da infantilidade. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 769-794, 2017.

CHERRYHOLMES, Cleo H. Um projeto social para o currículo: perspectivas pós-estruturais. IN: SILVA, T. T. (Org.). Teoria educacional crítica em tempos pós-modernos. Porto Alegre: Artes Médicas, p. 143-172, 1993.

CORAZZA, Sandra. O que quer um currículo? Pesquisas pós-críticas em educação. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 150 p. 2004.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

DAVID, Maria Manoela; MOREIRA, Plínio Cavalcanti; TOMAZ, Vanessa Sena. Matemática escolar, matemática acadêmica e matemática do cotidiano: uma teia de relações sob investigação. Acta Scientiae, Canoas, v. 15, n. 1, p. 42-60, 2013.

DELEUZE, Gilles; FOUCAULT, Michel. Os intelectuais e o poder: conversa entre Michel Foucault e Gilles Deleuze. In: MACHADO, R. (Org.). Microfísica do poder. 28. ed. São Paulo: Edições Graal, 2003.

DÍAZ, Mario. Foucault, docentes e discursos pedagógicos. In: SILVA, T. T. (Org.). Liberdades reguladas. Petrópolis: Vozes, p.14-29, 1998.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, n.114, p.197-223, 2001.

FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis. Educação matemática de jovens e adultos: especificidades, desafios e contribuições. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

FONSECA, Maria da Conceição F. Reis. Numeramento: usos de um termo na configuração de demandas e perspectivas da pesquisa em educação matemática de pessoas jovens e adultas. In: D’AMBROSIO, Beatriz S.; LOPES, Celi E. Vertentes da subversão na produção científica em educação matemática. Campinas, SP: Mercado das Letras, p. 267-281, 2015.

FONSECA, Maria da Conceição F. Reis. Alfabetização, Alfabetismo, Letramento e Numeramento. In: CATELLI JÚNIOR, Roberto. Formação e Práticas na Educação de Jovens e Adultos. São Paulo: Ação Educativa, p. 103-115. 2017.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. Petrópolis: Vozes, 1972.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

GALLO, Silvio. Do currículo como máquina de subjetivação. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo; CARVALHO, Janete Magalhães. (Orgs.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Petrópolis: DP et Alii, p. 203-217, 2012.

JOHNSTON, Melissa P. Secondary data analysis: A method of which the time has come. Qualitative and quantitative methods in libraries, v. 3, n. 3, p. 619-626, 2017.

KIPPER, Daiane; DE OLIVEIRA, Cláudio José; GOMES, Lívia Bittencourt. Competências matemáticas na BNCC: implicações curriculares. Práxis Educacional, v. 15, n. 34, p. 53-74, ago. 2019.

KNIJNIK, Gelsa; DUARTE, Claudia Glavam. Entrelaçamentos e dispersões de enunciados no discurso da educação matemática escolar: um estudo sobre a importância de trazer a" realidade" do aluno para as aulas de matemática. Boletim de Educação Matemática, v. 23, n. 37, p. 863-886, 2010.

KNIJNIK, Gelsa; WANDERER. Fernanda; GIONGO, Ieda Maria; DUARTE, Claudia Glavam. Etnomatemática em movimento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves. (Orgs.). Metodologias de pesquisa pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012.

NEIRA, Marcos Garcia. Teorias pós-críticas da educação: subsídios para o debate curricular da Educação Física. Dialogia, São Paulo, v. 2, n. 14, p. 195-206, 2011.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: PARAISO, Marlucy Alves; MEYER, Dagmar Estermann. (Orgs.). Metodologias de Pesquisas Pós-críticas em Educação. 2.ed. Belo Horizonte: Mazza, v. 2, p. 25-47, 2014.

PARAÍSO, Marlucy Alves. A ciranda do currículo com gênero, poder e resistência. Currículo sem Fronteiras, v.16, n. 3, p. 388-415, 2016.

POPKEWITZ, Thomas. S. História do currículo, regulação social e poder. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, p. 173‐210, 2008.

QUARTIERI, Marli Teresinha; KNIJNIK, Gelsa. Modelagem Matemática na Escola Básica: surgimento e consolidação. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 9, n. 1, p. 9-26, 2012.

REIS, Cristina d'Avila; PARAÍSO, Marlucy Alves. Normas de gênero em um currículo escolar: a produção dicotômica de corpos e posições de sujeito meninos-alunos. Estudos Feministas, p. 237-256, 2014.

SILVA, Tomaz Tadeu. Identidades terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. 1. Ed. Petrópolis: Vozes, v. 1, 274p. 1996.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 154p. 2002.

SILVA, Heloisa; GARNICA, Antônio Vicente Marafioti. Dispositivo estratégico, resistência e relações de poder: um ensaio sobre a identidade do Centro de Educação Matemática (CEM) e seu papel na (E) educação (M) matemática brasileira. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 7, n. 2, p. 421-443, 2012.

SILVA, Neomar Lacerda da. Pressupostos freireanos nas práticas pedagógicas de professores que lecionam Matemática na Educação de Jovens e Adultos. 221f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, BA, 2014. Orientadora: Prof.ª Dr.ª Maria Elizabete Souza Couto.

SOARES, Leôncio; GIOVANETTI, Maria Amélia; GOMES, Nilma Lino (Org.). Diálogos na Educação de Jovens e Adultos. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SOUZA, Maria Celeste R. F; FONSECA, Maria da Conceição F. Reis. Razão cartesiana, matemática e sujeito - olhares foucaultianos. Educação & Realidade, v. 35, n. 3, 2010.

SOUZA, Maria Celeste R. F. Tensões entre oralidade e escrita nas práticas de numeramento de alunas e alunos da EJA: a escrita como mecanismo de diferenciação nas relações de gênero e matemática. Educação em Foco, Juiz de Fora, n. 2, v. 16, p. 81-113, 2012.

SOUZA, Maria Celeste R. Fernandes; FONSECA, Maria da Conceição F. Reis. Práticas de numeramento e relações de gênero: tensões e desigualdades nas atividades laborais de alunas e alunos da EJA. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 55, p. 921-938, 2013.

Downloads

Publicado

2020-10-01

Como Citar

da Silva, N. L., de Oliveira, A. M. P., & Maknamara, M. (2020). INTERAÇÕES DISCURSIVAS SOBRE A CONTEXTUALIZAÇÃO MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Práxis Educacional, 16(42), 535-559. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i42.6636