O DIREITO DE BRINCAR: UMA NECESSIDADE PARA AS CRIANÇAS, UMA POTENCIALIDADE PARA A ESCOLA E A CIDADE

Resumo

A principal questão abordada neste artigo é: por que e como a brincadeira infantil deve ser considerada um critério importante nas políticas urbanas? Uma possível resposta para este problema é encontrada ao longo do texto. Gostaria de começar esboçando a evolução mais recente (ou melhor, involução) da estrutura e organização urbana, enfatizando como ela define um ambiente que é proibido e hostil às crianças, a menos que sejam acompanhados por adultos; vou resumir o impacto desse ambiente no jogo e, portanto, no desenvolvimento das crianças, acentuando as diferentes características da mobilidade espacial em crianças e adultos, e o extremo perigo de isolar as crianças da experiência do perigo. Proporei uma alternativa radical à política urbana na qual as crianças e seu jogo são o foco principal, em vez de um problema marginal e não conhecido para ser considerado apenas como uma reflexão posterior, e apresentarei alguns casos concretos naqueles em que tal alternativa foi colocada em prática por crianças e políticos juntos, e seus efeitos foram testados e avaliados. Em conclusão, experiências semelhantes parecem justificar uma quantidade moderada de esperança para o futuro de nossas cidades, apesar de suas preocupantes condições atuais.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Instituto de Ciências e Tecnologias da Cognição – ISTC- Conselho Nacional de Pesquisa.




Referências

ADER, J., JOUVE, H. "Jogo e contexto urbano". Arquitetura e Arquitetura Comportamento 7, 1991, p. 115-119.
AMERIO, Piero. Il senso della sicurezza. Milano: Unicopli, 1999.
BARALDI, C., MAGGIONI, G. (Eds.). Uma cidade com crianças, projetos e experiências do Laboratório FanoRoma: Donzelli Publisher, 2000.
BATESON, G. A mensagem "Isto é jogar", Nova Iorque: Fundação Josiah Macy Jr., 1956.
BAUMAN, Z. A sociedade individualizada. Cambridge: Polity Press, 2001.
BENCIVENGA, E. Jogando duro. Crítica à sociedade do entretenimento. Mondadori, 1995.
BENCIVENGA, E. Três diálogos. Turim: Bollati Boringhieri, 1988.
BLAKELY, K. S. Concepções de 'pais' sobre os perigos sociais para as crianças no ambiente urbano' Ambientes Infantis 11, 1994, p. 16-25.
BOZZO, L. 'O Jogo e a Cidade', Cityscape 2, 1995, p. 30-33.
BRUNER, J. S. 'Natureza e usos da imaturidade'. In: BRUNER, J. S., JOLLY, A., SILVA, K. (eds.). Jogar. Seu papel no desenvolvimento e evolução. Nova Iorque: Livros Básicos, 1976.
CALLARI GALLI, M. Cultura, gioco, giocatolli. Prefazione in B SUTTON-SMITH, Nel Paese dei balocchi. I giocattoli come cultura, Molfeta, La Meridiana, 2002
CHAWLA, L. Crescendo em um mundo urbanizador, Paris/Londres: Unesco Publicação/Earthscan, 2001.
GARLING T.; VALSINER, J. (eds.). Crianças dentro do ambiente: Para uma psicologia da prevenção de acidentes, Nova Iorque: Plenum Press, 1985.
GARVEY, Catherine. Play. Cambridge, MA: Harvard University Press. 1977
GERMANOS, D. 'A relação da criança com o espaço urbano: perspectivas Educacional 'cultural', Arquitetura - Comportamento 2, 1995, p. 54-63.
GOMBRICH, E. H. Meditações sobre um cavalo de hobby e outros ensaios sobre a teoria da arte. Londres: Phaidon, 1971.
GRAMPO, M.; NEWBERRY, R. C., BEKOFF, M. 'Jogo de mamíferos: Treinamento para o inesperado', Revisão Trimestral da Biologia 76, 2001, p. 141-168.
HART, R. Participação das Crianças: A Teoria e a Prática de Envolver Jovens Cidadãos no Desenvolvimento Comunitário e Cuidados Ambientais, Londres: Earthscan Publicação Limitada, 1997.
HILLMAN, M. (ed.). Crianças, transporte e qualidade de vida, Londres: Instituto de Estudos políticos, 1993.
HOMEM, M. Incoerente Império. Londres: Verso Books. 2003.
HUIZINGA, J. Homo Ludens. Amsterdã: Panteão Editor, 1939.
KLINE, S. 'A promoção e comercialização de brinquedos: Hora de repensar o paradoxo?', In: PELLEGRINI, A. O futuro da teoria do jogo. Albany: State of New York University Press, 1995.
LOCKE, J. Alguns pensamentos relativos à educação, Indianápolis/Cambridge: Hackett Publishing Company (orig. ed. 1693), 1996.
LYNCH, K. "O Mundo Espacial da Criança", In: MICHELSON, W.; LEVINE, S.V., MICHELSON, E. (eds.), A criança na cidade: Hoje e amanhã, Toronto: Universidade de Toronto Press, 1979.
MARILLAUD, J. 'Jogo e Segurança no espaço Público’, Arquitetura - Comportamento 7, 1991, p. 137-145.
MUMFORD, L. 'Planejamento para as diferentes fases da vida', Planejamento urbano 1, 7-11. 1945.
PIAGET, J. A formação do símbolo em crianças. Neuchâtel: Delachaux e Niestlé, 1945.
PREZZA, M.; ALPARONE, F.R.; RENZI, D.; PETERBONO, Um. Participação Social e Mobilidade Independente em Crianças: Os Efeitos de Duas Implementações de ''Vamos à Escola Sozinhos'', Revista de Prevenção & Intervenção na Comunidade, 2010, 38, p. 8–25.
PREZZA, M., PILLONI, S., MORABITO C.; SERSANTE C.; ALPARONE, F. R. 'A mobilidade autônoma das crianças no contexto urbano e no pátio, parque e estrada privada como espaços de jogo', Psicologia da saúde 3, 2000, p. 81-97.
RISSOTTO, A., TONUCCI, F. 'Liberdade de Movimento e Conhecimento Ambiental em Crianças do Ensino Fundamental', Revista de Psicologia Ambiental 22, 65-77, p. 2002.
SAINT-EXUPÉRY, A. O Pequeno Príncipe, Paris: Gallimard, 1943.
SHAW, B., WATSON, B. Serviço para mulheres. REDECKER, B.; JONES, A.; HILLMAN, T. M. Mobilidade independente infantil: um estudo comparativo na Inglaterra e Alemanha (1971 - 2010), Londres: Instituto de Estudos políticos, 2013.
SUTTON-SMITH, B. Brinquedos como cultura, Nova Iorque: Gardner Press, 1986.
SUTTON-SMITH, B. A ambiguidade do jogoCambridge: Cambridge University Press, 1997.
TAYLOR, A. F., WILEY, A., KUO, F. E., SULLIVAN, W. C. 'Crescendo na Cidade Interior: Espaços Verdes como Lugares para Crescer' Meio ambiente e Comportamento 30, 1998, p. 3-27.
TONUCCI, F., RISSOTTO, A. 'Por que precisamos da participação das crianças? A Importância da Participação das Crianças na Mudança da Cidade' Revista de Psicologia Social Comunitária e Aplicada 11, 2001, p. 407-419.
TONUCCI, F. A Cidade das Crianças. Lateza, 1996.
TONUCCI, F. Se as crianças disserem: agora chega! Lateza, 2002.
TONUCCI, F. Si no os haceis como yo. Madrid: PPC, 1995.
VAN PAREIJS, Philippe. The disfranchisement of the elderly, and other attempts to secure intergenerational justice. Philosophy and Public Affairs 27 (4): 1998, p. 292-333.
VYGOTSKY, L.S. "Desempenhar e seu papel no desenvolvimento mental da criança", Psicologia Soviética 12, 1966,
Publicado
2020-07-01
Como Citar
TONUCCI, Francesco. O DIREITO DE BRINCAR: UMA NECESSIDADE PARA AS CRIANÇAS, UMA POTENCIALIDADE PARA A ESCOLA E A CIDADE. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 40, p. 234-257, jul. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6897>. Acesso em: 10 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i40.6897.