Práxis Educacional http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis <section style="text-align: justify; padding: 3px;">A Revista Práxis Educacional é um periódico trimestral, do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEd), da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Publica artigos inéditos resultantes de pesquisas científicas, além de resenhas de livros. Seu objetivo central é divulgar pesquisas e estudos vinculados ao campo da educação, desenvolvidos por pesquisadores de diferentes contextos educacionais do Brasil e do exterior.&nbsp;<span style="text-decoration: underline;">A revista não cobra nenhum tipo de taxa para a publicação dos textos</span>.</section> pt-BR praxisedu@uesb.edu.br (Claudio Pinto Nunes) praxisedu@uesb.edu.br (Equipe Editorial) seg, 07 set 2020 09:08:03 +0000 OJS 3.2.1.1 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 A INTERLOCUÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: QUE DIZEM OS TRABALHOS CIENTÍFICOS? http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6460 <p><strong>Resumo: </strong>A escola da contemporaneidade provocou transformações na atuação docente. A década de 80, marcada pelos movimentos sociais, e pela luta a favor da democratização do ensino, traz para o interior da escola a população que sempre esteve à margem das políticas educacionais. Torna-se imperativo uma reorganização da escola e também, dos novos docentes, ainda mais comprometidos com a transformação social, e com uma educação inclusiva. A formação inicial dos novos professores perpassa pela participação nos estágios supervisionados, entendido aqui como um momento fundamental no processo formativo.&nbsp; Quais são as contribuições dos trabalhos acadêmicos (2008-2018), para a produção de conhecimento na inter-relação entre estágio supervisionado e educação inclusiva? Este estudo tem como objetivo mapear e discutir as contribuições dos trabalhos acadêmico-científicos que abordem a inter-relação entre o estágio supervisionado e educação inclusiva. O método utilizado foi a pesquisa bibliográfica buscando artigos, teses e dissertações em dois repositórios acadêmicos, a saber: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED), e Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). Mostra a sua relevância ao abordar que a formação inicial precisa contemplar no designer pedagógico das instituições superiores a partir das demandas pedagógicas, reflexão e ressignificação das práticas dos estagiários por meio de uma estrutura formativa, tendo como princípio a práxis dialógica e transformadora. Além de recomendar a realização de outras pesquisas que mostrem essa inter-relação tão necessária e urgente.</p> <div id="gtx-trans" style="position: absolute; left: 154px; top: 108px;">&nbsp;</div> Julimar Santiago Rocha, Patrícia Carla da Hora Correia, Débora Regina Oliveira Santos Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6460 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 AS PRÁTICAS COTIDIANAS DE LEITURA E ESCRITA NA ESCOLA COMO UM DIREITO DA INFÂNCIA http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7263 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>A relação entre a infância e a alfabetização ainda é um acirrado campo de disputas teóricas e metodológicas no Brasil. No bojo das reflexões sobre a infância, o termo alfabetização foi banido dos discursos oficiais. Esse posicionamento tem consequências sérias porque trata a alfabetização como uma tarefa estritamente escolar, situada em um período específico da vida das crianças e desconsidera que a alfabetização é um processo pelo qual as crianças passam para compreender os diferentes usos da escrita na sociedade. Face à problemática, apresentamos uma discussão sobre as interfaces entre infância, cultura e escrita para defender que o entendimento da criança como um sujeito que produz cultura e é por ela produzida, inclui o direito de fazer uso da escrita, um instrumentos linguístico importantíssimo da cultura do qual todas nasceram herdeiras. Na sequência, destacamos as escritas domésticas como um aspecto cultural do qual as crianças se apropriam para participar da vida social no ambiente familiar. A partir disto, provocamos uma reflexão sobre as situações de escrita que organizam o funcionamento da sala de aula e da escola para defender a inclusão das escritas cotidianas nos currículos escolares, através de uma ação intencional e planejada que possam legitimá-las em seu conjunto, assim como acontece com outras práticas de leitura e escrita. Por fim, reiteramos a ideia de que o direito à infância inclui o direito à alfabetização, entendida como o ingresso nas diferentes culturas do escrito.</p> </div> </div> </div> </div> Giovana Cristina Zen, María Claudia Molinari, Aline Carvalho Nascimento Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7263 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 A GAMIFICAÇÃO E OS DISPOSITIVOS DIGITAIS NO ENSINO SECUNDÁRIO EM BRAGA, PORTUGAL http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7264 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>Na contemporaneidade os alunos que vivenciam as culturas digitais estão acostumados ao ciberespaço, a instantaneidade das redes sociais, a ludicidade dos jogos digitais e a busca por informação na Internet. No entanto, na sala de aula percebe-se a falta de motivação e de engajamento dos alunos, especialmente pela ausência de práticas pedagógicas em contextos digitais. Neste sentido, o artigo tem como propósito apresentar pistas de como a gamificação e os dispositivos digitais proporcionam a imersão das culturas digitais na sala de aula. De natureza qualitativa, o estudo analisou entrevistas realizadas com alunos que vivenciaram o uso da gamificação e dos dispositivos digitais nas aulas de Português de uma escola pública de ensino secundário em Portugal. Os relatos dos sujeitos demonstraram que os dispositivos utilizados favoreceram a interação e a comunicação entre professor- aluno-aluno, proporcionaram o envolvimento dos alunos nas atividades e contribuíram para a inovação, a criatividade e o trabalho em equipe.</p> </div> </div> </div> </div> Gilson Pereira dos Santos Júnior, Paula Escudeiro, Adelina Moura, Simone Lucena Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7264 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 PERSPECTIVAS DOS GRADUADOS UNIVERSITÁRIOS NÃO-TRADICIONAIS EM ESTÁGIOS: HABILIDADES, EMPREGABILIDADE E TRANSIÇÃO PARA O MERCADO DE TRABALHO NA ESPANHA http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7214 <p>A empregabilidade tornou-se um objetivo principal das universidades na Europa e fora dela. Neste contexto, os estagios são uma estratégia central para a promoção da empregabilidade. Este estudo qualitativo, realizado na Espanha e baseado em entrevistas biográfico-narrativas, enfoca as vozes e experiências de 25 graduados universitários não tradicionais, todos do campo das ciências sociais, sobre empregabilidade, estágios e habilidades. Os dados coletados são analisados com base em quatro categorias: treinamento recebido na universidade; influência dos estágios na empregabilidade; avaliação dos estágios; e perspectivas sobre habilidades em demanda e desencontros entre perfis de graduados e demandas do mercado de trabalho.</p> <p>Os estagiários sentem que os estágios não têm ajudado na transição para o mercado de trabalho. Os graduados têm criticado a falta de conexão entre universidade e mercado de trabalho, a curta duração dos estágios e o foco insuficiente nas habilidades profissionais e transversais. Os resultados também sugerem que as universidades deveriam desenvolver mais iniciativas para melhorar os estágios, trabalhando em coordenação com empregadores e outras partes interessadas.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> José González-Monteagudo, Isabel M. Muñoz-García Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7214 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 O PAPEL DA SISTEMATIZAÇÃO DA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6313 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>Este trabalho busca investigar o papel da sistematização de experiências no processo de Investigação-Formação-Ação, ao longo da formação de professores de Ciências e Biologia. Para tanto, foram gravados e transcritos dois encontros de formação de professores do projeto de extensão denominado Ciclos Formativos no Ensino de Ciências, em que foram sistematizados relatos de experiências. Demarcamos para a discussão episódios em que o processo de sistematização possibilitou o desencadeamento de três elementos formativos: o espelhamento de práticas, as narrativas reflexivas nos diários de formação e o diálogo formativo. A partir dos resultados produzidos e analisados foi possível perceber como o processo de sistematização de experiências contribuiu para a formação inicial e continuada de professores de Ciências e Biologia. Os elementos formativos desencadeados pela sistematização levam o professor a refletir criticamente sobre a sua prática, sendo esta uma reflexão individual e coletiva. Podemos perceber, assim, que o processo de sistematização é fundamental para desenvolvimento da Investigação-Formação-Ação, ao desencadear a reflexão formativa.</p> </div> </div> </div> </div> <p>ear a reflexão formativa.</p> Daniele Bremm, Roque Ismael da Costa Güllich Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6313 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 CARACTERÍSTICAS DAS PESQUISAS QUE INVESTIGARAM A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL POR MEIO DE COMUNIDADES DE PRÁTICA http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6415 <p>Este artigo objetiva compreender características das pesquisas em educação que investigaram a formação de professores no Brasil por meio de comunidades de prática. Foram analisadas pesquisas publicadas no banco de teses e dissertações da capes nos últimos dez anos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de revisão. Para seleção das pesquisas foram utilizados descritores: Comunidade de prática, formação de professores, formação docente e comunidade de prática, que resultaram em 21 pesquisas. Destas, analisamos quatro características: temáticas, objetivos, principais autores e resultados obtidos. Observamos que as principais temáticas envolveram formação inicial e continuada de professores e que a comunidade de prática é um processo utilizado com foco colaborativo e no uso das tecnologias da informação e comunicação. Os objetivos das pesquisa classificam-se em sua maioria como propositivos, e descritivos. O autor Wenger (2001) ganha destaque quando trata-se de Comunidade de Prática, Fiorentini (2014), Gatti (2010), Imbernón (2009) e Nóvoa (2009) ao tratar da formação de professores e Almeida (2008) foi o mais citado quando trata-se de TICs na Educação. Afirmamos que propostas atuais relacionadas à formação de professores indicam contribuições positivas quando envolvem comunidades de prática, por traduzir-se em estratégia de desenvolvimento profissional docente eficaz e moderna, através do uso de ferramentas tecnológicas que ressignificam espaços de formação e a própria identidade docente. As pesquisas indicam ainda o uso da comunidade de prática como um instrumento para o desenvolvimento profissional docente, abrindo portas para Tecnologias de Comunicação e informação, inovando propostas que valorizam e estimulam o compartilhamento entre profissionais.</p> Greice Maiara Denker, Camila Galvan, Rita Buzzi Rausch Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6415 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 CRIAÇÃO E VALIDAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS DO ENSINO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICO http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6423 <p>O presente artigo tem como objetivo apresentar a criação e validação de um instrumento digital de acompanhamento de egressos da educação profissional e tecnológica. Através desta ferramenta pretende-se restabelecer o vínculo entre os profissionais que foram para o mundo do trabalho e as instituições educativas, mediado pelos egressos, afim de contribuir na formação de novos profissionais em consonância com mudanças e reconfigurações do mundo do trabalho. Esse monitoramento é fundamental para avaliação dos cursos, sobretudo para o planejamento de novas ações e reformulação de propostas pedagógicas, objetivando a melhoria da qualidade de ensino. Trata-se de um estudo metodológico, exploratório e descritivo com abordagem quantitativa e bibliográfica. Participaram do estudo 30 juízes profissionais envolvidos com a área de educação, que avaliaram todos os itens do questionário, quanto a sua pertinência, clareza e aparência, utilizando um formulário no <em>Google Forms</em>. Dessa avaliação foi calculado o coeficiente de validação de conteúdo (CVC), com valor CVC=0,82 para todo o instrumento, índice considerado satisfatório. Os resultados são apresentados através de gráficos e tabelas das 7 dimensões que o compõem: 1. Perfil socioeconômico; 2. Dados do curso; 3. Inserção profissional; 4. Mundo do trabalho; 5. Formação profissional; 6. Satisfação profissional e 7. Trajetória educacional. O instrumento possibilita, através da mediação do egresso, avaliar, constantemente, a formação profissional dos discentes, em consonância com as transformações vivenciadas pela sociedade e as novas configurações presentes no mundo do trabalho e suas demandas.</p> Robson Lima Palmeira, Damião de Lima, Maria Soraya Pereira Franco Adriano Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6423 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 ENSINO DE ARTES EM ESCOLAS MUNICIPAIS DE SALVADOR-BA: RETRATOS DA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6432 <p><strong>Resumo: </strong></p> <p>&nbsp;</p> <p>O presente artigo trata da inserção do ensino de Artes na Rede Municipal de Educação de Salvador-Bahia a partir da análise das condições objetivas do trabalho docente em escolas de Ensino Fundamental. O texto apresenta dados referentes à fase exploratória de uma pesquisa-ação articulada ao projeto de extensão <em>Arte no Currículo</em>, da Universidade Federal da Bahia, que objetivou avaliar e ressignificar o ensino de Artes nas escolas municipais de Salvador. Tal fase destinou-se à produção de um diagnóstico das condições do trabalho docente, especificamente nas linguagens de Música, Dança e Teatro, com vistas a buscar possíveis soluções para os problemas identificados. São apresentados dados quantitativos, que revelam um retrato de precarização nas condições de trabalho do professor de Artes, entremeados por um viés qualitativo, resultante de reflexões quanto a importância do avanço das discussões sobre as especificidades do trabalho artístico-pedagógico nas escolas municipais da referida rede de educação. É evidenciada, ainda, a necessidade de revisão permanente dos posicionamentos ético-políticos frente à busca pela qualidade da escola pública.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Arte-educação; Condições do trabalho docente; Ensino de Arte.</p> Cilene Nascimento Canda, Verônica Domingues Almeida Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6432 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 NARRATIVAS AUTOBIOGRÁFICAS: ELEMENTOS PARA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6447 <p>Neste trabalho buscamos compreender elementos que marcaram trajetórias de licenciados em Educação do Campo no que tange a violações de direitos dos povos campesinos e, contribuir com um cenário de interesse acerca do uso de narrativas autobiográficas como instrumento formativo e de pesquisa. Para isso, no contexto de uma disciplina de Educação em Direitos Humanos de um curso de Licenciatura em Educação do Campo, narrativas autobiográficas serviram de eixo condutor para a condução do ensino e a sustentação da aprendizagem ao longo de um semestre. As produções narrativas, um total de dezessete, foram analisadas utilizando como inspiração a Análise de Conteúdo. Os dados foram categorizados em três eixos: escolarização, saúde e acesso à terra. Como resultados, emergiram à compreensão as mais significativas problemáticas acerca de violações de direitos humanos a que se veem submetidos, transversais a todas as histórias no sentido da busca por acesso à Educação, Saúde e Terra. Em todas elas, a presença constante de um sucateamento, e por conseguinte uma limitação ao acesso a esses direitos, em meio a necessidade de lutas permanentes para modificar esse cenário. Além disso, foi possível considerar que o processo de revisitar suas narrativas, com base na compreensão que alguns aspectos podem ter sido negligenciados ou ofertados de modo inadequado, se configurou como importante instrumento formativo de promoção dos Direitos Humanos. Nesse sentido, ao reconhecerem os direitos que lhes deveriam ter sido assegurados, os estudantes conseguiram identificá-los e problematizá-los em um processo de reconhecimento e empoderamento de si enquanto sujeitos de direito.</p> Camila Lima Miranda, Wilson Elmer Nascimento Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6447 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 POLÍTICAS EDUCACIONAIS DE ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A AÇÃO DO ESTADO PARAENSE DE 2007 A 2013. http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6466 <p>Este artigo faz uma interpretação da política educacional do Ensino Médio desenvolvido pelo Estado Paraense. Busca compreender como as políticas educacionais globais de cunho nacional, se incorporam às injunções locais e, ao mesmo tempo, como a partir de então, elas se constituíram em políticas locais e desenvolvidas com todo aparato do Estado, como elaborador, executor das políticas do Ensino Médio, envolvido com as dinâmicas, políticas e sociais locais que abrangem a realidade educacional. Estabelece-se assim a conexão sobre o sentido de classe assumido pelo Estado capitalista na evolução política nacional, em que a forma conservadora de desenvolvimento da economia desde a colonização incorporando na burocracia governamental os estamentos de classe próprio do período colonizador e, do sentido patrimonialista oligárquicos do desenvolvimento na república, constitui esse significado fisiológico presente na forma de organização e de gestão dos recursos públicos disponíveis na modernidade burguesa brasileira.</p> Afonso Welliton de Sousa Nascimento, Francinei Bentes Tavares, Yvens Ely Martins Cordeiro, José Ribamar Furtado de Souza Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6466 ter, 07 jul 2020 00:00:00 +0000 GAMIFICATION AS A TOOL FOR THE LEARNING OF THE ENGLISH LANGUAGE: THE EWB-UFS CASE http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6474 <p>Os princípios do pós-método, defendidos por Kumaravadivelu (1994), lançam as bases teóricas para que o professor assuma o protagonismo de suas aulas, na medida em que é visto como o único capaz de escolher as metodologias, técnicas e atividades empregadas. Neste contexto, após as discussões sobre os conceitos de gamificação no Programa Inglês sem Fronteiras da UFx, professores e coordenadores planejaram um curso de 16 horas totalmente gamificado. Assim sendo, este trabalho tem como objetivo, após uma breve revisão de literatura sobre a temática, descrever todo o processo de preparação do curso Apocalipse Zumbi, apontando as escolhas feitas com base nos propósitos do roteiro criado e nos princípios das teorias da gamificação. Ao final, algumas considerações foram levantadas sobre o papel do roteiro na execução das aulas, as percepções de professores e coordenadores sobre o desempenho dos alunos e o percentual de permanência dos alunos até o final do curso.</p> Elaine Maria Santos, Rodrigo Belfort Gomes, Nayara Stefanie Mandarino Silva Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6474 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 FORMAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SABERES DOS DOCENTES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: POLÍTICAS E PRÁTICAS http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6486 <p>Este artigo apresenta e problematiza as políticas de reconhecimento de saberes dos professores da educação profissional e tecnológica, no contexto das políticas de formação docente, fazendo um contraponto com a prática docente analisada a partir da abordagem ergológica do trabalho. Para tal, discorremos sobre as políticas que dispõem sobre a formação e a carreira dos professores da educação profissional e sobre o processo de reconhecimento de saberes destes. Posteriormente, apoiados na ergologia, aprofundamos a compreensão do trabalho enquanto local de (re)criação de saberes pelos trabalhadores e sobre as diversas dimensões presentes e necessárias à atividade de trabalho. Com base nesse referencial, buscamos compreender aspectos relacionados à atividade de trabalho docente, por meio da análise de dados obtidos durante observação e entrevista com um professor da educação profissional. Essa aproximação possibilitou compreender os problemas colocados às políticas de reconhecimento de saberes quando trata-se de avaliar saberes construídos na experiência de trabalho dos professores.</p> Natalia Valadares Lima, Daisy Moreira Cunha Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6486 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 FORMAÇÃO DO CONCEITO DE PROPORCIONALIDADE NA PERSPECTIVA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6491 <p>O artigo discute o processo de formação do conceito de proporcionalidade por estudantes do ensino fundamental e as implicações pedagógicas de sua exploração didática na perspectiva do ensino desenvolvimental. Vale-se de ampla pesquisa bibliográfica, de análise documental e de dados levantados em projeto de intervenção na realidade escolar, versando sobre percepções e representações acerca de situações matemáticas envolvendo as noções de proporcionalidade direta e inversa. Os resultados apontam para a necessidade de os docentes considerarem as relações entre o vivido, o percebido e o concebido no ensino da noção de proporcionalidade, explorando diferentes situações matemáticas no contexto de representações semióticas de ideias do campo multiplicativo.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Atividade matemática. Proporcionalidade. Ensino Desenvolvimental.</p> José Carlos Miguel Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6491 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 TRANSFORMANDO A SALA DE AULA UNIVERSITÁRIA: O USO DO PHOTOVOICE COMO FERMENTA METODOLÓGICA http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6514 <p>Melhorar as práticas de ensino na Educação Superior requer uma compreensão do impacto das inovações pedagógicas na aprendizagem dos estudantes, analisando as implicações teóricas e a relação entre criatividade, motivação e aprendizado. Este artigo descreve uma experiência pedagógica que integra o <em>Photovoice</em>, uma estratégia originalmente projetada para combinar fotografia com narração digital e participação social. Essa experiência ocorreu em um curso de mestrado <em>online </em>para educadores, de uma universidade no sul dos Estados Unidos. O uso do <em>Photovoice</em> permitiu aos alunos explorar questões de equidade, justiça social e educação através de imagens digitais como elemento mediador da aprendizagem e representação de significados. Do ponto de vista da formação de professores, esse projeto visa modelar formas alternativas de ensino e aprendizagem, integrando as várias tecnologias que fazem parte do mundo cotidiano dos estudantes.</p> <div id="ventanamailtotoModal" style="z-index: 1;"> <div id="ventanamailtopopupModalContent"> <div id="ventanamailtopopupMailModalCloseTo">&nbsp;</div> <div id="ventanamailtopopupQuestionToMail">What do you want to do ?</div> <a id="ventanamailtoappCreateNew"></a>New mail<button id="ventanamailtoemailCopy">Copy</button><textarea id="ventanamailtoareaSelectTextTo"></textarea></div> </div> <div><img alt=""></div> <div id="ventanamailtotoModal" style="z-index: 1;"> <div id="ventanamailtopopupModalContent"> <div id="ventanamailtopopupMailModalCloseTo">&nbsp;</div> <div id="ventanamailtopopupQuestionToMail">What do you want to do ?</div> <a id="ventanamailtoappCreateNew"></a>New mail<button id="ventanamailtoemailCopy">Copy</button><textarea id="ventanamailtoareaSelectTextTo"></textarea></div> </div> <div><img alt=""></div> Bettina Steren dos Santos, Sandra Ines Musanti Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6514 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 ASSOCIAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS DE AUTOEFICÁCIA E BURNOUT EM PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6520 <p>Este estudo teve como objetivo verificar a associação entre a autoeficácia e os níveis de <em>Burnout</em> de professores de Educação Física que atuam na Educação Básica. Participaram 63 docentes de Educação Física de escolas públicas e privadas do município de Belém (PA) e região metropolitana. Consiste num levantamento de campo (<em>survey</em>), de abordagem quantitativa e de caráter descrito e inferencial. Como instrumentos de coleta de dados utilizou para caracterização dos participantes um Questionário sociodemográfico e de trabalho; para aferir os níveis de <em>Burnout</em> o <em>Maslach Burnout Inventory </em>(MBI), adaptado para professores e Escala de autoeficácia de professor de Educação Física, para medir os níveis de autoeficácia dos docentes. Os dados foram analisados a partir do SPSS, versão 24.0. Para realizar a associação entre as variáveis <em>Burnout</em> e autoeficácia aplicaram-se duas técnicas estatísticas inferenciais: a Análise Fatorial (AF) e a Análise de Correspondência (AC). A partir da AF, os professores foram classificados em três grupos, com alta, média e baixa autoeficácia. Os três fatores explicaram, neste estudo, 73,75% da variância total das respostas dos sujeitos à Escala de autoeficácia. A AC mostrou que professores de Educação Física com alta exaustão emocional, alta despersonalização e baixa realização pessoalanifestaram baixa autoeficácia enquanto que docentes com alta autoeficácia estão relacionados a média despersonalização, a média e alta realização pessoal e a média exaustão emocional.</p> Erika Cristina de Carvalho Silva Pereira, Maély Ferreira Holanda Ramos, Edson Marcos Leal Soares Ramos Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6520 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 ATIVIDADES EXTRACURRICULARES E POLÍTICAS DE AMPLIAÇÃO DA JORNADA ESCOLAR: COMPARAÇÃO ENTRE BRASIL E ESPANHA http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6638 <p>O presente artigo tem como objetivo comparar a oferta de atividades extracurriculares no Brasil e na Espanha, no contexto de formulação e implementação de políticas de ampliação da jornada escolar. A análise focalizou as atividades extracurriculares que compõem as políticas de educação em tempo integral (Brasil) e as atividades extracurriculares após a jornada escolar (Espanha). A comparação entre os dois países foi feita com base nas legislações nacionais e num modelo de análise contendo 12 aspectos da formulação e da implementação de políticas. As normatizações nacionais indicam que as atividades extracurriculares contribuem para a formação integral e estabelecem elevada autonomia às unidades federativas (Brasil) e às escolas (Espanha). No caso brasileiro, as atividades extracurriculares no âmbito da educação em tempo integral são gratuitas, estão sob a responsabilidade dos profissionais da educação e ocorrem de forma integrada ao currículo escolar obrigatório. No caso espanhol, as atividades extracurriculares são custeadas pelas famílias, estão sob a responsabilidade de diferentes profissionais e ocorrem após a jornada escolar compulsória. A comparação entre Brasil e Espanha mostra que as estratégias político-pedagógicas de ampliação da jornada escolar estão diretamente associadas à função social da escola em cada país e à forma como articulam alguns elementos, entre os quais: educação formal e não formal, escolar e não escolar, curricular e extracurricular, compulsório e facultativo.</p> Cláudia da Mota Darós Parente Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6638 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 ESTUDANTES NEGROS/AS NA UNIVERSIDADE PÚBLICA: TENSÕES NA E DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6642 <p>Inserido no contexto de transformação das universidades brasileiras engendrado pelas políticas de acesso e permanência no ensino superior implantadas nas últimas décadas, este estudo tem como objetivo discutir os sentidos produzidos sobre a experiência universitária por estudantes de graduação negros, provenientes de escola pública e de movimentos sociais ligados ao campo. A produção de informações ocorreu a partir de rodas de conversa e de textos escritos por estudantes participantes de oficinas de leitura e escrita criativa realizadas em duas universidades federais brasileiras. Os depoimentos e textos produzidos foram submetidos a uma análise de discurso com base na perspectiva dialógica de Bakhtin, possibilitando o reconhecimento dos desafios ideológicos enfrentados pelos/as estudantes, desafios esses que se realizam por meio de modos de uso da linguagem acadêmica, de questões identitárias, de embates políticos e de limitações nas grades curriculares. Os resultados também discutem possibilidades de tensionamento de discursos que assumem caráter monológico no contexto universitário.</p> Graziele Aline Zonta, Andrea Vieira Zanella Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6642 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 A PRODUÇÃO DE UMA VIDEONOVELA SOBRE A CRIAÇÃO DE MONOGRAFIAS EM LIBRAS PARA ALUNOS DE PEDAGOGIA DO INES http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6288 <p>Este trabalho consiste em um relato e análise da experiência de produção de um material em vídeo do gênero novelístico que foi desenvolvido entre os anos 2018 e 2020 pelo grupo de pesquisa Educação, Mídias e Comunidade Surda. Este material tem como objetivo ambientar alunos do Departamento de Ensino Superior (DESU) do Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES) na produção de suas monografias em Libras. A monografia em Libras é uma conquista da comunidade acadêmica, e principalmente das lideranças surdas que lutaram e conquistaram o direito de produzir como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) suas monografias em Libras. A partir de estudos realizados no ano de 2017 e 2018 sobre características visuais, gêneros e tipologias catalogadas durante todo o ano e pesquisas feitas a partir dessa coleta de dados, concluiu-se que o gênero de vídeo que melhor se adequaria para a produção deste material é o gênero novelístico, tendo em vista que é o que mais se encaixa didaticamente com os objetivos dessa produção. A intenção desta ação foi relatar a construção de uma forma de acesso aos processos de elaboração de monografias, em Libras, que não fosse somente uma tradução direta do atual Manual de Monografia em Libras, ofertado até o momento em Língua Portuguesa.</p> Luiz Alexandre da Silva Rosado, Dr., Cristiane Correia Taveira, Drª, Thiago Moret de Carvalho Ramos Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6288 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 ESPAÇO E LETRAMENTO NOS TRÊS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: A REALIDADE OBSERVADA http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6253 <p>Este artigo é parte de uma pesquisa maior, de abordagem qualitativa, que abrange estudos sobre alfabetização e letramento. O objetivo deste texto é apresentar algumas considerações sobre a forma como os professores do bloco pedagógico, que compreende os três primeiros anos do Ensino Fundamental, vem utilizando o espaço de sala de aula como estratégia para o letramento. O campo empírico do estudo é uma escola pública municipal. Buscamos o embasamento legal para a explicar a organização e o objetivo do bloco de alfabetização e abordamos o letramento como processo em constante desenvolvimento na aprendizagem escolar, de modo especial, nas atividades lúdicas.&nbsp; Ao relacionar as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de Nove Anos com as evidências levantadas a partir da coleta de dados, foi possível perceber divergências entre o que a legislação determina para esta etapa e o que está acontecendo na prática, na escola observada. O trabalho com o letramento realizado em um ambiente propício às interações, dando continuidade a Educação Infantil, marcada pelos processos de aprendizagem a partir das vivências, fica registrado apenas no Projeto Político Pedagógico, mas é pouco observado nas práticas pedagógicas. A repetição toma o lugar das brincadeiras, a diversidade de textos perde espaço para fragmentação de palavras e assim, isso acaba refletindo na pouca exploração do espaço de sala de aula, já que as intervenções pouco promovem momentos lúdicos e de interação.</p> Lucia Hugo Uczak, Karine Oliveira Faller Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6253 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 A CONSTRUÇÃO DE SIGNIFICADOS SOBRE A CONDENSAÇÃO DA ÁGUA COM ALUNOS DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6296 <p>Este artigo descreve e interpreta o processo de construção de significados científicos sobre a condensação da água, promovido numa turma do 4.º ano de escolaridade, com uma média de idades de 9,4 anos. Ele resulta de uma intervenção pedagógica mais ampla, que incorporou uma abordagem de ensino das ciências baseada na experimentação e investigação. Através da análise do diário de aula, apresenta as conceções iniciais dos alunos sobre o tema em estudo, os processos científicos por eles utilizados nos contextos de condensação criados por um copo de vidro com água e gelo e pelo bafejar para um espelho e identifica momentos de aprendizagem particularmente importantes no desenvolvimento da compreensão da condensação da água, promovidos naqueles contextos. Por fim, apresenta também os resultados da avaliação das aprendizagens dos alunos e tece algumas considerações sobre as implicações para a prática dos professores e para os processos de formação.</p> Paulo Idalino Balça Varela, Filipa Cristiana Azevedo Serra Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6296 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 POLÍTICAS E PRÁTICAS SOCIAIS NO ESTADO DA PARAÍBA NO PROCESSO FORMATIVO DO TRABALHADOR DA EJA http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6479 <p>Esta pesquisa tem como objetivo analisar o processo formativo de trabalhadores e trabalhadoras da Educação de Jovens e Adultos (EJA), com vistas a políticas e práticas sociais no Estado da Paraíba, que envolvam esta modalidade educacional. A pesquisa procurou identificar os aspectos positivos e/ou negativos apresentados pelos estudantes da EJA, e identificar o perfil destes e destas, em uma instituição de ensino no Estado da Paraíba. A pesquisa, de característica qualitativa, foi realizada com o método de grupo focal e para análise dos resultados foi utilizada a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo-DSC. Analisando as falas dos participantes, concomitante aos documentos estudados, com foco no Estado da Paraíba, percebeu-se fatores relevantes a políticas e práticas sociais em aspectos positivos e negativos. Os resultados da pesquisa se evidenciaram importantes no contexto atual, pois mesmo nas falas positivas e conformistas prevaleceram gritos de socorro em prol de uma sociedade mais justa, com condições básicas e acessos à Educação para todos, conforme direito garantido por lei.</p> Eloíde Teles Silva Grisi, Maria das Graças Gonçalves Vieira Guerra, Joseval dos Reis Miranda Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6479 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 MAPEAMENTO DE ESTUDOS SOBRE DEFICIÊNCIA INTELECTUAL, ALFABETIZAÇÃO E TECNOLOGIA: ESTADO DA QUESTÃO http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6480 <p>O presente artigo apresenta a descrição do processo de elaboração do Estado da Questão (EQ) com base no interesse de uma investigação em nível de Doutorado sobre o uso de aplicativos de leitura e escrita na alfabetização e letramento de crianças com deficiência intelectual, na área da Educação. O levantamento de busca de estudos nacionais e internacionais foi realizado em periódicos, indexados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e nos Anais das Reuniões Anuais da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd). Assim sendo, o mergulho na literatura mapeada propiciou a oportunidade de referenciar uma relevante e extensiva quantidade de produções publicadas articulada ao tema ora investigado. Do total de 1644 (100%) estudos consultados, 78 (4,7%) apresentaram indícios de proximidade com o nosso objeto de pesquisa, abordando as temáticas de deficiência intelectual, alfabetização e letramento, tecnologia e/ou aplicativos e revelando o interesse dos pesquisadores por diversos enfoques. Também notamos que, em geral, foram poucos os trabalhos que interligaram as tecnologias às deficiências e/ou transtornos, mais raros ainda aqueles que operaram com dispositivos móveis e aplicativos. Desse modo, a busca por desvelar o tema em questão, fez emergir um campo profícuo para os mais diversos trabalhos/artigos, fazendo-nos enveredar por áreas transversais e interdisciplinares, de modo a evitar vieses na conceituação de categorias teórico-empíricas e definição dos referenciais. Portanto, esse exercício tornou-se primordial para conhecer “o que foi” e “o que está sendo” produzido pelos estudiosos de nossa área de pesquisa.</p> Camila Almada Nunes, Francisca Geny Lustosa Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6480 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 EDUCAÇÃO FÍSICA NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: O QUE APREENDER DE DOCUMENTOS E PARECERES OFICIAIS? http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6398 <p><strong>Resumo:&nbsp;</strong>A presente pesquisa, de caráter descritivo e documental, teve como objetivo analisar a estrutura organizacional da educação física na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) por meio de documentos e pareceres oficiais. Para tanto, foi necessário o estudo das quatro primeiras versões da BNCC–Ensino Fundamental e as considerações dos pareceristas. Os seguintes indicadores foram adotados: a) Texto de apresentação da educação física; b) Estruturação do conhecimento por meio das práticas corporais; c) Objetivos gerais/Competências específicas; d) Objetivos de Aprendizagem e/ou desenvolvimento/Habilidades por Prática Corporal; e) Dimensões do Conhecimento; e f) Progressão do Conhecimento. As análises possibilitaram identificar acolhida de algumas sugestões dos pareceristas na Base, assim como oscilações na estrutura organizacional e nas informações quanto à perspectiva da cultura corporal de movimento. Apesar das oscilações e controvérsias, as contribuições dos pareceristas e o documento como um todo são marcados pela preocupação com uma formação educacional democrática e humana. &nbsp;</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Educação Física; Estrutura Organizacional; Base Nacional Comum Curricular.</p> <p>&nbsp;</p> Ellen Grace Pinheiro, Vânia de Fátima Matias de Souza, Larissa Michelle Lara Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6398 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 DO DETERMINISMO CONTEUDISTA À RECONFIGURAÇÃO METODOLÓGICA E INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O MOBILE LEARNING NO CURSO PROFUNCIONÁRIO http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6268 <p>O presente trabalho busca apresentar resultados da aplicação de um protótipo para tecnologia móvel a alunos da disciplina de Estatística Aplicada à Educação, do curso de Técnico em Secretaria Escolar do Profuncionário pela Rede Estadual do Paraná; verificar se o aplicativo foi efetivo na aprendizagem dos conteúdos e conhecer a opinião dos alunos sobre o uso do protótipo na aprendizagem escolar. &nbsp;Para a realização do estudo foram utilizados os tipos de pesquisa bibliográfica, de campo e análise de conteúdo e os resultados mostraram que a utilização do aplicativo por alunos adultos e trabalhadores foi bem-sucedida e trouxe subsídios para proposições em outras organizações e modalidades da Educação Básica.</p> Belmiro Marcos Beloni, Alessandra Dutra, André Luis Trevisan Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6268 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA E SEUS DESAFIOS NA FORMAÇÃO DOCENTE http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6483 <p>O presente trabalho tem como objetivo identificar os benefícios e os desafios do ensino do inglês atrelado ao uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC’s), além de analisar a formação de professores para o uso crítico dessas ferramentas em sala de aula. Para tanto, foi realizada uma breve revisão de literatura que traz à tona nomes como FRANCO (2018), IFA (2006), MOITA LOPES (2008), RODRIGUES (2016) e outros teóricos que agregaram em seus conhecimentos sobre a temática aqui abordada. Como resultado, demonstra-se que a metodologia tradicional de ensino do inglês suportada pelo quadro branco e a oralidade gera desinteresse, desmotivação e consequentemente dificulta o processo de aprendizagem do idioma. O estudo permite concluir que no período em curso, as tecnologias já fazem parte da realidade dentro e fora das escolas e por isso os professores são impelidos as constantes atualizações que apontam para o domínio de novas linguagens, ou seja, é preciso que eles também sejam letrados digitalmente. É essencial a instrução acerca do uso didático das TIC’s a fim de oportunizar aulas de língua inglesa mais alinhada com a era digital.</p> Denilson Marques dos Santos, Maria Cecilia Fagundes da Costa, Denise Marques dos Santos Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6483 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO INTEGRADO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: PERCEPÇÕES DOS COORDENADORES http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6342 <p>Este estudo analisa as percepções dos coordenadores de pesquisa dos <em>Campi</em> do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) sobre a Iniciação Científica (IC) no ensino médio integrado à educação profissional (EMIEP). Constituído numa abordagem qualitativa do tipo estudo de caso, foi desenvolvido por meio de pesquisa bibliográfica e de campo envolvendo os coordenadores de pesquisa dos <em>Campi</em> do IFRS. Foi aplicado um questionário <em>on-line</em> aos referidos coordenadores dividido em duas seções: a primeira buscou traçar um perfil dos coordenadores e a segunda, compreender as motivações que determinam suas participações como coordenadores de pesquisa, as principais limitações encontradas no desenvolvimento de suas atividades, as contribuições da iniciação científica para o estudante, assim como as perspectivas sobre esta prática no âmbito da instituição. Os dados obtidos foram analisados a partir das contribuições de Arantes e Peres (2015), Bianchetti et al (2012), Cabrero e Costa (2015), Cruz, Santos e Santos (2015), Demo (2011), Freire (1996), Gil (2008, 2010), Oliveira e Bianchetti (2018), Pires (2015), Nascimento, Morosini e Guedes (2015) entre outros. Os resultados indicam características do cenário da IC no IFRS presente principalmente no contexto do EMIEF. Aponta que esta é uma atividade ainda incipiente, mas que está sendo desenvolvida a partir de ações que pretendem sua expansão e fortalecimento. Trata-se de uma realidade que necessita ser ampliada, difundida e fomentada pelos <em>campi </em>com o intuito de que um maior número de estudantes e professores possa desfrutar das contribuições da IC para sua formação.</p> Taiane Lucas Pontel, Josimar de Aparecido Vieira, Maristela Beck Marques Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6342 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 UNA VITA PER L’EDUCAZIONE: MEMÓRIAS AUTORREFERENCIAIS DA PROFESSORA MARIA MOCELINI (1878 – 1961) http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6324 <p>O objetivo do presente artigo é narrar, a partir de um caderno de memórias, a história de vida da professora Maria Mocelini, nascida na Itália em 1878, imigrante e que se dedicou à profissão docente no Rio Grande do Sul como servidora pública estadual, de 1907 a 1939. Aposentada, viveu junto à comunidade das Irmãs Scalabrinianas no Colégio Nossa Senhora de Lourdes em Farroupilha/RS, até seu falecimento. O corpus empírico foi constituído pelo caderno de memórias manuscrito produzido pela professora Maria Mocelini e por outros documentos como narrativa de história oral, jornais, relatórios e fotografias. A metodologia foi a análise documental histórica e a história oral. O aporte teórico foi auferido pela História Cultural e História da Educação. Como resultado, é possível afirmar que a professora “inventou seu cotidiano” na escrita de seu caderno, tematizando a família, a profissão docente e as vivências junto à comunidade das Irmãs Scalabrinianas, deixando assim escritas de si que conformam uma identidade – a de docente pública, dedicada à educação e católica</p> Gisele Belusso, Terciane Ângela Luchese Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6324 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 O ASSÉDIO À EDUCAÇÃO PÚBLICA E A RESISTÊNCIA ESTUDANTIL NO BRASIL CONTEMPORÂNEO http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6602 <p>No Brasil, após o golpe de 2016, se intensificam as estratégias para desobrigar o Estado de seu dever constitucional com o ensino público, gratuito, laico e de qualidade. O governo congela as verbas da educação por 20 anos e propõe uma reforma do ensino médio. A quem interessa e qual a origem destas iniciativas? Para refletir sobre esta questão, busco apoio teórico em obras de autores como Gramsci e Paulo Freire, bem como lanço mão de resultados de pesquisas que abordam, em perspectiva crítica, as estratégias adotadas pelo Banco Mundial (BM) e seu parceiro na América Latina, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), ao longo das últimas três décadas. De modo semelhante, impressiona a rotina de aprendizado, debates e atividades culturais dos secundaristas, durante a ocupação das escolas públicas de ensino médio em todo país. Analiso, portanto, o ideário conservador que embasa a contrarreforma educacional e o protesto estudantil contra o projeto neoliberal.</p> Monica Dias Martins Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6602 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 A ESCOLA PÚBLICA E O CURRÍCULO COMO CRIAÇÃO COTIDIANA: A VISIBILIZAÇÃO DAS POLÍTICASPRÁTICAS DE SAÚDE http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6513 <p>O presente trabalho possui gênese em uma dissertação de mestrado profissional na área de saúde e meio ambiente e se caracteriza como uma proposição didática para a discussão de saúde junto à Educação de Jovens e Adultos (EJA). A referida proposição pedagógica foi aplicada em uma escola pública no interior do Estado do Rio de Janeiro e objetivou visibilizar as experiências sociais desenvolvidas junto aos estudantes de uma escola pública da rede municipal de ensino de Volta Redonda-RJ. O escopo metodológico se desenvolveu por meio dos Estudos do Cotidiano, tendo a roda de conversa como sua principal dinâmica (instrumento) para apreensão do percurso dos(as) sujeitos praticantes em sua trajetória de aprendizagemensino. A sequência didática se desenvolveu por intermédio de seis aulas, possibilitando a aquisição dos seguintes resultados: a) promoção de um espaço de dialogicidade e conflito epistemológico entre os(as) estudantes; b) a roda de conversa propiciou a horizontalização dos conhecimentos trazidos ao chão da escola, perpassando pelos artigos teóricos propostos, os vídeos, as imagens retiradas das redes sociais, as imagens utilizadas pelos(as) estudantes e suas experiências individuais e coletivas; c) a referida prática educativa permitiu a construção de conhecimentos em redes de subjetividade, promovendo a ruptura com a hierarquização de conhecimentos e valorizando a diversidade de olhares e modos de compreensão do/sobre/com o mundo.</p> Cinthia Emerenciana de Almeida, Alexandre Palma de Oliveira, Marcelo Paraiso Alves Copyright (c) 2020 Práxis Educacional http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6513 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 APRESENTAÇÃO DO DOSSIÊ: POLÍTICA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7242 <p>Apresentação do dossiê temático.</p> André Rodrigues Guimarães, Iracema Oliveira Lima, Leila Pio Mororó Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7242 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 DÍVIDA PÚBLICA E FINANCIAMENTO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO BRASIL (2003-2020) http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7243 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>O artigo analisa as despesas da União com a dívida pública, as universidades federais e a Ciência e Tecnologia (C&amp;T) no período de 2003 a 2020. Para o período de 2003 a 2019, foram examinadas as despesas liquidadas (orçamento executado). Para o ano de 2020, recorreu-se aos valores da dotação inicial da Lei Orçamentária Anual, sancionada em 17 de janeiro de 2020. Tais informações foram coletadas no portal da Câmara do Deputados, com exceção do ano de 2019, cuja fonte da coleta de dados foi o Sistema Integrado de Orçamento e Planejamento (SIOP). Os valores de todos os anos estão ajustados monetariamente para janeiro de 2020, com base no IPCA. A análise demonstra que, no período de 2003 a 2019, do total das despesas liquidadas pela União, 18,88%, em média, se destinaram ao pagamento da amortização, juros e encargos da dívida pública. Nesse mesmo período, a função ciência e tecnologia (C&amp;T) e as universidades federais receberam, respectivamente, 0,34% e 1,62% do total de despesas orçamentárias. A LOA/2020 prevê um aumento dos gastos com juros e encargos da dívida de 40,49%, em relação ao orçamento executado em 2019. No caso das universidades, a previsão para 2020 é 0,58% inferior ao orçamento executado em 2019. A análise conclui que há inequívoca continuidade do padrão de acumulação rentista que resulta na crise de subfinanciamento das universidades e da C&amp;T. O enfrentamento consequente de tal crise se inscreve nas lutas mais gerais da sociedade contra a agenda regressiva em curso e por mudanças no referido modelo de acumulação.</p> </div> </div> </div> </div> Luiz Fernando Reis, Epitácio Macário Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7243 ter, 07 jul 2020 00:00:00 +0000 EXPANSÃO E FINANCIAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO E DESIGUALDADE REGIONAL NO BRASIL (2002-2018) http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7244 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>O presente estudo tem como objetivo analisar a expansão e o financiamento da Pós-Graduação Stricto Sensu, no período 2002-2018, considerando o contexto de desigualdade regional brasileira. A pesquisa, com abordagem quali-quantitativa, tem como base empírica os dados estatísticos do Sistema de Informações Georreferenciadas da CAPES (GEOCAPES) e da Execução Orçamentária da União. Os resultados apontam expressivo movimento de expansão da Pós-Graduação no país, com índices mais acentuados nas regiões Norte e Nordeste, mas também revelam ainda haver elevada concentração no eixo sul-sudeste. Em relação ao financiamento, destaca-se a elevada redução orçamentária da CAPES, a partir de 2014, com fortes implicações na manutenção dos Programas, particularmente no que diz respeito aos auxílios financeiros a pesquisadores e estudantes. Em síntese, conclui-se que sem o necessário financiamento público serão aprofundadas as disparidades regionais na Pós-Graduação brasileira.</p> </div> </div> </div> </div> André Rodrigues Guimarães, Cristiane de Sousa Brito, José Almir Brito dos Santos Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7244 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 AVANÇOS E RECUOS DA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: EM JEITO DE BALANÇO http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7245 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>No presente artigo, os autores debatem a situação do ensino superior em Portugal em diversas dimensões, tendo por marco temporal o período 1974-2020. São destacados os avanços no ensino superior com uma evolução fortemente positiva nos últimos 50 anos, nomeadamente em função do: crescimento explosivo da procura e da correspondente resposta do sistema educativo de que resultou a criação do ensino superior politécnico; aumento do número de instituições públicas de ensino superior que abrangem todo o território nacional; aumento do número de docentes e do investimento na sua formação; alargamentodabasesocialderecrutamentoeconsequentedemocratizaçãodosistema;ataxa real de escolarização superior que aproxima Portugal da média dos países da EU e da OCDE. Todavia, também se destacam alguns dos recuos que se têm vindo a sentir desde finais da década de 1980, nomeadamente a: abertura do ensino superior à iniciativa privada; privatização do ensino superior público com o estabelecimento de propinas atualizadas e a diminuição do financiamento público; precarização da função docente, em virtude do reforço de contratos precários bem como o envelhecimento da classe dos professores; e, o caminhar para algum défice de democraticidade no ensino superior público em consequência de o novo Regime Jurídico do Ensino Superior abrir as portas a uma governação menos colegial e à possibilidade de as instituições públicas poderem adoptar o regime fundacional. Finalizando, é evidenciada uma preocupação pelo perigo do ensino superior em Portugal se encontrar em “retrocesso” e a tornar-se um ensino para as elites.</p> </div> </div> </div> </div> Belmiro Gil Cabrito, Luísa Cerdeira, Ana Nascimento Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7245 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 A OCDE E A FORMAÇÃO DOCENTE: a TALIS em questão http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7255 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>Os organismos internacionais (OI) têm visto na educação a alavanca para o crescimento econômico e no professor, o profissional responsável pela conformação dos indivíduos a essa sociedade dita do conhecimento. Os OI têm realizado pesquisas e elaborado documentos orientadores relativos ao papel do professor, à função da escola e às competências e habilidades necessárias ao desenvolvimento do cidadão do século XXI. O artigo apresenta alguns resultados de uma pesquisa, em curso, financiada pelo CNPq, “Internacionalização da Educação Superior, os Organismos Internacionais e os Impactos nos Programas de Formação de Professores” e tem como foco a OCDE e a TALIS, buscando trazer elementos a propósito da formação docente. A metodologia adotada tem como base o materialismo histórico e dialético, o que permitiu apreender o fenômeno (formação docente) na sua totalidade, examinando-o nas suas contradições e considerando as mediações que o perpassam. Foi feita a análise de discurso (FAIRCLOUGH, 2001), tendo como corpus os documentos da OCDE, considerando a prática discursiva e a prática social expressas nos textos. Os primeiros resultados apontam para a influência da OCDE, nas ações referentes à formação dos docentes. A comunicação será dividida em três momentos: o primeiro faz a caracterização do contexto internacional e os impactos sobre a educação; o segundo analisa a posição da OCDE em relação à educação; e finalmente, serão consideradas as constatações e recomendações que a OCDE fez a partir da TALIS, em relação ao trabalho docente.</p> </div> </div> </div> </div> Olgaíses Cabral Maués, Maria da Conceição dos Santos Costa Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7255 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 DA AUTONOMIA À HETERONOMIA UNIVERSITÁRIA: DIRETRIZES PARA UM NOVO ORDENAMENTO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7256 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>A partir de uma revisão bibliográfica e documental, este artigo defende a autonomia universitária como um princípio necessário e inquebrantável, principalmente no atual contexto nacional no qual o papel do ensino superior vem sendo questionado e as instituições universitárias atacadas por grupos obscurantistas que assumiram, em 2019, os cargos de gestão pública. Para tanto, resgata o significado adquirido por esse princípio nas legislações brasileiras ao longo do século XX, localizando- o sócio, político e economicamente, procurando demonstrar como, a partir do final desse século e nas primeiras décadas do século XXI, a heteronomia passa a ser parte constitutiva da realidade da educação superior brasileira, produzindo a sua subserviência ao capital.</p> </div> </div> </div> </div> Iracema Oliveira Lima, Leila Pio Mororó Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7256 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 UNIVERSIDADES ESTADUAIS BRASILEIRAS: DIVERSIDADE ACADÊMICA, CLASSIFICAÇÕES INSTITUCIONAIS E NORMATIVAS http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7257 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>O propósito deste estudo é analisar e discutir o perfil institucional e acadêmico das Universidades estaduais brasileiras (UEs) mediante discussão teórica e análise de dados, tendo em vista critérios de classificação institucional e normativos para universidades. Além da introdução, o estudo está estruturado em três seções que se articulam para as análises e discussões: a) apreciação do perfil institucional e acadêmico das UEs segundo a abordagem proposta por Steiner (2006); b) apreciação do perfil institucional e acadêmico das UEs segundo uma das propostas classificatórias apresentadas por Nunes, Carvalho e Albrecht (2009); c) análise das características institucionais das UEs do país, tendo em vista os parâmetros estabelecidos pela Resolução n.o 03/2010 do Conselho Nacional de Educação, que define os critérios mínimos para que uma Instituição de Educação Superior (IES) seja credenciada/recredenciada como universidade. Os critérios definidos por essa resolução contemplam os previstos na Constituição Federal de 1988 (CF de 1988) e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB/1996). Do ponto de vista metodológico, o estudo se caracteriza como documental e bibliográfico e possui como fundamento o exame de documentos e de produção intelectual pertinente ao tema, além da apreciação e tratamento de dados disponíveis nos sites do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Conclui-se que em relação à análise das características acadêmicas das UEs, segundo critérios de classificação institucional e normativo, foi possível observar a existência de consideráveis assimetrias entre as UEs do país.</p> </div> </div> </div> </div> Renata Ramos da Silva Carvalho, Nelson Cardoso Amaral Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7257 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 O ACESSO DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR E SUA RELAÇÃO COM O PROJETO DE SOCIEDADE EXISTENTE http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7258 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>Este artigo, de caráter ensaístico, tem por objetivo discutir sobre o acesso ao ensino superior às pessoas com deficiências no Brasil. Discute sobre as barreiras existentes no acesso, permanência e conclusão do curso pleiteado, a proporção de menos de 0,5% de estudantes com deficiência no Ensino Superior, e sobre a cultura do capacitismo que submete as pessoas com deficiência à falsa a concepção de igualdade de oportunidades. Este artigo discute ainda a implantação do Decreto n° 9.034/17, em que o Governo Federal altera as regras do programa de cotas dos Institutos e Universidades Federais e inclui pessoas com deficiência na lista de estudantes com direito à reserva de vagas nessas instituições. Considera que, com relação à abertura das IFES é fundamental que estas organizem esforços para a garantia da acessibilidade e da permanência das pessoas com deficiência, com direito à apropriação do conhecimento universal e científico ao longo do processo de estudos. Seguindo esta compreensão, este artigo propõe que os espaços que se baseiam numa materialidade inclusiva constituem mais um instrumento contra hegemônico de luta, para a construção de ambientes favoráveis à consecução de igualdade de condições e oportunidades para acessibilidade do conhecimento historicamente produzido às pessoas com deficiência. Alerta para o fato de que será preciso compreender que, as dificuldades em relação à contradição inclusão e exclusão extrapola a questão da deficiência, pois entende que a relação direta é com o projeto societário existente.</p> </div> </div> </div> </div> Marinalva Silva Oliveira, Sandra Cordeiro de Melo, Maria do Carmo Lobato da Silva Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7258 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 TENDÊNCIA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE OS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA NO BRASIL http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7260 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>O artigo analisa a produção científica sobre os Cursos Superiores de Tecnologia (CSTs) publicada em cinco repositórios brasileiros no período de 1978 a 2017. Desde meados dos anos 2000, no bojo das reformas educacionais empreendidas no Brasil, percebe-se a ampliação do número de CSTs. Paralelamente, percebe-se também o aumentado da produção científica sobre a origem e o desenvolvimento desse grau acadêmico. O objetivo do artigo é explicitar as principais tendências da produção científica acerca dos CSTs no Brasil. Foram levantadas 666 produções científicas que mencionam os CSTs, mas dentre estas havia somente 476 produções cujo objeto de análise são os CSTs. A partir de uma análise destas produções, verificou-se que a maior parte delas é produzida na Região Sudeste e Sul do país, por pesquisadores vinculados a instituições públicas de ensino superior e podem ser classificadas em 3 categorias de abordagem: 1) Aspectos Pedagógicos dos CSTs; 2) Política e Regulação dos CSTs; e 3) Aspectos Profissionais da implantação e desenvolvimento dos CSTs. Estudos que tratam dos aspectos pedagógicos dos CSTs são os mais numerosos. Percebeu-se que a literatura analisada expressa duas concepções distintas e antagônicas de formação humana: a concepção interessada de formar o trabalhador para atender as demandas do mercado e a concepção de formar o trabalhador numa perspectiva unitária e omnilateral.</p> </div> </div> </div> </div> José dos Santos Souza, Célia Cristina Pereira da Silva Veiga Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7260 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 A LÓGICA DE MERCADO E O MUNDO DO TRABALHO NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7261 <div class="page" title="Page 1"> <div class="section"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p>A expansão do ensino superior, sobretudo nos anos 1990, possível a partir da diversificação dos formatos institucionais e modalidades acadêmicas, deriva do processo das políticas regulatórias pautadas no modelo de transnacionalização da Educação Superior. Assim, compreendendo o panorama local, com propriedades intensamente imbricadas com a ação da globalização e com as determinações procedentes de organismos internacionais multilaterais, objetivou-se neste estudo analisar a perspectiva formativa dos Cursos de Engenharias da UEAP (de Produção, de Pesca, Ambiental, Florestal e Química). Os aspectos teórico-metodológicos instituem-se na base do Materialismo Histórico-Dialético e Análise do Discurso de Bakhtin. A pesquisa foi documental com base nos Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPCs), Relatórios da Comissão Própria de Avaliação e home page da instituição. Verificou-se que os Arranjos Produtivos Locais (APLs) são admitidos nos documentos como eixos orientadores dos PPCs, assim como o Plano Amapá Produtivo, integrando a estes, o valor da concepção dos cursos, reforçando a lógica mercantil como pano de fundo na elaboração dos documentos pedagógicos centrais dos cursos. Os resultados marcam densamente uma formação de engenheiros que visa atender as demandas do mercado, com viés formativo para o empreendedorismo.</p> </div> </div> </div> </div> Antonia Costa Andrade, Lindisay Giany Moreira, Maria do Socorro Simith Neves Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7261 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 TEMPLATE COM IDENTIFICAÇÃO http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7361 <p>TEMPLATE</p> Práxis Educacional Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7361 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000 TEMPLATE SEM IDENTIFICAÇÃO http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7362 <p>TEMPLATE</p> Práxis Educacional Copyright (c) 2020 http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7362 seg, 07 set 2020 00:00:00 +0000