A reforma da caneta: reflexões curriculares acerca do ensino médio profissional no Brasil atual

  • Lívia Freitas Fonseca Borges
  • Francisco Thiago Silva

Resumo

O que aqui denominamos a reforma da caneta é o resultado do poder discricionário das autoridades que se revezam na esfera pública e o exercem com a força dos cargos que ocupam cujas ações unilaterais são eivadas de alienação dos sujeitos reais da cena educacional. Insere-se neste contexto a reforma do ensino médio profissional no Brasil atual, produzida por Medida Provisória, ao tornar facultativa a oferta de disciplinas constituídas de fundamentos teóricos e práticos relevantes para a formação humana, além de permitir a atuação de leigos, o notório saber, no lugar do profissional do magistério, formado na e para a docência representa um retrocesso sem precedentes em nossa infante democracia, a atual política educacional brasileira atesta o seu total desprezo à carreira docente e afirma uma política de empobrecimento curricular na formação da juventude e da classe trabalhadora que logram cursar o ensino médio por ela proposto. Assumir o seu papel neste contexto formativo ainda é um grande desafio para a universidade brasileira. O ensino médio que queremos não pode derivar de tal reforma que caminha na contramão da desejada educação pública democrática e de qualidade. É preciso reabrir o debate, valorizar o acúmulo da ciência brasileira a respeito da matéria e, sobretudo, ouvir as vozes silenciadas no cenário educativo, seus reais protagonistas.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Como Citar
FONSECA BORGES, Lívia Freitas; SILVA, Francisco Thiago. A reforma da caneta: reflexões curriculares acerca do ensino médio profissional no Brasil atual. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 5, n. 1 e 2, p. 87-100, out. 2017. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/1489>. Acesso em: 07 jul. 2020.
Seção
Artigos de Fluxo Contínuo