Da expansão tecnológica do capital no campo à permanência e resistência camponesa pela via da educação

  • Suzane Tosta Souza
  • Guilherme Matos de Oliveira
  • Joelma Miranda Coutinho de Souza

Resumo

O avanço do capital no campo brasileiro, fundamentado no discurso do desenvolvimento e da difusão de tecnologias voltadas ao aumento da produção e da produtividade, além de se estabelecer na forma própria do agronegócio, busca se expandir e se apropriar da produção camponesa. Para tanto, difunde o uso de tecnologias para tais unidades e a ilusão do desenvolvimento que, na prática, se efetiva na perda de sua relativa autonomia frente aos ditames do mercado. Por outro lado, partindo do entendimento das contradições nas quais o capital se reproduz, compreende-se que o campesinato se reafirma enquanto modo de vida – pela preservação de seus valores, quanto enquanto classe social, pelo papel político de enfrentamento à subordinação imposta pelo capital. Nessa luta pela reprodução camponesa, a educação do campo emerge como fundamental a fim de fomentar um projeto efetivamente voltado aos interesses daqueles sujeitos que vivem e se reproduzem por meio do trabalho na terra.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Como Citar
SOUZA, Suzane Tosta; DE OLIVEIRA, Guilherme Matos; DE SOUZA, Joelma Miranda Coutinho. Da expansão tecnológica do capital no campo à permanência e resistência camponesa pela via da educação. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 35-54, out. 2017. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/1510>. Acesso em: 15 dez. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v6i1.1510.
Seção
Artigos de Fluxo Contínuo