Práticas epistêmicas no ensino médio de química no tema estrutura da matéria

  • José Vieira do Nascimento Júnior

Resumo

Os alunos brasileiros de 15-16 anos não têm demonstrado um domínio satisfatório da Matemática e Ciências da Natureza, segundo recentes avaliações do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos, desenvolvido e coordenado internacionalmente pela OCDE - Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Essa carência revela a necessidade de mudanças nos quadros pedagógico e didático no ensino brasileiro de ciências. Dentre as novas configurações didáticas que surgem como uma resposta a esse problema, aquela fundamentada na inserção de aspectos relativos à natureza da ciência e ensino de ciência – NCEC, mostra-se promissora pois envolve o relacionamento de elementos próprios da linguagem científica como a argumentação e a modelagem aplicadas ao ensino de química numa perspectiva representacional macro-microscópica para a descrição dos fenômenos químicos. Neste artigo, mostramos o que pensam alguns teóricos da NCEC, além de um estudo caso baseado no ensino do tema forças intermoleculares, conduzido por um desses pesquisadores, e que serve de referência para aplicar no ensino de química no Nível Médio.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Como Citar
DO NASCIMENTO JÚNIOR, José Vieira. Práticas epistêmicas no ensino médio de química no tema estrutura da matéria. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 221-233, out. 2017. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/1521>. Acesso em: 19 out. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v6i1.1521.
Seção
Artigos de Fluxo Contínuo