O VÍNCULO INTRAGRUPAL E A EMERGÊNCIA DAS FRONTEIRAS ÉTNICAS

  • Juciara Perminio de Queiroz Souza
  • José Valdir Jesus de Santana
  • Marise de Santana

Resumo

O presente texto é resultado de uma pesquisa em nível de mestrado que buscou investigar a produção de corpos e pertencimentos étnicos a partir das interações vivenciadas por adolescentes de um grupo de dança em um projeto social, localizado no bairro Nossa Senhora da Vitória em Ilhéus-BA. Utilizamo-nos do método etnográfico, baseado nos estudos de Cliford (1998), Frankham e MacRae (2015) e Pimentel (2009). Nosso foco neste artigo é discutir, a partir do vínculo intragrupal e das narrativas de ascendência/descendência, a produção de corpos e pertencimentos étnicos das/os adolescentes do grupo de dança pesquisado. O corpo é produzido no processo de aprendizado da dança e no reconhecimento do seu pertencimento étnico e, nesse sentido, a produção dos corpos se relaciona com os dramas sociais vividos no contexto da periferia. No contexto dessa pesquisa produzir corpos implica em produzir etnicidades.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-07-26
Como Citar
SOUZA, Juciara Perminio de Queiroz; DE SANTANA, José Valdir Jesus; DE SANTANA, Marise. O VÍNCULO INTRAGRUPAL E A EMERGÊNCIA DAS FRONTEIRAS ÉTNICAS. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 7, n. 1, p. 144-179, jul. 2018. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/4067>. Acesso em: 19 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v7i1.4067.
Seção
Dossiê Temático