A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E O ENSINO DE ÁLGEBRA NA PERSPECTIVA DE DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO ALGÉBRICO

Resumo

Este artigo discute o ensino de álgebra na perspectiva do desenvolvimento do pensamento algébrico, a partir de atividades do livro didático de Matemática do 6º. Ano em consonância com a Educação Matemática. Investigou-se como é proposto o ensino de problemas envolvendo números naturais e sua capacidade de desenvolvimento do pensamento algébrico, considerado uma forma especial de pensar, importante na construção do conhecimento matemático. Buscou-se, apoiados na Teoria Antropológica do Didático, objetos ostensivos e não-ostensivos que pudessem ser evocados nessa educação algébrica. Focou-se em atividades matemáticas de estabelecimento de relações, nos processos de generalizar, modelar, operar com o desconhecido como se fosse conhecido e construir significado para a linguagem simbólica algébrica. As análises apontam que a educação algébrica pautada em atividades de resolução de problemas visando a produção de significados é um caminho para o desenvolvimento do pensamento algébrico, pelas relações e conexões que necessita estabelecer para a solucioná-los, e assim para a aprendizagem algébrica e matemática.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professora Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências - PPGEFHC/UEFS/UFBA/BA. Mestrado Acadêmico em Educação Matemática - PPGEM/UESC-BA Possui graduação em Matemática (Licenciatura) pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (1991). Atualmente é Analista Universitário da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e professora titular Secretaria de Educação do Estado da Bahia e da Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR. Tem experiência em docência na área de Matemática no Ensino Médio e Superior e como ministrante de cursos na área de Educação Matemática. Organizou quatro livros na área da Didática da Matemática e é autora de capítulos de livros publicados na área. Membro pesquisadora do NIPEDICMT-Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa, Ensino e Didática das Ciências, Matemática e Tecnologia e membro do Grupo de Estudos Pós-Doc em Didática da Matemática e Neurociência Cognitiva.

##submission.authorWithAffiliation##

Professor do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos (IHAC),Coordenador do Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia-IHAC, da Universidade Federal da Bahia-UFBA, da Faculdade de Educação da UFBA e do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da UFBA/UEFS, do qual foi coordenador de 2014 a 2016 e de 2016 a 2018. Mestre(UJF-França) e Doutor (UM2-França) em Didática das Ciências e Matemática. Tem experiência na área de Didática das ciências em particular em Environnement Informatique dApprentissage Humain (EIAH), com ênfase em Formação de professores. Atuando principalmente na pesquisa e desenvolvimento de situações didáticas para o ensino das ciências com enfase em tecnologias educacionais ; análise de praxeologias de professores ; Teoria Antropológica do Didático-TAD. Desenvolve parcerias com pesquisadores canadenses, africanos, franceses das Universidades Grenoble, Sherbook, Mali, Moçambique, Aix-Marseille e Montpellier desde 2012, com os quais desenvolveu projetos de cooperação e orienta doutorado em co-tutela. Pesquisador visitante da Université de Grenoble Alpes (Laboratoire d?Informatique de Grenoble -Equipe MeTAH-LIG) . Membro do Observatoire international de la pensée algébrique-OIPA. Membro da Association pour la Recherche en Didactique des Mathématiques (ARDM) e da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), é membro da Sociedade Brasileira de Educação Matemática e do GT 14 (SBEM). Coordenador do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa, Ensino e Didática das Ciências, Matemática e Tecnologias - NIPEDICMT.

Referências

ALDRINI, A.; VASCONCELOS, M. J. Praticando Matemática. 6º. Ano. Editora do Brasil: São Paulo, 2015.
ALMEIDA, F. E. L; LIMA, A. P. B. Negociações do Contrato Didático na Passagem da Linguagem Natural para a Linguagem Algébrica e na Resolução da Equação no 8º Ano do Ensino Fundamental. Zetetiké, FE/Unicamp, v. 21, n. 39, 2013.
ALMEIDA, J. R. Níveis de desenvolvimento do pensamento algébrico: um modelo para os problemas de partilha de quantidade. 2016.Tese (Doutorado em Educação Matemática e Tecnológica). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
ALMOULOUD, S. Fundamentos norteadores das teorias da Educação Matemática: perspectivas e diversidade. Amazônia -Revista de Educação em Ciências e Matemática, Pará, v.13, n. 27, p. 05-35, 2017.
BLANTON, M.; KAPUT, J. Characterizing a classroom practice that promotes algebraic reasoning. Journal for Research in Mathematics Education, v. 5, n. 36, p. 412-446, 2005.
BOSCH, M.; CHEVALLARD, Y. La sensibilité de l’activité mathématique aux ostensifs objet d’etude et problematique. Recherche en Didactique des Mathématiques, v. 19, n. 1, 1999, p. 77-124.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (5a a 8a Séries) matemática. Brasília, DF, 1998.
______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Base Nacional
Curricular Comum para o Ensino Fundamental (versão final). Brasília: 2017.
CAMPOS, M. A. Construindo significados para o x do problema. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) –Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus.
______. Uma sequência didática para o desenvolvimento do pensamento algébrico no 6º. Ano do ensino fundamental. 2019. Tese. (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) –Universidade Federal da Bahia, Salvador.
CAMPOS, M. A; FARIAS, L. M. S. A educação algébrica e a resolução de problemas numéricos no 6º. ano do ensino fundamental: prelúdio ao pensamento algébrico. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 143-166, 2019.
CHEVALLARD, Y. Le concept de rapport au savoir. Rapport personel, rapport institutionnel, rapport officiel.Seminaire de Grenoble. IREM d’Aix-Marseille: 1989.
______. La Transposicion Didactica: Del saber sabio al saber enseñado. Argentina: La Pensée Sauvage, 1991.
______ . Concepts fondamentaux de la didactique: perspectives apportées par une approche anthropologique. Recherches en Didactique des Mathématiques,v. 12, n. 1, p. 73-112, 1992.
______. L’analyse des pratiques enseignantes en théorie anthropologique du didactique. Recherche en Didactique des Mathématiques, v. 19, n. 2, 1999, p. 221-266.
D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: um programa. Educação Matemática em Revista: SBEM, São Paulo, ano 1, n.1, p. 5-11, 1993.
DA ROCHA FALCÃO, J. T. A álgebra como ferramenta de representação e resolução de problemas. In; SCHILLIEMAN, A. D. et al. (Org.). Estudos em Psicologia da Educação Matemática.Recife: Ed. Universitária da UFPE, 1993.
DUVAL, R. Registros de representações semióticas e funcionamento cognitivo da compreensão matemática. In: MACHADO, S. D. A. (Org.) Aprendizagem em matemática: registros de representação semiótica. Campinas: Papirus, 2003, p.11-33.
______. Semiósis e pensamento humano: Registros semióticos e aprendizagens intelectuais (Fascículo I). Tradução de Lênio Fernandes Levy e Marisa Rosâni Abreu da Silveira. São Paulo: Livraria da Física, 2009.
______ . Ver e ensinar a matemática de outra forma: entrar no modo matemático de pensar os registros de representações semióticas. Organização Tânia M. M. Campos. Tradução Marlene Alves Dias. São Paulo: PROEM, 2011.
FIORENTINI, D.; MIORIM, M. A.; MIGUEL, A. Contribuição para um repensar... a Educação Algébrica Elementar. Pro-Posições, Campinas, v. 4, n. 1, p. 78-91, 1993.
HENRIQUES, A.; ALMOULOUD, S. A. Teoria dos registros de representação semiótica em pesquisas na Educação Matemática no Ensino Superior: uma análise de superfícies e funções de duas variáveis com intervenção do software Maple.Ciência e Educação. v. 22, n. 2, p. 465-487, 2016.
LINS, R. C. O Modelo dos Campos Semânticos: estabelecimentos e notas de teorizações. In: ANGELO, C. L. et. al. (Ogs) Modelo dos Campos Semânticos e Educação Matemática. São Paulo: Midiograf, 2012.
RADFORD, L. Signs, gestures, meanings: Algebraic thinking from a cultural semiotic perspective. In: SIXTH CONGRESS OF THE EUROPEAN SOCIETY FOR RESEARCH IN MATHEMATICS EDUCATION. Anais...Lyon –França, 2009.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
CAMPOS, Márcia Azevedo; FARIAS, Luiz Márcio Santos. A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E O ENSINO DE ÁLGEBRA NA PERSPECTIVA DE DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO ALGÉBRICO. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 167-188, jul. 2020. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/6506>. Acesso em: 08 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v9i1.6506.