O CONTO DA AIA: UMA LEITURA MULTIDISCIPLINAR

Resumo

Este texto apresenta uma análise do romance O Conto da Aia, Margaret Atwood, e a sua versão cinematográfica no formato de série como possibilidade de reflexão multidisciplinar de questões como relações de gênero, parentesco e a dicotomia natureza-cultura para refletir sobre os contextos políticos brasileiro e estadunidense contemporâneos. No Conto, a República de Gilead fundada em um fundamentalismo religioso após um golpe de estado, é constituída por relações de parentesco exclusivamente heterossexual que circunscrevem gênero e sexualidade à dimensão de uma natureza fixa, tendo como origem um Deus criador. A obra de Atwood traz temas das agendas feministas, discussões ecológicas, religiosas, políticas, direitos de minorias, gênero, dentre outras, que estiveram e estão no centro das agendas eleitorais nos últimos anos e, por isso, não se pode estar alheio a elas. Ao engajar a análise na problematização de opressões contra as minorias do tempo presente, os autores deste texto enfrentam as suas correlações com as opressões da República de Gilead.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Eloísa Cecília Dias Martins é Mestranda em Ensino, Linguagem e Sociedade pela Universidade do Estado da Bahia e Especialista em Perícia e Auditoria Ambiental pelo Centro Universitário Internacional. É membro líder do Grupo Ensino, Discurso e Sociedade. Tem experiência na área de Ecologia e Zoologia (Levantamento de Anurofauna) e em Educação.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia e Professor do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade da Universidade do Estado da Bahia (UNEB de Caetité, Bahia). É líder do Grupo Ensino, Linguagem e Sociedade. Tem interesse por ciências biológicas e ciências sociais, atuando principalmente nos seguintes temas: etnografia da prática científica, discursos sobre a biodiversidade da caatinga, sexualidade, gênero e ciência, história do ensino de ciências e formação de professores.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos e Professora do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade da Universidade do Estado da Bahia (UNEB de Caetité, Bahia). É líder do Grupo Ensino e do Grupo Ensino, Discurso e Sociedade. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Análise do Discurso.

Referências

ATWOOD, Margareth. O conto da Aia. Tradução Ana Deiró. Rio de Janeiro: Rocco, 2017. Tradução de: The Handmaid’s Tale.
BEER, Edith Hahn. A mulher do Oficial Nazista. Tradução Natalie Gerhardt. Rio de Janeiro: Harper Collins,2017.
BÍBLICO, D. Dicionário Bíblico Ilustrado: Crescer. 1. ed. Santo André: Geográfica,2010.
BUTLER, Judith. Regulações de gênero. Cad. Pagu, Campinas, n.42, p.249-274, jun.2014.
______. O parentesco é sempre tido como heterossexual?.Cad. Pagu, Campinas, n. 21,p. 219-260,2003.
DINIZ, Debora. Zika: do sertão nordestino à ameaça global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.
FEITAL, Yasmine. et al. The Handmaid’s Tale: A Representação Da Mulher Na Série E A Proximidade Com A Realidade Brasileira. In: ALMEIDA, F. F. de (org.). XXIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. Belo Horizonte, MG, 2018. p. 1 –15.
JUSBRASIL. Um em cada três brasileiros culpa as mulheres por estupro, diz pesquisa. 2019. Online. Disponível em: https://examedaoab.jusbrasil.com.br/noticias/386291560/um-em-cada-tres-brasileiros-culpa-as-mulheres-por-estupro-diz-pesquisa. Acesso em: 05 de agosto de 2019.
KRÜGER, Luana de Carvalho; MARKS DE MARQUES, Eduardo. O corpo-objeto em O Conto da Aia - a desperformatização do corpo da mulher no universo distópico do romance. In: CUNHA, Andrei dos Santos; FERREIRA, Cinara; NEUMANN, Gerson Roberto; BITTENCOURT, Rita Lenira. (Org.). Ilhas Literárias-Estudos de Transárea. Porto Alegre: Editora do Instituto de Letras UFRGS, 2018.
LIVINGSTON, George Hebert; COX, Leo G; KINLAW Dennis F; BOIS, Lauriston. J. Du; FORD, Jack; DEASLEY, A. R. G. Comentário Bíblico Beacon: Gênesis a Deuteronômio.1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2000. v. 1.
LUTERO, Martinho. Martinho Lutero Obras Selecionadas: Debates e Controvérsias II. Rio Grande do Sul: Sinodal, 1993. v. 6.
MAINGUENEAU, Dominique. Citação e Destacabilidade. In: MAINGUENEAU, D. Cenas da Enunciação. Organização: POSSENTI, S. e SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília Pérez. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Curitiba/PR: Criar, 2007. [1984].
PEREIRA, Alice de Araújo Nascimento. Circulação, Tramas & Sentidos na Literatura. In: XVI CONGRESSO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LITERATURA COMPARADA (ABRALIC), XVI.2018. Anais...Brasília,2018.3090-3106p.
RÜSCHE, Ana. Atwood e de quanto o real ultrapassa a ficção: A obra da escritora canadense como lente para pensarmos o ano que acaba. Pernambuco, v.142, p.12-17, Dez 2017.
SAGRADA, Bíblia. (Almeida Revista e Atualizada, Trad). Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2017a.
SILVA, Alane Melo da. A woman’s place: Uma análise comparativa da personagem Serena Joy do livro para as telas. Transversal -Revista em Tradução, Fortaleza, v. 4, n. 8, p. 31 –42, Ago. 2017.
SÍMBOLOS, Dicionário. de. A cruz invertida.2019. Disponível em: https: //www.dicionariodesimbolos.com.br/cruz-invertida/. Acesso em: 08 de agosto de 2019.
STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofes: resistir à barbárie que se aproxima. São Paulo: Cosac Naify, 2015.
STOLCKE, Verena. Homo clonicus: Nuevas técnicas, viejas ideas de engendrar humanos. Revista de antropología social y cultural Etnografías Contemporáneas, San Martíns, nº 6, p. 45-65, 2018.
THE Handsmaids’tale -Night. Bruce Miller. EUA: Hulu, 2017. Série.
VARSAM, Maria. “Concrete Dystopia: Slavery and Its Others”. In: BACCOLINI,
Raffaella; MOYLAN, Tom (orgs.). Dark Horizons: Science Fiction and the Dystopian Imagination. Nova York; Londres: Routledge, 2003.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
MARTINS, Eloísa Cecília Dias; DA CRUZ, Elizeu Pinheiro; DOS SANTOS, Sidnay Fernandes. O CONTO DA AIA: UMA LEITURA MULTIDISCIPLINAR. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 312-339, jul. 2020. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/6567>. Acesso em: 05 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v9i1.6567.