UMA PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA ENSINO DE GRÁFICOS ESTATÍSTICOS A PARTIR DA INTERSECCIONALIDADE ENTRE SEXO E RAÇA COM TEMÁTICAS DE UMA ANÁLISE SOCIOECONÔMICA

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar uma atividade construída com o foco na interpretação de gráficos estatísticos a partir de temáticas que versem sobre a interseccionalidade de sexo e raça, considerando aspectos econômicos e sociais das cidades de Salvador-BA e São Paulo-SP, entre 2011 e 2017. A importância deste tema consiste em apresentar discussões referente à desigualdade racial, sobretudo das mulheres negras, no mercado de trabalho. A visibilidade desse tema é relevante considerando a persistência do racismo estrutural em diferentes setores econômicos, bem como na ausência de equidade social para a população negra. Utilizamos como metodologia de pesquisa qualitativa, para analisar de forma crítica e reflexiva os dados estatísticos apresentados através de órgãos e instituições de pesquisa nacional. Os dados serviram para a construção de atividades destinadas aos(às) alunos(as) de Ensino Médio da Educação Básica para discutir, a partir de análises de gráficos, o lócus ocupado pela mulher negra na sociedade brasileira, tomando como amostra as cidades já citadas, além das regiões do país em que se situam. Portanto, trazê-las para esta discussão torna-se relevante, já que o problema do racismo estrutural ainda é visível na sociedade, particularmente no mercado de trabalho, foco deste estudo. Assim, discutir essa temática é necessária para que estudantes possam analisar e compreender a partir de um olhar crítico e reflexivo o lugar da mulher negra na sociedade, a partir da interpretação de gráficos estatísticos de dados sobre educação e renda, focado no letramento estatístico.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professor Adjunto da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Centro de Formação de Professores/Amargosa, atuando nas áreas de Educação Estatística, Modelagem Matemática na Educação Matemática, Feiras de Matemática e Tecnologias Digitais no Ensino da Matemática. Doutor em Ciências da Educação pela Universidade do Minho (UMinho). Tem Mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Especialização em Educação Matemática pela Universidade Católica do Salvador (UCSAL). É licenciado em Matemática pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É membro do Grupo de Pesquisa Educação Matemática no Recôncavo da Bahia (GPEMAR) e do Grupo de Estudos e Pesquisas Educação Matemática em Foco (EMFoco).

##submission.authorWithAffiliation##

Professora do Centro Territorial de Educação Profissional do Vale do Jiquiriçá (CETEP), colégio da rede pública estadual da Bahia, atuando nas áreas de História da Educação Matemática e Educação Estatística. Doutoranda e Mestre em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Tem Especialização em Educação Matemática pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e em Metodologia do Ensino da Matemática pela Faculdade de Ciências da Bahia. Tem licenciatura em Matemática pela UNEB. É membro do Grupo de Pesquisa Laboratório de Integração e Articulação entre Pesquisas em Educação Matemática e Escola (LIAPEME).

 

##submission.authorWithAffiliation##

Estudante de graduação do Curso de Licenciatura em Filosofia da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Centro de Formação de Professores / Amargosa. É membro do Grupo de Estudos Fenomenologia e Existência.

Referências

AGÊNCIA DO BRASIL. Estruturas econômicas, participação em atividades produtivas, 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2019.
ALMEIDA, C. C. Análise de um instrumento de letramento estatístico para o Ensino Fundamental II. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). Universidade Bandeirante de São Paulo, São Paulo, 2010, 109p.
ANDREWS, G. R. Desigualdade racial no Brasil e nos Estados Unidos, 1990-2010. Revista Afro-Ásia, 2015, p. 141-174.
BARRETO, R. Angela Davis: radical e libertária. 2017. Disponível em:. Acesso em: 19 jun. 2019.
BATISTA, W. M. A inferiorização dos negros a partir do racismo estrutural.N.4, V.9, Rio de Janeiro: Revista Direito e Práxis, 2018, p. 2581-2589. Disponível em:. Acesso em: 19 jun. 2019.
BATISTA, W. M.; MASTRODI, J. Dos fundamentos extraeconômicos do racismo no Brasil. N.4, v.9, Rio de Janeiro: Revista Direito e Práxis, 2018, p. 2332-2359. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2019.
CANO, W. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil.1930 –1970. 3º edição. Fundação da Editora da Universidade Estadual de São Paulo -UNESP. 2007.
CARVALHO, L. M. T. L.; MONTEIRO, C. E. F.; CAMPOS, T. M. M. Refletindo sobre a interpretação de gráficos como uma atividade de resolução de problemas. In: LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Q. S.; ALMOULOUD, S. A. (Orgs.). Estudos e reflexões em educação estatística. Campinas: Mercado de Letras, p. 213-227, 2010.
CASTRO, B. N.; STAMM, C. Diferenças salariais de sexo e raça no mercado de trabalho brasileiro: uma análise estatística e econométrica. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDO DE POPULAÇÃO, 2016, Foz do Iguaçu. Anais... XX Encontro Nacional de Estudo de População, 2016.
CAZORLA, I. M.; KATAOKA, V. Y.; SILVA, C. B. Trajetória e perspectivas da educação estatística no Brasil: um olhar a partir do GT 12. In: LOPES, C. E.; COUTINHO, C. Q. S.; ALMOULOUD, S. A. (Orgs.). Estudos e reflexões em educação estatística. Campinas: Mercado de Letras, p. 19-44, 2010.
CAZORLA, I. M.; OLIVEIRA, M. S. Para saber mais. In: CAZORLA, I. M.; SANTANA, E. R. S. (Org.). Do tratamento da informação ao letramento estatístico. Itabuna: Via Litterarum, p. 113-144, 2010.
COLLINS, P. H. Comentário sobre o artigo de Hekman “Truth and Method: Feminist Standpoint Theory Revisited”: onde está o poder? Signis, v.22, n.2, p.375-381, 1997. [Tradução de Juliana Borges].
CURCIO, F. Comprehension of mathematical relationship expressed in graphs. Journal for Research in Mathematics Education. Reston, v. 18, n. 5, 1987, p. 382-393.
D'AMBROSIO, U. Um enfoque transdisciplinar à educação e à história da educação matemática. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. C. (Orgs.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, p. 13-29, 2004.
DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.
DIEESE, Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. A situação do trabalho no Brasil. São Paulo: DIEESE, 2008.
DINIZ, L. N. Leitura, construção e interpretação de gráficos estatísticos em projetos de modelagem matemática com uso das tecnologias de informação e comunicação.2016. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) –Instituto de Educação, Universidade do Minho, Braga-Portugal, 2016.
GAL, I. Adult statistical literacy: meaning, components, responsabilities. International Statistical Review, v. 70, n. 1, p. 1-25, 2002.
LANGONI, C. G. Distribuição da renda e desenvolvimento econômico do Brasil.2ª ed. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura. 1978
LESSA, C. Quinze anos de política econômica. 4ª ed. Brasília: Editora Brasiliense, 1983.
LIMA, M. Desigualdades raciais e políticas públicas: ações afirmativas no governo Lula, 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2019.
MATOS, R. S.; MACHADO, A. F. Diferencial de rendimentos por cor e sexo no Brasil (1987-2001). Econômica, Rio de Janeiro, v. 8, n.1, p. 5-27, jun. 2006.
MEDEIROS, C. A. Industrialização e regime salarial na economia brasileira: os anos 60 e 70. Economia e Sociedade, v.2, n.1, p. 125-143, 2016.
MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, p.9-29, 2004.
MONTEIRO, C. E. F. Explorando a complexidade da interpretação de gráficos entre professores em formação inicial. Cadernos de Estudos Sociais, Recife-PE, v. 22, n. 2, p. 211-224, 2006.
PONTE, J. P.; BROCARDO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
RIBEIRO, D. Lugar de fala. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019, 112p.
SÁ, D. L.; SILVA, M; P. M.; SAMÁ, S. Análise do letramento estatístico de estudantes concluintes do ensino médio. In: SAMÁ, S.; SILVA, M; P. M. (Org.). Educação Estatística: ações e estratégias pedagógicas no Ensino Básico e Superior. Curitiba: Editora CRV, 2015, p. 155-167.
SAMPAIO, L. O. Educação estatística crítica: uma possibilidade? Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro - SP, 2010.
SHULMAN, L. S. Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Researcher, Washington-DC, v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986.
SILVA, W. S. População Economicamente Ativa - PEA, 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2019.
SERRA, J. A reconcentração da renda: justificações, explicações dúvidas. In: TOLIPAN, R.; TINELLI, A. C. (Org.). A controvérsia sobre distribuição de renda e desenvolvimento.2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Zahar. 1975.
SOARES, S. S. D. O perfil da discriminação no mercado de trabalho: homens negros, mulheres brancas e mulheres negras. Brasília: IPEA, p. 1-26, nov. 2000.
TAVARES, M. C. A industrialização brasileira: uma tentativa de reinterpretação.3ª ed. Campinas: UNICAMP, Instituto de Economia. 1998.
WILD, C.; PFANNKUCH, M. Statistical thinking in empirical enquiry. International Statistical Review, Voorburg, v. 67, n. 3, p. 223-248, 1999.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
DINIZ, Leandro do Nascimento; DINIZ, Ivanise Gomes Arcanjo; SANTOS, Luís Rodrigo Ferreira. UMA PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA ENSINO DE GRÁFICOS ESTATÍSTICOS A PARTIR DA INTERSECCIONALIDADE ENTRE SEXO E RAÇA COM TEMÁTICAS DE UMA ANÁLISE SOCIOECONÔMICA. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 340-367, jul. 2020. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/6690>. Acesso em: 08 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v9i1.6690.