A GESTÃO DO PLANEJAMENTO DE TAREFAS MATEMÁTICAS POR PROFESSORAS DOS ANOS INICIAIS

Resumo

Este artigo apresenta o recorte de uma pesquisa a qual teve como objetivo principal analisar o processo de gestão de tarefas matemáticas de um grupo de professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, antes e depois de um processo formativo. A investigação de abordagem qualitativa na modalidade da pesquisa-ação foi desenvolvida por meio de um grupo de formação, envolvendo a pesquisadora e professora dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental de uma escola pública. Os dados foram produzidos através de encontros presenciais formativos, entrevistas semiestruturadas, sequências de tarefas planejadas pelas professoras e observação direta de aula. A gestão de tarefas é entendida nesse trabalho como um processo que envolve a gestão do planejamento, da implementação e da avaliação das tarefas matemáticas. Especificamente para este artigo, explicitamos a análise desenvolvida acerca do processo de gestão do planejamento. Os dados analisados apontam que, embora as professoras reconheçam a importância do planejamento, demonstram dificuldades ao planejarem devido à falta de domínio de conhecimentos didático–matemáticos, revelando que estudam pouco ou não estudam, e normalmente refutam os conteúdos que tem dificuldades.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestre em Ensino pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Técnica em Assuntos Educacionais no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano) - Campus Guanambi. Professora do Ensino Fundamental na Rede Municipal de Ensino de Guanambi – Bahia. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas Museu Pedagógico: Didática das Ciências Experimentais e da Matemática (GDICEM/UESB).

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Didática da Matemática pela Universidade de Santiago de Compostela (USC). Professora na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), no Programa de Pós- Graduação em Educação Científica e Formação de Professores e no Programa de Pós-Graduação em Ensino, ambos na UESB. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Museu Pedagógico: Didática das Ciências Experimentais e da Matemática (GDICEM/UESB). 

 



Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2017. Disponível em: . Acesso em: 23 de julho de 2018.
______. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resultados do Censo Escolar de 2015. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 17 setembro de 2018.
BREDA, Adriana; FONT, Vicenç, LIMA, Valderez Maria do Rosário. A noção de idoneidade didática e seu uso na formação de professores de matemática. JIEEM –Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática, n. 8 (2). p. 1-41, 2015.
CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 7.ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
CURY, Carlos Roberto Jamil. A gestão democrática na escola e o direito à educação. Revista Brasileira de Apolítica e Administração da Educação (RBPAE). V. 23, n.3, set./dez.2007. p. 483-496. Porto Alegre: ANPAE, 2007.
DIAS, Emerson de Paulo. Conceitos de gestão e administração: uma revisão crítica. Revista Eletrônica de Administração-Facef, v.01, ed. 01, julho/dezembro 2002.
FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sergio. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3. Ed. Ver. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.
GAUTHIER, Clermont [et al.]. Trad. Francisco Pereira. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas sobre o saber docente (Coleção Fronteiras da educação). 3 ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2013. 480p.
GODINO, Juan. Un enfoque ontológico y semiótico de la cognición matemática. Recherches en Didactique des Mathématiques, Vol. 22, nº 2.3, pp.237-284, 2002.
______. Categorias de análisis de los conocimientos del profesor de Matemáticas. UNION, Revista Iberoamericana de Educación Matemática, n.20, p.13-31, 2009.
______. Indicadores de la idoneidad didáctica de procesos de enseñanza y aprendizaje de las matemáticas. XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática (CIAEM-IACME), Recife (Brasil), 2011.
GODINO, J D., BATANERO, C., FONT, V; GIACOMONE, B. (2016). Articulando conocimientos y competencias del profesor de matemáticas: el modelo CCDM. En C. Fernández, J. L. González, F. J. Ruiz, T. Fernández y A. Berciano (Eds.), Investigación en Educación Matemática XX (pp. 288-297). Málaga: SEIEM.
GUSMÃO, Tânia Cristina Rocha Silva (2016). Desenho de tarefas para o desenvolvimento da cognição e metacognição matemática. In: NEVES, Anderson Souza ... (org.) ... [et al.] Ensino e Didática das Ciências (Coleção Ensino, filosofia e história das ciências). Salvador: EDUFBA, 2016, p. 183-193.
LUCK, Heloísa. Dimensões da Gestão Escolar e suas Competências. Curitiba: Positivo, 2009.
NACARATO, Adair Mendes; MENGALI, Brenda Leme da Silva; PASSOS, Carmén Lúcia Brangaglion (Coord.). A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: Tecendo fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. (Coleção Tendências em Educação Matemática).
POCHULU, Marcel; FONT, Vicenç; RODRIGUEZ Mabel. Criterios de diseño de tareas para favorecer el análisis didáctico en la formación de profesores. Actas del VII CIBEM. Montevideo: Uruguai. 2013.
PONTE, João Pedro da. Gestão curricular em Matemática. Em: GTI (Ed.), O professor e o desenvolvimento curricular. Lisboa: APM, p. 11-34, 2005.
ROLDÃO, Maria do Céu. Gestão Curricular: Fundamentose Práticas. Lisboa: Ministério da Educação (ME). Departamento da Educação Básica (DEB), 1999 (Coleção Reflexão Participada; 6)
ROLDÃO, Maria do Céu; Almeida, Sílvia de. Gestão Curricular para a autonomia das Escolas e professores. Lisboa: Ministério da Educação (ME). Direção-Geral da Educação (DGE), 2018 (Autonomia e Flexibilidade CURRICULAR).
SERRAZINA, Maria de Lurdes. Planificação do ensino e aprendizagem da matemática. In: INVESTIGAÇÃO, G. G. D. T. D. (Ed.). A prática dos professores: Planificação e discussão coletiva na sala de aula. Lisboa: Associação de Professores e Matemática, 2017.
SERRAZINA, Maria de Lurdes. Reflexão, conhecimento e práticas lectivas em Matemática num contexto de reforma curricular no 1º ciclo. Quadrante, 9, 139-167, dez.1999.
SOUSA, Jorge Ramos de. [et al.]. Contribuições do (re) desenho de tarefas para aproximação da matemática com o entorno social da escola. Revista Práxis Educacional, v. 15, n. 33, p. 444-471, jul./set. 2019, ISSN: 21782679
SOUSA, Jorge Ramos de. (Re) desenho de tarefas para articular os conhecimentos intra e extramatemáticos do professor. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia –Campus Universitário de Jequié, Jequié, Bahia, 2018.
STEELE, Diana. F. Vozes entusiastas de jovens matemáticos. Educação e Matemática, n. 62, p. 39-42, mar. /abr., 2001.
STEIN, Mary Kay. [et al.]. Implementing standards–based mathematics instruction: a casebook for professional development. New York: Teachers College Press, 2009.
TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e pesquisa, v. 31, n. 3, p. 443-466, 2005. https://doi. org/10.1590/S1517-97022005000300009.
VASCONCELOS, Celso dos Santos. Planejamento: Projeto de Ensino e aprendizagem e Projeto Político Pedagógico. (Org.). Campinas/SP: Papirus. 2012.
WADSWORTH, Barry J. Inteligência e Afetividade da Criança da Teoria de Piaget. 3 ed. São Paulo, 1994.
WEINSTEIN, Carol Simon; NOVODVORSKY, Ingrid. Gestão da sala de aula: lições da pesquisa e da prática para trabalhar com adolescentes. Porto Alegre: AMGH, 2015.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
PEREIRA, Lindomar Santana Aranha; GUSMÃO, Tânia Cristina Rocha Silva. A GESTÃO DO PLANEJAMENTO DE TAREFAS MATEMÁTICAS POR PROFESSORAS DOS ANOS INICIAIS. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 147-166, jul. 2020. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/6917>. Acesso em: 08 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v9i1.6917.