AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

Resumo

No Brasil a abertura dos espaços escolares para as mulheres remonta ao século XIX, entretanto somente em sua segunda metade o público feminino teve acesso às universidades. Até então a elas eram destinados o zelo à família e os afazeres domésticos. Esta construção social que vincula às mulheres o cuidado com os outros permitiu associá-las rapidamente aos cursos de licenciatura. Atualmente, no país, elas ocupam grande parte das vagas dos cursos destinados à formação de professores. Entretanto, em algumas áreas, a exemplo da
matemática, os números referentes à entrada e permanência dessas mulheres nem sempre é superior aos dos homens. Neste sentido, a presente pesquisa, de natureza qualitativa, tem como objetivo identificar as motivações encontradas por ambos os gêneros masculino e feminino, sobretudo o segundo, no que tange a escolha pela licenciatura em matemática e comparar as taxas de desistência e conclusão do curso desses dois grupos. Para isso, foi realizada uma pesquisa de campo envolvendo quatro turmas de uma universidade pública do estado da Bahia, com alunos ingressantes nos anos de 2014, 2015, 2016 e 2017. Os instrumentos de coleta de dados consistiram em um questionário aplicado aos participantes e em relatórios contendo a situação atual da matrícula desses discentes. Os resultados revelaram que tanto homens quanto mulheres optam pelo curso em virtude da facilidade que possuem em aprender a matemática ensinada na educação básica, contudo os primeiros costumam aparecer em número superior aos segundos, inclusive entre os formados.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Ciências da Educação, especialidade Educação Matemática, pela Universidade do Minho, Braga, Portugal. É licenciado em matemática pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestre em matemática pela mesma universidade. Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)/Amargosa, Bahia, sendo Coordenador do Curso de Licenciatura em Matemática da UFRB.

Referências

ALMEIDA, J. S. Mulher e Educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Fundação da Editora da UNESP, 1998.
AMARAL, R. S.; SANTANA, I. P.; SANT’ANA, C. C. O ensino de matemática e a educação feminina: aritmética e geometria no curso primário da Bahia império-república (1827-1939). Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática, v. 8, n. 1, p. 107-127, 2015.
BARRETO, A. A mulher no ensino superior: distribuição e representatividade. Cadernos do GEA, n. 6, jul./dez. 2014
BATISTA, I. L. et al. Gênero feminino e formação de professores na pesquisa em educação científica e matemática no brasil. In: SIMPÓSIO LATINO AMERICANO E CARIBENHO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DO INTERNATIONAL COUNCIL OF ASSOCIATIONS FOR SCIENCE EDUCATION, 4., 2011, Londrina. Anaiseletrônicos[...]. Londrina: ICASE, 2011. Disponível em: http://www.uel.br/grupo-pesquisa/ifhiecem/arquivos/BATISTA%20et%20al% 202011.pdf. Acesso em: 13 de maio de 2020.
BRECH, CHRISTINA. O 'dilema Tostines' das mulheres na matemática. Revista Matemática Universitária, Rio de Janeiro, n. 54, p. 1-5, 2018.
CARVALHO, T. F.; FERREIRA, D. H. L.; PENEREIRO, J. C. Matemática, Mulheres e Mitos: causas e consequências históricas da discriminação de gênero. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v.18, n.2, p. 571-597, 2016.
CASAGRANDE, L. S.; SOUZA, A. M. F. L. Para além do gênero: mulheres e homens em engenharias e licenciaturas. Estudos Feministas, Florianópolis, v.24, n.3, p. 825-850, set-dez 2016.
CAVALARI, M. F. Mulheres matemáticas: presença feminina na docência no ensino superior de matemática das universidades estaduais paulistas –Brasil. Revista Brasileira de História da Matemática,v. 10, n. 19, p. 89-102, 2010.
CHIZZOTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, Braga, Portugal, v. 16, n. 2, p. 221-236, 2003.
EVES, H. Introdução à História da Matemática. Campinas: Editora Unicamp, 2011.
FERNANDES, M. C. V. A inserção e vivência da mulher na docência de matemática: uma questão de gênero.2006. Dissertação (Mestrado em Educação) –Centro de Educação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2006.
FERNANDEZ, C. S.; AMARAL, A. M. L. F.; VIANA, I. V. A história de Hipátia e de muitas outras matemáticas. Rio de Janeiro: SBM, 2019.
GOLDENBEERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Editora Record, 2004.
INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAISANÍSIO TEIXEIRA. Enade 2017:Relatório síntese de área –matemática (bacharelado/licenciatura). Brasília, 2018, 748 p.INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Relatório SAEB 2017. Brasília, 2019a, 162 p.
INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo da Educação Superior 2018: Sinopse Estatística da Educação Superior 2018. Brasília, 2019b.INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Censo da Educação Superior 2018: Divulgação dos Resultados. Brasília, 2019c.
LETA, J. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n.49, p.271-284, 2003.
LOPES, M. M.; COSTA, M. C. Problematizando ausências: mulheres, gênero e indicadores na história das ciências. In: MORAES, Maria Lygia Quartim (Org.). Gênero nas fronteiras do Sul. Campinas: Pagu-Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, 2005. p. 75-83.
MARTINES, M. C. S. Primeiros Doutorados em Matemática no Brasil: uma análise histórica. 2014. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 2014.
MELO, C. I. B. Relações de gênero na matemática: o processo histórico-social de afastamento das mulheres e algumas bravas transgressoras. Revista Ártemis, v. 24, n. 1, jul-dez, p. 189-200, jul-dez 2017.
NEIVA, G. Entrevista concedida a Isabela Giordan e publicada no site da Revista Quero Bolsa em 5 de mar. 2019. Disponível em: https://querobolsa.com.br/revista/homens-possuem-mais-facilidade-na-area-de-exatas-do-que-mulheres-informa-pesquisa. Acesso em: 13 de maio de 2020.
MENEZES, M. B. A matemática das mulheres:as marcas de gênero na trajetória profissional das professoras fundadoras do Instituto de Matemática e Física da Universidade da Bahia. (1941-1980). 2015. Tese (Doutorado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal Rural da Bahia, Salvador, 2015.
MENEZES, M. B. Protagonismo Feminino na Matemática: criação e evolução do Instituto de Matemática da Universidade Federal da Bahia. Bolema, Rio Claro (SP), v. 33, n. 65, p. 1067-1086, dez. 2019.
MOURA, M. C. A participação da mulher na construção da matemática. 2015. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática) – Departamento de Ciências Exatas e Naturais, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2015.
ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Decifrar o código: educação de meninas e mulheres em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). Brasília, 2018. 84 p.
SOIHET, R. A pedagogia da conquista do espaço público pelas mulheres e a militância feminista de Bertha Lutz. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 15, p. 118-133, set./dez. 2000
SOUZA, J. B. Mulheres na matemática: discurso e poder. In: Seminário Corpo Gênero e Sexualidade, 7., 2018, Rio Grande do Sul. Anais [...]. Rio Grande do Sul: FURG, 2018. Disponível em: https://7seminario.furg.br/anais. Acesso em: 13 de maio de 2020.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
DE ASSIS, Elias Santiago. AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 54-80, jul. 2020. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/6921>. Acesso em: 08 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v9i1.6921.