AS CONDIÇÕES DA INFRAESTRUTURA ESCOLAR, CORPO DOCENTE E RELAÇÕES DE GÊNERO NA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DESCRITIVO EM ITAPETINGA, BA

Resumo

O artigo reúne parte dos resultados da pesquisa descritiva que investigou relações de gênero em uma escola municipal de ensino fundamental, Itapetinga, BA, com foco no emprego de preconceitos e discriminação de gênero entre alunos e professor-alunos e a influência das condições e organização da infraestrutura escolar na aprendizagem escolar, observando as estratégias utilizadas pela escola (ou não) para ensinar a formação de valores coletivos, cidadania e melhoria das relações entre alunos no cotidiano escolar. O significado e sentido de prática educativa bem sucedida, nos quais buscamos apoio, encontram-se ancorados nas ideias de Arendt (1997), educação e emancipação de Adorno (1995), relações de gênero, corpo e processo pedagógico em Louro (1997, 2000), Carvalho (2016, 2012) e outros. Com base nos teóricos, compreendemos práticas educativas bem sucedidas aquelas que, além de gerar aprendizagem positiva, formação da cidadania e condição humana, possibilitam a melhoria das relações entre alunos (as) e professor-aluno(a), ampliando sentimentos afetivos e valores éticos, que potencializam relações interpessoais na escola. Neste texto, apresentamos um recorte teórico e resultados alcançados com informantes e de ações sobre gênero e intersecção raça e etnia. Esses resultados apontam que, quando a escola se preocupa com a melhoria das condições do ambiente escolar, como lugar de encontros prazerosos, saudável e a criação de estratégias para formação de valores e cidadania de seus alunos, tornando-os mais alegres, afetivos(as), potencializa as relações de interação, sociabilidades, respeito à diferença, convivência com a diversidade, responsabilidade com a vida e igualdade na escola, contudo, precisa ainda caminhar nesta direção.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Maria de Fátima de Andrade Ferreira é Pós-doutora em Antropologia Social e Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Docente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Departamento de Ciências Humanas, Educação e Linguagem, Programa de Pós- graduação Mestrado em Ensino e Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade. Coordena o Núcleo de Pesquisa e Extensão Gestão em Educação e Estudos Transdisciplinares e Rede de Pesquisa Representações, Discursos e Violência na Escola (FAPESB/UESB). 

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos. Docente do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação Mestrado em Ensino e Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Coordena Grupo de Pesquisa em Etnicidades, Relações Raciais e Educação.

Referências

ABRAMOVAY, Miriam (Coord.). Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivência nas escolas. ABRAMOVAY, M.; CUNHA, Anna L.; CALAF, Priscila P. Brasília: Rede de Informação Tecnológica Latino-americana –RITLA, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal –SEEDF, 2010.
ARENDT, Hannah. Origens do Totalitarismo: anti-semitismo, imperialismo, totalitarismo. Tradução Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Tradução Mauro W. B. de Almeida. São Paulo: Perspectiva, 1997.
BELOTTI, Elena Gianini. Educar para a submissão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.
BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,1998.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei n. 9394/96. 9 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.
BRASIL. Lei n. 8.069 de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente–ECA. Brasília: Presidência da República/Casa Civil, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm Acesso em: 22 de fev. 2020.
CARVALHO, Marília Pinto de (Org.). Diferenças e desigualdades na escola. Campinas, SP: Papirus, 2012.
CAVIEDES, Elizabeth Guerrero; FERNÁNDEZ, Patrícia Provoste; BARRIENTOS, Alejandra Valdés. Acceso a la educación y socialización de gênero en un contexto de reformas educativas. In: CAVIEDES et al (Org.). Equidad de género y reformas educativas. Santiago de Chile: Hexagrama. FLACSO-IESCO, 2006. p. 7-50.
CUNHA, Célio da. Ambiente escolar e qualidade da educação. In: ABRAMOVAY, Miriam (Coord.). Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivência nas escolas. Brasília: Rede de Informação Tecnológica Latino-americana –RITLA, Secretaria de Estadode Educação do Distrito Federal –SEEDF, 2010.
DURKHEIM, Émile. A educação moral. Tradução Claudia Grijo Vilarouca. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
LOURO, Guacira Lopes. Corpo, escola e identidade. In: Educação & Realidade. Rio Grande do Sul: UFRGS, v. 25, n. 2, p. 59-75, jul./dez. 2000.
LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.
REZENDE, Andréia Botelho de; CARVALHO, Marília Pinto de. Formas de ser menino negro: articulações entre gênero, raça e educação escolar. In: CARVALHO, Marília Pinto de (Org.). Diferenças e desigualdades na escola. Campinas, SP: Papirus, 2012.
ROSA, Sabrina Hax Duro; BOHN, Hilário Inácio. Os banheiros da escola como espaço de significação: as marcas de gênero e a influência da mídia na (trans)formação identitária de estudantes no ensino médio. In Anais doInternational Congresso of Critical Applied Linguistics -ICCAL. Brasília, p. 698-725, 19 a 21out. 2015.
ROSEMBERG, Fúlvia; MADSEN, Nina. Educação formal, mulheres e gênero no Brasil contemporâneo. In: BARSTED, Leila Linhares; PITANGUY, Jacqueline (Org.). O progresso das mulheres no Brasil 2003-2010. Rio de Janeiro: CEPIA; Brasília: ONU Mulheres, 2011, p. 390-434.
Argentina52SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2015.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Seis razões para pensar. In: RODRIGUES, Leôncio Martins. Lua Nova-Por que pensar? São Paulo, UNICAMP/CEDEC, n. 54, p. 13-23, 2001.
SCOTT, Joan. O enigma da igualdade. In: Estudos Feministas, Florianópolis, v.13, n. 1, jan.-abr. 2005, p. 11-30
SOARES NETO et al. Uma escala para medir a infraestrutura escolar. In: Estudos em Avaliação Educacional –EAE. São Paulo, Fundação Carlos Chagas, v. 24, n. 54, p. 78-99, jan./abr. 2013.
VIANNA, Cláudia; RIDENTI, Sandra. Relações de gênero e escola: das diferenças ao preconceito. In: AQUINO, Julio Groppa (Org.). Diferenças e preconceito na escola: alternativas Teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1998.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
FERREIRA, Maria de Fátima de Andrade; DE SANTANA, José Valdir Jesus. AS CONDIÇÕES DA INFRAESTRUTURA ESCOLAR, CORPO DOCENTE E RELAÇÕES DE GÊNERO NA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DESCRITIVO EM ITAPETINGA, BA. Revista Binacional Brasil-Argentina: Diálogo entre as ciências, [S.l.], v. 9, n. 1, p. 34-53, jul. 2020. ISSN 2316-1205. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/rbba/article/view/6932>. Acesso em: 05 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/rbba.v9i1.6932.