CIDADE MARAVILHOSA: EXPLORAÇÃO DOS SENTIDOS DE UMA METONÍMIA

  • Priscilla Xavier

Resumo

O presente artigo propõe uma possibilidade de compreensão da dinâmica do dizer a cidade. Considerando o dizer um fenômeno social, pretendemos exercitar uma análise de discurso, que toma o termo “Cidade Maravilhosa” como uma metonímia do Rio de Janeiro, admitindo em tal dizer um teor dinâmico. Buscamos apreender a dinâmica da “Cidade Maravilhosa” a partir de uma analogia ao caleidoscópio, produzindo imagens de conjunturas, organizando e expondo conteúdos relevantes e eloquentes para compreensão dos sentidos dos discursos. Nesse caleidoscópio três superfícies espelhadas refletem objetos que, em movimento, produzem imagens sucessivas, entre possibilidades de combinações inúmeras. A política, a cultura e o urbanismo serão os espelhos e as narrativas acerca da Cidade Maravilhosa os objetos em movimento que serão refletidos. A imagem do Rio de Janeiro será composta por conjunturas institucionais distintas, sejam elas o Rio de Janeiro como capital da república, Estado da Guanabara e Rio de Janeiro pós-fusão. O resultado é a percepção da mudança dos conteúdos que conferem sentido aos discursos sobre o Rio de Janeiro, no que tange o imaginário e as disputas de poder expressas ou inspiradas na Cidade Maravilhosa.

Como Citar
XAVIER, Priscilla. CIDADE MARAVILHOSA: EXPLORAÇÃO DOS SENTIDOS DE UMA METONÍMIA. REDISCO – Revista Eletrônica de Estudos do Discurso e do Corpo, [S.l.], v. 12, n. 2, out. 2017. ISSN 2316-1213. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/redisco/article/view/2386>. Acesso em: 23 out. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/redisco.v12i2.2386.
Seção
Artigos