Neurolinguística Discursiva: afasia como tradução(Discursive Neurolinguistics: aphasia as translation)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v6i2.1065

Palavras-chave:

Neurolingüística, Afasia, Dislexia, Transtorno do déficit de atenção, Práticas com a linguagem

Resumo

Este artigo apresenta parte do trajeto histórico da Neurolingüística Discursiva, retomando conceitos e práticas que articulam discurso com atividade constitutiva, cérebro com linguagem/trabalho. Os dados de linguagem produzidos em meio à visão discursiva e à reflexão acerca da afasia possibilitam por em destaque processos de significação que se interpõem na impossibilidade de dizer por meio de arranjos que selecionam e combinam palavras, o que faz fluir o discurso. Os dados mostram que sujeitos afásicos não dispõem, como antes, dos recursos expressivos para significar, mas experimentam na interlocução outros processos de significação que ajudam na tradução intra e inter-semiótica.
PALAVRAS-CHAVE: Neurolingüística. Afasia. Dislexia. Transtorno do déficit de atenção. Práticas com a linguagem.

ABSTRAC
This paper shows part of the historical course of Discursive Neurolinguistics, retaking concepts and practices that articulate discourse with constitutive activity, brain with language and work. A discursive point of view enabled us to show up specific processes in aphasic language that affect the speech flow. The data show that aphasics subjects do not have, as before, the expressive resources to mean, but use other ways and the experience in other processes to help them in the translation meaning intra-and inter-semiotics.
KEYWORDS: Neurolinguistic. Aphasia. Dyslexia. Attention-deficit hyperactivity disorder. Language practices.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Irma Hadler Coudry, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/Brasil)

Maria Irma Hadler Coudry é doutora em Linguística e Livre- docente pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Fez estágio clínico na Universidade Livre de Bruxelas (1982 e 1984) e pós-doutorado na Universidade de Newcastle, Inglaterra (1993/1994). É professora da graduação dos cursos de Letras, Linguística e Fonoaudiologia e do Programa de Pós-Graduação em Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem, da Unicamp. É líder do Grupo de Pesquisa Projeto Integrado em Neurolinguística: elaboração de banco de dados e de protocolos de avaliação (Unicamp/CNPq). Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Neurolinguística, atuando principalmente na relação entre linguagem, cérebro e mente voltada para o estudo da afasia, sob uma visão discursiva, bem como de outras patologias e supostas patologias em que a linguagem está concernida: demência de Alzheimer, dislexia, dificuldade de aprendizagem.

Referências

BENVENISTE, E. Problèmes de Linguistique Générale. Paris: Guillimard, 1970. Edição original: 1966.
COUDRY, M. I. H. Diário de Narciso: discurso e afasia. Análise de interlocuções com afásicos. 1986. [s.p] Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1986.
_______. Diário de Narciso: discurso e afasia. São Paulo: Martins Fontes, 1988.
_______. Processos Enunciativo-Discursivos e Patologia da Linguagem: algumas questões linguístico-cognitivas. Cadernos do CEDES, Campinas, v. 24, p. 66-78, 1991.
_______. O que é dado em Neurolinguística?. In: CASTRO, M.F.P. (Org.). O método e o dado no estudo da linguagem. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996. p. 179-194.
_______. A linguagem em funcionamento na afasia. Letras de Hoje, Porto Alegre, v.36, n. 3, p. 449-455, 2001.
_______. Linguagem e afasia: uma abordagem discursiva da Neurolinguística. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 42, n. 42, p. 99-129, 2002.
_______. Projeto Integrado em Neurolinguística: avaliação e banco de dados. Campinas: Unicamp, 2006.
_______. ; POSSENTI, S. Avaliar discursos patológicos. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, n. 5, p. 99-109, 1983.
_______. ; FREIRE, F. M. P. O trabalho do cérebro e da linguagem: a vida e a sala de aula. Campinas: Editora da UNICAMP, 2005.
_______. Processos de significação no estudo discursivo da afasia. In: II CONGRESSO BRASILEIRO DE COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA ISAAC, 2., 2007. Campinas. Anais... Campinas : UNICAMP, 2007. CD.
_______. ; FREIRE, F. M. P.; GOMES, T. M. Sem falar, escrever e ler e ainda sujeito da linguagem. Estudos Linguísticos. São Carlos, n. XXXV, p. 1375-1384., 2006.
FOUCAULT, M. A Arqueologia do saber. Tradução de Luis Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1986. Edição original: 1969.
FRANCHI, C. Linguagem – Atividade Constitutiva. Cadernos de Estudos Linguísticos. Campinas, n. 22, 1992, p. 9-39. Texto original: 1977.
FREUD, S. A interpretação das afasias. Tradução de Ramón Alcalde. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1973. Edição original, 1891.
_______. Sobre a psicopatologia da vida cotidina. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Imago, 1969. Edição original 1901.
_______. Carta 52. In: ________. Publicações pré-psicanalíticas e esboços inéditos das obras completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1990. p. 324-331, 1990. Edição original: 1886-1989.
GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.
GOLDSTEIN, K. Language and Language Disturbances. New York: Grune & Stratton, 1948.
GOMES, T. M. Quatro estudos de afasia e um sujeito da linguagem: um estudo neurolinguístico. 2007. 161 p. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.
ISHARA, C. A-FA-SI-A: Um sujeito em cena. 2008. 114 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.
JACKSON, H. On the nature of the duality of the brain. Medical Press and Circular, Ottawa, v. 1, ns. 19, 41 e 63, 1915. Edição original: Brain, v. 38, ns. 80-86; 87-95; 96-103 , 1874.
JAKOBSON, R. A afasia como um problema linguístico. In: Lemle M.; e Leite, Y. (Org.). Novas Perspectivas Linguísticas. Petrópolis: Vozes, 1970. p.43-54. Edição original 1955.
_______. Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia. In: _______. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1975. p. 34-62. Edição original: 1956.
_______. Aspectos Linguísticos da tradução. In: _______. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1975. p. 63-72. Edição original: 1956.
LURIA, A. R. Neuropsychological Studies in Aphasia. Amsterdam: Swets & Zeitlinger B.V, 1977.
_______. Fundamentos de neuropsicologia. São Paulo: Edusp, 1981. Edição Original: 1970.
MAINGUENEAU, D. Novas Tendências em Análise do Discurso. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989.
MORATO, E. M. et al. Sobre as afasias e os afásicos - subsídios teóricos e práticos elaborados pelo Centro de Convivência de Afásicos (Universidade Estadual de Campinas). Campinas: Unicamp, 2002.
OSAKABE, H. Argumentação e discurso político. São Paulo: Kairós, 1979.
_______. Considerações em torno do acesso ao mundo da escrita. In: Zilberman, R. (Org.). Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982. p. 147-152.
POSSENTI, S. Discurso, estilo e subjetividade. 1986. [s.p]. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1986.
_______. Discurso, estilo e subjetividade. São Paulo: Martins Fontes, 1988.
_______. Aprender a escrever (re)escrevendo. Campinas: Editora da UNICAMP, 2005.
SAMPAIO, N. F. S. Uma Abordagem Sociolinguistica da Afasia: O Centro de Convivência de Afásicos (Unicamp) como uma Comunidade de Fala em Foco. 2006. 175 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

Downloads

Publicado

2008-12-30

Como Citar

COUDRY, M. I. H. Neurolinguística Discursiva: afasia como tradução(Discursive Neurolinguistics: aphasia as translation). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 6, n. 2, p. 7-36, 2008. DOI: 10.22481/el.v6i2.1065. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1065. Acesso em: 17 set. 2021.