Em torno de sujeitos e de olhares (The relationship between aphasic subjects' linguistic interchanges and children in the process of acquiring written language)

Autores

  • Maria Bernadete Marques Abaurre Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/Brasil)
  • Maria Irma Hadler Coudry Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/Brasil) http://orcid.org/0000-0003-2724-1608

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v6i2.1071

Palavras-chave:

Linguagem de afásicos, Primeiras escritas de crianças, Estilo “telegráfico”, Linguagem interna, Operações epilingüísticas, Processos intermediários de significação

Resumo

Discutem-se, neste texto, alguns episódios significativos para a compreensão da relação que estabelecem com a linguagem tanto os afásicos em situação de reconstrução dessa linguagem, como as crianças em fase de aquisição da sua representação escrita. Argumenta-se que nessas produções, para além do estilo “telegráfico” que parece caracterizar algumas delas, devem-se reconhecer indícios de procedimentos de significação intermediários que constituem momentos cruciais do processo de (re)elaboração lingüística tanto dos afásicos como das crianças.
PALAVRAS-CHAVE: Linguagem de afásicos. Primeiras escritas de crianças. Estilo “telegráfico”. Linguagem interna. Operações epilingüísticas. Processos intermediários de significação.

ABSTRACT
This paper discusses meaningful events that can help understand the relationship between the linguistic behavior of aphasic subjects in the process of recovering language and of children in the process of acquiring written language. We argue that both kinds of linguistic productions reveal more than what, at first sight, might be considered a "telegraphic style". What these kinds of productions exemplify are in fact intermediate signifying procedures that represent crucial moments of linguistic (re)elaboration in aphasic and in children language as well.
KEYWORDS: Aphasic language. Children writings. “Telegraph style”. Internal language. Epilinguistic operations. Intermediate signification procedures.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Bernadete Marques Abaurre, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/Brasil)

Maria Bernadete Marques Abaurre é doutora em Linguística, PhD Linguistics, State University of New York (1979). Atualmente, é professora titular de Fonética e Fonologia da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Teoria e Análise Linguística (Teoria Fonológica), atuando principalmente nos seguintes temas: fonologia do português, interface fonologia/sintaxe, prosódia, aquisição da linguagem escrita, paradigma indiciário e dados singulares.

Maria Irma Hadler Coudry, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/Brasil)

Maria Irma Hadler Coudry é doutora em Linguística e Livre-docente pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Fez estágio clínico na Universidade Livre de Bruxelas (1982 e 1984) e pós-doutorado na Universidade de Newcastle, Inglaterra (1993/1994). É professora da graduação dos cursos de Letras, Linguística e Fonoaudiologia e do Programa de Pós-Graduação em Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem, da Unicamp. É líder do Grupo de Pesquisa Projeto Integrado em Neurolinguística: elaboração de banco de dados e de protocolos de avaliação (Unicamp/CNPq). Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Neurolinguística, atuando principalmente na relação entre linguagem, cérebro e mente voltada para o estudo da afasia, sob uma visão discursiva, bem como de outras patologias e supostas patologias em que a linguagem está concernida: demência de Alzheimer, dislexia, dificuldade de
aprendizagem.

Referências

ABAURRE, M. B. M. Os estudos linguísticos e a aquisição da escrita. In: CASTRO, M. F. P. (Org.). O método e o dado no estudo da linguagem. Campinas: Editora da Unicamp, 1996, p. 111-163.
______. Indícios das primeiras operações de reelaboração nos textos infantis. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. XXIII, n. 1, p.367- 372, 1994.
______. Explorando os limites da sistematicidade: indícios da emergência de traços estilísticos na escrita infantil. Estudos Linguísticos, Ribeirão Preto, v. XXII, n.1, p. 196-201, 1993.
______; FIAD, R. S; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. (Orgs.). Estilo e gênero na aquisição da escrita. Campinas: Editora Komedi. 2003.
______; FIAD, R. S; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. (Orgs.). Cenas de aquisição da escrita. Campinas: Editora Mercado de Letras, 1997.
______; FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. Projeto de pesquisa a relevância teórica dos dados singulares no processo de aquisição da linguagem escrita. (impresso). 1992.
______; FIAD, R. S; MAYRINK-SABINSON, M. L. T.; GERALDI, J. W. Considerações sobre a utilização de um paradigma indiciário na análise de episódios de refacção textual. Trabalhos de Linguística Aplicada,
Campinas v. 25. p. 5-23, 1995a.
______; FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. & GERALDI, J. W. O caráter singular das operações de refacção nos textos representativos do início da aquisição da escrita.. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. XXIV, p. 76-83. 1995b.
BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec. 1984. Edição Original: 1929.
CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 1995.
CARON, M. F. As relações da escola com a sociedade nos processos de diagnosticar/avaliar. 2000. 147 p. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.
______. Os selos da exclusão: efeitos de poder do psicodiagnóstico. 2004. [s.f]. Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.
COUDRY, Maria Irma Hadler. (1986) Diário de Narciso. Discurso e afasia: análise discursiva de interlocuções com afásicos. São Paulo: Martins Fontes, 1988.
______. O que é dado em Neurolinguística?. In: CASTRO, M. F. P. (Org.). O método e o dado no estudo da linguagem. Campinas: Editora da Unicamp. p. 179-194. 1996. Original 1991.
______. Linguagem e afasia: uma abordagem discursiva da Neurolinguística. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 42, p. 99-129, 2002.
______. Relatório de Pesquisa do Projeto Integrado em Neurolinguística: avaliação e banco de dados (impresso). 2003
______.; FREIRE, F. M. P. A linguagem computacional Logo no contexto patológico. In: BENEVIDES F., PICCARONE DAHER M.L.C.; BURSZTYN, C.S. (Orgs.). A tecnologia informática na Fonaudiologia.
São Paulo: Plexus. 1998, p. 78-96.
______.; GREGOLIN. Poder fazer e (não) poder dizer. Letras, Curitiba, v. 57, p. 211-227, 2002.
______.; MAYRINK-SABINSON, M.L. Pobrema e dificulidade. In: ALBANO, E.C. et al (Orgs.) Saudades da língua: a linguística e os 25 anos do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp Campinas: Mercado de Letras, 2003.
CULIOLI, A., FUCHS, C., e PÊCHEUX, M. Considérations théoriques à propos du traitement formel du langage. Document de Linguistique Quantitative, 7. ed. Paris: Dunod. 1970.
DE LEMOS, C. T. Interactional Processes in Child’s Construction of Language. In: DEUTSCH, W. (Org.). The child’s construction of language. Londres: Academic Press, 1981, p 57-76.
______. Sobre a aquisição da linguagem e seu dilema (pecado) original. Boletim da ABRALIN, 3. p. 97-136. 1982a.
______. La Specularità come Processo Costitutivo nel Dialogo e nell’Acquisizione del Linguaggio. In: CAMAIONI, L. (Org.). La teoria de Jean Piaget. Firenze: Giunti-Barbera, p. 64-74, 1982b.
______. Teorias da diferença e teorias do déficit: reflexões sobre programas de pré-escola e alfabetização. In: SEMINÁRIO MULTIDISCIPLINAR DE ALFABETIZAÇÃO NO BRASIL, 6, 1983. Brasília. Anais... Brasília: INEP, 1984.
______. A sintaxe no espelho. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 10, p. 5-15, 1986.
FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Los sistemas de escritura em el desarrollo del niño. Cidade do México: Siglo Veintiuno Editores, 1970.
FOUCAULT, M. Doença mental e psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1961.
______. L’Ordre du discours. Paris: Gallimard, 1971.
FRANCHI, C. Linguagem - Atividade Constitutiva. Almanaque, São Paulo, n. 5. p. 9-27, 1977.
______. Reflexões sobre a hipótese da modularidade da mente. Boletim da ABRALIN, v. 8, p. 17-35, 1986.
______. Criatividade e gramática. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 9, p. 5-45. 1987.
FREUD, S. La afasia. Buenos Aires: Nueva Visión, 1993. Edição Original: 1891.
GERALDI, J. W. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1990.
GINZBURG, C. Mitti Emblemi Spie: morfologia e storia. Torino: Einaudi. Tradução Brasileira: Mitos Emblemas Sinais: Morfologia e História. F. Carotti (trad.). São Paulo: Companhia das Letras, 1986.
______. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
GREGOLIN GUINDASTE, Reny Maria . O agramatismo: um estudo de caso em português. 1996. 322 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de
Campinas, Campinas, 1996.
JAKOBSON, R. Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia. In: Linguística e Comunicação. São Paulo: Cultrix, 1969, p. 34-62. Edição Original: 1956.
______. A afasia como um problema linguístico. In: COELHO, M. LEMLE, M. LEITE, Y. (Orgs.) Novas perspectivas linguísticas. Petrópolis: Vozes. 1970, p. 43-54. Edição Original: 1956.
LURIA, A.R. Basic problems of Neurolinguistics. The Hague: Mouton. 1976.
______. Neuropsychological studies in aphasia, Amsterdam: Swets & Zeitlinger. 1977.
PEIRCE, C. S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva. 1977.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 1988. Edição Original: 1930.

Downloads

Publicado

2008-12-30

Como Citar

ABAURRE, M. B. M.; COUDRY, M. I. H. Em torno de sujeitos e de olhares (The relationship between aphasic subjects’ linguistic interchanges and children in the process of acquiring written language). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 6, n. 2, p. 171-191, 2008. DOI: 10.22481/el.v6i2.1071. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1071. Acesso em: 20 out. 2021.