A morfologia de flexão no Português do Brasil: ensaio sobre um discurso de “perda” (Inflectional Morfology in Brazilian Portuguese: essay on a discourse of loss)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v8i1.1116

Palavras-chave:

Morfologia, Flexão Verbal, Mudança Linguística, Português do Brasil

Resumo

As primeiras obras de reflexão gramatical sobre o português falado no Brasil estão permeadas por dois discursos fundamentais que se entrecruzam e se retroalimentam: de um lado, o discurso da identidade nacional brasileira, marcado pelo peso das relações simbólicas entre o Brasil “culto” e o Brasil “popular”; de outro, o discurso naturalista, marcado pelo peso da visão do percurso orgânico de nascimento, apogeu e decadência das línguas. Neste artigo, iremos explorar essas duas vertentes no texto de duas obras importantes da reflexão linguística do início do século XX (Melo, 1946; Silva Neto, 1950), concentrando-nos em suas exposições sobre o problema da “erosão do paradigma flexional”. Propomos que, na elaboração de descrições e teorias sobre este aspecto das falas brasileiras, tais obras expressam os dois discursos acima mencionados. Essa expressão se concretiza na composição do discurso sobre o paradigma flexional, pontuado por termos como “redução”, “falta”, “empobrecimento”. Iremos propor que esse discurso remete à incorporação do paradigma schleicheriano segundo o qual a “perda” da morfologia flexional é um dos fatos principais a revelar o destino de decadência e empobrecimento das línguas no tempo. Por fim, examinaremos as relações entre essa visão sobre o destino das línguas e o caso específico brasileiro, remetendo a interpretação da “perda” da morfologia de flexão à interpretação de um estágio de decadência da sociedade, relação que se explicita, sobretudo, pela remissão dos autores ao contato do português com populações de origem “primitiva”.
PALAVRAS-CHAVE : Morfologia. Flexão Verbal. Mudança Linguística. Português do Brasil.

ABSTRACT
The early debate on the grammar of Portuguese spoken in Brazil is marked by two interweaving lines of discourse: the discourse on Brazilian national identity (in which the "popular" and the "cultivated" present great symbolic weight) and the naturalist discourse on the organic path of language birth, growth and decadence. In this paper we shall examine those two lines of discourse in two important examples of mid-XX century work on Brazilian Portuguese (Melo, 1946; Silva Neto, 1950), in particular where the "erosion of morphological paradigms" is concerned. We propose that the descriptions and theories brought by these authors express the abovementioned discourses, as can be examined in the composition of the expositions based on terms such as "reduction", "absence", "loss". This discourse is related to the incorporation of the schleicherian paradigm according to which the "loss" of flexional morphology is one of the most important signs of the decadence of a language in historical times. Finally, we shall examine the relations between this vision of language decadence and the particular case of Brazilian Portuguese, claiming that the interpretation of the "loss" of morphology is connected to an interpretation of a critical stage of decadence in the Brazilian society, which is explicitated when the authors discuss the contact of Portuguese with "primitive" peoples.
KEYWORDS: Morphology. Verbal Inflection. Linguistic Change. Brazilian Portuguese.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Clara Paixão de Sousa, Universidade de São Paulo (Usp/Brasil)

Maria Clara Paixão de Sousa é Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora da Universidade de São Paulo (USP), junto ao Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), e colaboradora do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (IEL/Unicamp) desde 2005. Sua área de pesquisa central é a Teoria e Análise Linguística, com ênfase em estudos da Mudança Gramatical. Seu projeto de pesquisa, “A Língua Portuguesa,1400 - 1600: Aspectos de História e Gramática”, pretende descrever o português escrito entre 1400 e 1600 com o objetivo de compreender a mudança linguística que origina o Português Brasileiro, e envolve três vertentes de trabalho: pesquisa de fontes e metodologias para o estudo da história da Língua Portuguesa; descrição e análise gramatical; reflexão sobre os condicionantes formais e históricos da mudança diacrônica, aspirando à compreensão teórica sobre a mudança gramatical refletida na língua representada pela escrita. Participa também de projetos voltados à digitalização de textos antigos e ao campo do processamento automático da linguagem, âmbitos relevantes para a vertente documental e metodológica das pesquisas históricas.

Referências

CAMARA Jr., Joaquim Mattoso. Línguas européias de ultramar: o português do Brasil. In: CAMARA Jr., J. M. Dispersos. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1972. p. 71-87.
COELHO, Adolpho. Estudos para a história dos contos tradicionais. Revista de Etnologia e Glotologia, n. 1, p. 108-144, 1880.
ELIA, Silvio. A unidade linguística do Brasil: condicionamentos geoeconômicos. Rio de Janeiro: Padrão, 1979.
GUY, Gregory. On the nature and origins of Popular Brazilian Portuguese. In: _____. Estudos sobre el Español de América y Linguística Afroamericana. Bogotá: Instituto Caro e Cuervom, 1989. p. 227-245.
HOLM, John. Creole influence on Popular Brazilian Portuguese. In: GILBERT, G. (Ed.). Pidgin and Creole Languages. Honolulu: University of the Hawaii Press, 1987, p. 406-429.
LEITE, Marli Q. Metalinguagem e discurso: a configuração do purismo brasileiro. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 1999.
LUCCHESI, Dante. As duas grandes vertentes da história sociolinguística do Brasil. D.E.L.T.A. São Paulo, v. 17, n. 1, p. 97-130, 2001.
MAHER, Peter J. Introduction. In: Körner, E. F. K. (Ed.). Linguistics and evolutionary theory: Three essays. Amsterdam: J. Benjamins, 1983, p. xvii-xxxii.
MELO, Gladstone Chaves de. A Língua do Brasil. 3a Edição. Rio de Janeiro: FGV, 1975. Edição original: 1946.
PAGOTTO, Emílio G. Norma e condescendência: ciência e pureza. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, v. 2, p. 49- 68, 1998.
PAUL, Hermann. Princípios fundamentais da história da língua. Lisboa: Fundação C. Gulbenkian, 1966. Edição Original: 1909.
SCHLEICHER, August. The darwinian theory and the Science of Language. In: Koerner, E. F. (Ed.). Linguistics and Evolutionary Theory: three essays. Amsterdam: John Benjamins, 1983, p. 1-69. Edição
original: 1863
SCHLEICHER, August. On the significance of language to the Natural History of Man. In: Koerner, E. F. (Ed.). Linguistics and Evolutionary Theory: three essays. Amsterdam: John Benjamins, 1983, p. 33-69. Edição original: 1865.
SILVA NETO, Serafim. Introdução ao estudo da língua portuguesa no Brasil. 3a Edição. Rio de Janeiro: Presença, 1976. Edição original :1950.
TORRES-MORAIS, Maria Aparecida C.R.. D.E.L.T.A. São Paulo, v. 17, n. 1, p. 155-168, 2001.

Downloads

Publicado

2010-06-30

Como Citar

PAIXÃO DE SOUSA, M. C. A morfologia de flexão no Português do Brasil: ensaio sobre um discurso de “perda” (Inflectional Morfology in Brazilian Portuguese: essay on a discourse of loss). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 8, n. 1, p. 83-122, 2010. DOI: 10.22481/el.v8i1.1116. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1116. Acesso em: 27 set. 2021.