A escrita do traumático (The writing of the traumatic)

Autores

  • Diego Antonello Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO/Brasil)
  • Jô Gondar Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO/Brasil)

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v11i1.1219

Palavras-chave:

Escrita, Memória, Trauma, Psicanálise

Resumo

Neste artigo pretendemos examinar, à luz de uma discussão sobre trauma e memória na psicanálise, o aspecto paradoxal da literatura de testemunho: aquele que trata, a despeito de toda impossibilidade, da necessidade de escrever. Para tanto, realizamos uma releitura da Vivência de Dor, elaborada por Freud em 1895, onde buscamos mostrar que o ego pode utilizar a repetição da dor em seu favor. Utilizamos, também, o conceito de iterabilidade, proposto por Derrida, que confere à escrita a capacidade de produzir repetições que instauram uma diferença, sempre levando em conta a alteridade. A partir disso, é possível compreender a escrita testemunhal como um artifício usado pelo ego para se assenhorear da energia não dominada proveniente do evento traumático.
PALAVRAS-CHAVE: Escrita. Memória. Trauma. Psicanálise.

ABSTRACT
This paper intends to discuss through an approach of trauma and memory in psychoanalysis, the paradoxical aspect of the literature of testemony: even when it is impossible, there is a need to write. Therefore, we performed a reinterpretation of the experience of pain elaborated by Freud in 1895, where we intend to show that the Ego can use the recurrence of pain in its favor. We also use the concept of iterability, proposed by Derrida, which gives the ability to produce repetitions espousing a difference to the writing, always taking into account the otherness. From this it is possible to understand the written testimony as a device used by the Ego to take possession of non-dominated energy from the traumatic event.
KEYWORDS: Writing. Memory. Trauma. Psychoanalysis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Antonello, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO/Brasil)

Diego Antonello é psicanalista e doutorando do Programa de Pós-Gradução em Memória Social da UNIRIO.

Jô Gondar, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO/Brasil)

Jô Gondar é psicanalista (CPRJ) e professora associada do Programa de Pós-Gradução em Memória Social da UNIRIO.

Referências

ADORNO, T. W. Minima Moralia: reflexões a partir da vida lesada. Rio de Janeiro: Azougue, 2008.
BENJAMIN, W. Experiência e pobreza. In Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994. Edição original: 1933.
BOTELLA, C.; BOTTELA, S. Irrepresentável: mais além da representação. Porto Alegre: Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul/Criação Humana, 2002.
CAYROL, J. Les corps Étrangers. Paris: U.G.U, 1964.
DERRIDA, J. Limited Inc. Trad. Constança Marcondes Cesar. Campinas, SP: Papirus, 1991.
DERRIDA, J. Freud e a cena da escritura. In: A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 1995. p. 179-226. Edição original: 1967.
DERRIDA, J. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 2005. Edição original: 1968.
FREUD, S. Projeto para uma psicologia científica. In: _____. Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud . v. 1. Rio de Janeiro: Ed. Imago, 1996. p. 335- 454. Edição original: 1895.
FREUD, S. Carta 52. In: _____. Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 1. Rio de Janeiro: Ed. Imago, 1996. p. 281-287. Edição original: 1896.
FREUD, S. Além do princípio do prazer. In: _____. Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud [ESB]. v. 18. Rio de Janeiro: Ed. Imago, 1996. p. 13-78. Edição original: 1920.
FREUD, S. Construções em análise. In: _____. Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud [ESB]. v. 18. 1996. p. 291-308. Edição original: 1937.
LEVI, P. Os afogados e os sobreviventes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990. Edição original: 1986.
LEVI, P. Si c’est um homme? Paris: Julliard, 1987. Edição original: 1947.
SEMPRUN, J. A escrita ou a vida. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
CARDOSO, M. R; GASPAR, F. L.; LORENZUTTI, P. S. Trauma e representação: estudo de um caso clínico. In: CARDOSO, M. R. (Org). Adolescentes. São Paulo: Escuta, 2006. p. 147-156.
ROLLAND, J-C. Un homme torture: Tito de Alencar. Nouvelle revue de psychanalyse, Paris: Éditions Gallimard, n. 33, p. 223-234, 1986.
TELLIER, A. Expériences traumatiques et écriture. Paris: Anthropos, 1998.

Downloads

Publicado

2013-06-30

Como Citar

ANTONELLO, D.; GONDAR, J. A escrita do traumático (The writing of the traumatic). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 11, n. 1, p. 165-185, 2013. DOI: 10.22481/el.v11i1.1219. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1219. Acesso em: 27 nov. 2021.