O Cinismo como prática ideológica (The Cynicism as ideological practice)

Autores

  • Lauro José Siqueira Baldini Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/Brasil)
  • Patrícia Leal Di Nizo Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/Brasil) http://orcid.org/0000-0002-3836-7110

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v13i2.1305

Palavras-chave:

Análise de Discurso, Cinismo, Ideologia, Inconsciente

Resumo

Procuramos articular neste artigo algumas considerações sobre o que chamamos de uma tomada de posição desengajada, ou de uma subjetivação parodiada, ou, para sermos mais diretos, um engajamento subjetivo de ordem cínica. Interessa-nos aqui pensar os processos de subjetivação contemporâneos: investir na sutileza que distingue o cinismo enquanto prática de resistência ao poder do cinismo enquanto prática provinda do poder para desfazer qualquer arma crítica, uma vez que já incorpora a própria crítica que poderia ser feita.
PALAVRAS-CHAVE: Análise de Discurso. Cinismo. Ideologia. Inconsciente.

ABSTRACT
In this paper, we try to articulate some thoughts on what we have called previously a disengaged position, or a parody subjectivity, or, to be more direct, a cynical subjective engagement. What interests us here is to think contemporary subjectivation processes: we invest in the subtle line that distinguishes cynicism as a practice of resistance to the power from cynicism while practice aligned to the power to undo any critical weapon, as it already incorporates the very criticism that could be made.
KEY-WORDS: Discourse Analysis. Cynicism;.Ideology. Unconscious.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lauro José Siqueira Baldini, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/Brasil)

Lauro José Siqueira Baldini é professor-doutor do Departamento de Linguística do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da UNICAMP. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Análise de Discurso, trabalhando na articulação entre esta disciplina e os campos do materialismo histórico e da psicanálise. Líder do Grupo de Pesquisa CNPq PHIM (Projeto História, Inconsciente, Materialidades). É membro fundador do Centro de Pesquisa PoEHMas (Política, Enunciação, História, Materialidades, Sexualidades), pesquisador do Centro de Pesquisa Outrarte (Estudos entre arte e psicanálise), e pesquisador dos Grupos de Pesquisa "Teoria do Discurso", "Mulheres em Discurso" e "História das Ideias Linguísticas".

Patrícia Leal Di Nizo, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp/Brasil)

Patrícia Leal Di Nizo é doutoranda em Linguística no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da UNICAMP, desenvolvendo um estudo que consiste em examinar a questão do cinismo nos processos de subjetivação contemporâneos, de maneira a levantar questões sobre o modo como as relações entre sujeito e sentido são pensadas usualmente na Análise de Discurso. Possui mestrado em Linguística Aplicada – Francês Língua Estrangeira (FLE) pela Universidade Paris-Sorbonne (2010). Possui graduação em Letras Modernas pela mesma universidade (2009), em Estudos Teatrais pela Universidade Sorbonne Nouvelle (2007) e em Comunicação Social – Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1998).

Referências

ADORNO, T. W. Fernsehen als Ideologie. Kulturkritik und Gesellschaft II. Frankfurt: Suhrkamp, 2003.
ALTHUSSER, L. Marxismo, ciência e ideologia. In: DOMERGUE, R. Marxismo segundo Althusser, p. 10-55. Lisboa: Sinal, 1965.
______. For Marx. Translated by Ben Brewster. London: Verso, 2005. Edição original: 1965.
______. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Trad. J.J. Moura Ramos. Lisboa: Presença/Martins Fontes, 1974. Edição original: 1970.
FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 13a ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999. Edição original: 1988.
GOLDENBERG, R. No Círculo Cínico ou Caro Lacan, por que negar a Psicanálise aos canalhas? Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.
KEHL, M. R., BUCCI, E. Videologias. São Paulo: Boitempo, 2005.
LEBRUN, J. P. A perversão comum: viver juntos sem o outro. Rio de Janeiro: Companhia de Freud editora, 2008.
MANNONI, O. Eu sei, mas mesmo assim... Chaves para o Imaginário. Petrópolis: Vozes, 1973. Edição original: 1969.
MARIANI, B. (2014) Uma proposta de arquivo sobre o sujeito da cidade do Rio de Janeiro. In: CABRAL, A.; FARBIARZ, A.; TAVARES, D. Pesquisas em mídia e cotidiano. Rio de Janeiro: EDUFF e Rio Bookks, 2014.
MIGEOT, F. (Dé)négation, déni; névrose et perversion dans Les liaisons dangereuses (Laclos). Négation, dénégation, Annales Littéraires de l’Université de Besançon, v. 22, 1993.
ORLANDI, E. P. O sujeito discursivo contemporâneo: um exemplo. In: INDURSKY, F., LEANDRO FERREIRA, M. C. Análise de discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz, 2007.
______. Destruição e construção do sentido: um estudo da ironia. Web-Revista DISCURSIVIDADE. Campo Grande: CEPAD/UEMS, n° 09, p. 1-42, jan./maio, 2012. Disponível em <http://www.discursividade.cepad.net.br/atual/Arquivos/eniorlandi.pdf>. Acesso em 1 jan. 2013.
PÊCHEUX, M. (1975) Semântica e Discurso – uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.
______. Só há causa daquilo que falha ou o inverno político francês: início de uma retificação. In:_____ PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso – uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 1988. Edição original: 1978.
______. Delimitações, Inversões, Deslocamentos. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas: Unicamp/IEL v. 19, p. 7-24, 1990. Edição original: 1982.
______. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. E. P. Orlandi. 6a ed. Campinas: Pontes, 2012. Edição original: 1988.
SAFATLE, V. Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo, 2008.
______. Sobre um riso que não reconcilia: notas a respeito da “ideologia da ironização”. A Parte Rei, 55, p. 1-13, 2008b. Disponível em <http://serbal.pntic.mec.es/~cmunoz11/safatle55.pdf>. Acesso em 12 março 2015.
SLOTERDIJK, P. Crítica da razão cínica. São Paulo: Estação Liberdade, 2012. Edição original: 1983.
ŽIŽEK, S. (1989) Como Marx inventou o sintoma? In: ŽIŽEK, S. Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
______. Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. São Paulo: Zahar, 1992. Edição original: 1990.
_____. “Eu sou estúpido e maldoso”: Žižek esclarece sua posição sobre o “Je suis Charlie”. Blog da Boitempo Editorial. Disponível em <http://blogdaboitempo.com.br/2015/02/16/eu-sou-estupido-e-maldoso-zizek-esclarece-sua-posicao-sobre-o-je-suis-charlie>. Acesso em 16 fev. 2015.
ZOPPI-FONTANA, M. G. Lugares de enunciação e discurso. II Congresso Internacional da ABRALIN, Fortaleza, Universidade Federal do Ceará/ABRALIN, 2001. In: Boletim da Associação Brasileira de Linguística. v. 1, p. 199-201. Fortaleza: ABRALIN/UFC, 2003.
______. SLOW SCIENCE: a temporalidade da ciência em ritmo de impacto. Leitura (UFAL), v. 50, p. 223-257, 2012. Disponível em <http://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/1156/791>. Acesso em 5 nov. 2014.

Downloads

Publicado

2015-12-30

Como Citar

BALDINI, L. J. S.; DI NIZO, P. L. O Cinismo como prática ideológica (The Cynicism as ideological practice). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 13, n. 2, p. 131-158, 2015. DOI: 10.22481/el.v13i2.1305. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1305. Acesso em: 9 dez. 2022.