A Carta Xingu vivo para sempre: o processo discursivo que legitima a representatividade política do porta-voz (The xingu vivo para sempre letter: the discursive process legitimating the political representativeness of the spokesperson)

Autores

  • Alessandro Nobre Galvão Universidade Federal do Pampa (Unipampa/Brasil) http://orcid.org/0000-0002-3394-5583
  • Fátima Cristina Costa Pessoa Universidade Federal do Pará (Ufpa/Brasil)

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v14i2.1316

Palavras-chave:

Discurso, Porta-voz, Subjetivação

Resumo

Este trabalho examina o processo discursivo que, na carta Xingu Vivo para Sempre, produz o efeito de legitimação da figura enunciativa do porta-voz dos povos da bacia do Xingu. Trata-se de dois movimentos relacionados ao uso do “nós” político: a construção de um lugar legítimo de representante dos povos da bacia e a produção de subjetividades pela prática discursiva do sujeito político. Nossa análise mobiliza categorias teóricas como as de acontecimento, memória e formação discursiva, inscritas no campo teórico da Análise do Discurso Francesa (AD), fundada por Michel Pêcheux e seus colaboradores em 69.
PALAVRAS-CHAVE: Discurso. Porta-voz. Subjetivação

ABSTRACT
This paper examines the discursive process that, in Xingu Vivo para Sempre letter, produce the legitimating effect of the enunciative figure of the spokesperson of peoples who live in the Xingu basin. This concerns two movements related to the use of the political "we": the construction of a legitimate place of representative of the peoples from basin and the production of subjectivities by the discursive practice of the political subject. Our analysis mobilizes theoretical categories such as event, spokesperson, memory and discursive formation, inscribed in the theoretical field of Discourse Analysis, founded by Michel Pêcheux and his collaborators in 69.
KEYWORDS: Discourse. Spokesperson. Subjectivation.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Nobre Galvão, Universidade Federal do Pampa (Unipampa/Brasil)

Alessandro Nobre Galvão é graduado em Letras - Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Pará (UFPA), onde também fez o Mestrado em Linguística. Atualmente, é doutorando do PPGL-UFPA, com período sanduíche na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS). É professor efetivo da UFPA desde 2009. Seu principal interesse de pesquisa reside no exame de discursos políticos de movimentos sociais à luz do quadro teórico da AD francesa peucheuxtiana. Desde 2016, é membro do grupo de pesquisa Estudos Pecheutianos da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA).

Fátima Cristina Costa Pessoa, Universidade Federal do Pará (Ufpa/Brasil)

Fátima Cristina da Costa Pessoa é Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004). Professora Associada do Instituto de Letras e Comunicação da Universidade Federal do Pará. Docente do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Pará.

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1983.
BENINCÁ, D. Energia e cidadania: a luta dos atingidos por barragens. São Paulo: Cortez, 2011.
HENRY, Paul. Os fundamentos teóricos da “Análise Automática do Discurso” de Michel Pêcheux. In: Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethânia S. Mariani et al. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. p. 311-318. Edição original: 1969.
PÊCHEUX, M. Delimitações, inversões, deslocamentos. Cadernos de estudos linguísticos, Campinas/SP, n 19, p. 7-24, 1990.
______. A Análise de Discurso: três épocas. In: Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethânia S. Mariani et al. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. p. 311-318. Edição original: 1969.
______. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4o ed. Campinas: EDUNICAMP, 2009. Edição original: 1975.
INDURSKY. F. A Fala dos quartéis e outras vozes. Campinas: EDUNICAMPI, 1997.
______. A função enunciativa do porta-voz no discurso sobre o MST. Revista do Programa de Pós-graduação em Letras neolatinas, UFRJ, Rio de Janeiro, Alea, V.2, p. 17-26, 2000.
ORLANDI, E. Terra à vista. Discurso do confronto: velho e novo mundo. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.
______. Análise do discurso. Princípios e procedimentos. 10a ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.
ZOPPI-FONTANA, M. Cidadãos modernos. Discurso e representação política. Campinas: Editora da Unicamp,1997.

Downloads

Como Citar

GALVÃO, A. N.; PESSOA, F. C. C. A Carta Xingu vivo para sempre: o processo discursivo que legitima a representatividade política do porta-voz (The xingu vivo para sempre letter: the discursive process legitimating the political representativeness of the spokesperson). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 14, n. 2, p. 97-108, 2016. DOI: 10.22481/el.v14i2.1316. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1316. Acesso em: 27 set. 2021.