Para além de rituais e costumes: o que podemos dizer sobre a noção de cultura em análise do discurso? (Beyond rituals and customs: what can we say about the notion of culture in discourse analysis?)

Autores

  • Thaís Valim Ramos Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs/Brasil)
  • Maria Cristina Leandro Ferreira Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs/Brasil)

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v14i2.1319

Palavras-chave:

Cultura, Ideologia, Inconsciente, Sentido, Interpelação

Resumo

Este artigo está centrado na relação entre as noções de ideologia, inconsciente e cultura. Objetiva-se dar um passo em direção à relação entre essas noções a fim de perceber as marcas que remetem à porosidade e à opacidade das práticas e rituais que fazem parte da cultura e que estão presentes no processo de interpelação do sujeito, produzindo ilusões que colocam o sujeito no centro e origem do que diz. Nesta direção, interessa-nos pensar sobre a possível interpelação do sujeito pela cultura, a qual relacionada à ideologia funciona naturalizando sentidos, criando efeitos de evidência e verdade.
PALAVRAS-CHAVE: Cultura. Ideologia. Inconsciente. Sentido. Interpelação.

ABSTRACT
This paper aims attention at the relationship among the notions of ideology, unconscious and culture. It is intended to take a step towards the correlation among these notions in order to realize the marks that refer to the porosity and opacity of the practices and rituals that are part of a culture and that are also present in the process of the interpellation of the subject, producing illusions that place the subject in the center and as the origin of what they say. In this sense, we are interested in thinking over the possible interpellation of the subject by the culture, which related to ideology works naturalizing senses, creating effects of evidence and truth.
KEYWORDS: Culture. Ideology. Unconscious. Sense. Interpellation.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Valim Ramos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs/Brasil)

Thaís Valim Ramos é doutoranda em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde atua na linha de pesquisa Análise Textuais e discursivas sob orientação da professora Doutora Maria Cristina Leandro Ferreira. É bolsista CNPq. Pesquisa temas relacionados à cultura no campo da análise do discurso. É membro do grupo de pesquisa Oficinas em AD: conceitos em movimento (UFRGS).

Maria Cristina Leandro Ferreira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs/Brasil)

Maria Cristina Leandro Ferreira é professora Titular do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Pós Doutora em Análise do Discurso pela Université de la Sourbonne Nouvelle, Paris 3 (2008); líder do grupo de pesquisa Oficinas em AD: conceitos em movimento, Editora da Organon, Revista do Instituto de Letras, organizadora do Seminário de Estudos em Análise do Discurso (SEAD), realizado em Porto Alegre, de 2003 a 2013. Autora de várias publicações, relacionando a Análise do Discurso com outras áreas e envolvendo a interface do discurso com as noções de corpo, cultura, arte e sujeito, predominantemente.

Referências

ALTHUSSER, L. Observação sobre uma categoria: “Processo sem sujeito nem fim(s)”. In: Posições –1. Rio de Janeiro: Graal, 1978. p. 66-7.
AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidade(s) Enunciativa(s). Cad. Est. Ling. No 19, Campinas, SP, p. 25-42, jul./dez. 1990.
CARVALHO, J. M. O motivo edênico no imaginário social brasileiro. In: RBCS. V. 13, n. 38, p. 63-79, 1998.
CORACINI. M. J. Língua estrangeira e língua materna: uma questão de sujeito e identidade. In: _____. (Org.). Identidade e discurso: (des)construindo subjetividades. Campinas: Editora da UNICAMP; Chapecó: Argos Editora Universitária, 2003. p. 139-195.
ESTEVES, P. M. S. O que se pode e se deve comer: uma leitura discursiva sobre o sujeito e alimentação nas enciclopédias brasileiras. Tese (doutorado em Linguística). Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense, 2014.
FERREIRA, M. L. F. O discurso do corpo. In MITTMANN, Solange; SANSERVERINO, Antônio Marcos (Org.). Trilhas da investigação: a pesquisa no I.L. em sua diversidade constitutiva. Porto Alegre, RS: Instituto de Letras/UFRGS, 2011. p. 89 – 105.
_____. Análise do discurso e suas interfaces: o lugar do sujeito na trama do discurso. Organon, Porto Alegre, v. 24. n. 48, p. 17-34, 2010.
_____. Da ambiguidade ao equívoco: a resistência da língua nos limites da sintaxe e do discurso. Porto Alegre, RS: Ed. Universidade/UFRGS, 2000.
FREUD, S. O estranho. In: _____. Obras Completas. Rio de Janeiro: Edição Standard Brasileira, 1976, p. 271-318.
LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 14a ed. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 2001.
MARIANI, B. S. C. Sujeito e discurso contemporâneos. In: In: INDURSKY, F.; LEANDRO- -FERREIRA, M.C.; MITTMANN, S. (Org.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Editora Claraluz, 2009. p. 43-53.
PÊCHEUX, M. O Discurso: estrutura ou acontecimento. 6a ed. Campinas, SP: Pontes, 2012. Edição original: 1983.
_____. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et al. 4.ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2009. Edição Original: 1975.
REVUZ, C. A língua estrangeira entre o desejo de um outro lugar e o risco do exílio. In: Língua(gem) e identidade. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2006. p. 213-230.
SANTOS, J. L. O que é cultura. 16a ed. São Paulo/SP: Ed brasiliense, 2010.

Downloads

Publicado

2016-12-30

Como Citar

RAMOS, T. V.; FERREIRA, M. C. L. Para além de rituais e costumes: o que podemos dizer sobre a noção de cultura em análise do discurso? (Beyond rituals and customs: what can we say about the notion of culture in discourse analysis?). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 14, n. 2, p. 139-154, 2016. DOI: 10.22481/el.v14i2.1319. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1319. Acesso em: 27 set. 2021.