A construção da paratopia em crônicas de Manuel Bandeira (The construction of paratopia in Manuel Bandeira’s chronicles)

Autores

Palavras-chave:

Análise do discurso; Paratopia. Crônica; Manuel Bandeira

Resumo

Nosso objetivo neste artigo é refletir sobre o conceito de paratopia e, a partir dele, analisar crônicas de Manuel Bandeira (MB). Trata-se de uma pesquisa mais ampla que investiga a produção em prosa do autor tomando por fundamentação teórica as reflexões da Análise do Discurso francesa sobre o discurso literário, em especial o quadro teórico proposto por Maingueneau (2006). O analista concebe a paratopia como um espaço paradoxal e adverte que só existe paratopia se integrada a um processo criador. Em nossa análise, abordamos aspectos ligados à construção de uma identidade criadora que pertence e não pertence à sociedade, as modalidades de paratopia elaboradas pela forma de o escritor MB inserir-se no espaço literário de sua época (o posicionamento modernista), a identificação do autor com os marginais e excluídos, com “personagens” paratópicas e também, o que seria o motor paratópico de sua obra (a doença e a fuga para Pasárgada).

Biografia do Autor

Jauranice Rodrigues Cavalcanti , Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM/Brasil)

Jauranice Rodrigues Cavalcanti é mestre em Letras pela USP, doutora em Linguística pela Unicamp. Fez pós-doutorado em Linguística na UNICAMP. É professora do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). É membro do Centro de Pesquisa FEsTA - Fórmulas e Estereótipos: Teoria e Análise, da Unicamp. Suas pesquisas concentram-se nas áreas de ensino de Língua Materna e Análise do Discurso.

Referências

ARRIGUCCI Jr., D. Humildade, paixão e morte: a poesia de Manuel Bandeira. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

COUTO, Ribeiro. De menino doente a Rei de Pasárgada. In: BRAYNER, Sônia, org. Manuel Bandeira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980. (Fortuna Crítica, 5).

BANDEIRA, Manuel. Itinerário de Pasárgada. In: Manuel Bandeira. Poesia completa e prosa. Volume único. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985.

BANDEIRA, Manuel. Crônicas da província do Brasil. São Paulo: Cosacnaify, 2006.

BANDEIRA, Manuel. Flauta de papel. Rio de Janeiro: editora Global, 2014.

BANDEIRA, Manuel. Andorinha, andorinha. Organização de Carlos Drummond de Andrade. 4. ed. São Paulo: Global, 2015.

HOLANDA, S. B. Trajetória de uma poesia. In: BANDEIRA, Manuel. Manuel Bandeira. Poesia completa e prosa. Volume único. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985.

MAINGUENEAU, D. O discurso literário. Trad. Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2006.

MAIGUENEAU, D. Os discursos constituintes. In: Cenas da Enunciação. Org. trad. Sírio Possenti e M. Cecília Pérez de Souza-e-Silva. São Paulo: Parábola, 2008.

MAINGUENEAU, D. Campo discursivo. A propósito do campo literário. Trad. Fernanda Mussalim. In: Doze conceitos em Análise do Discurso. Org. trad. Sírio Possenti e M. Cecília Pérez de Souza-e-Silva. São Paulo, Parábola editorial, 2010.

Downloads

Publicado

2020-11-30