Padrões de preposições em complementos locativos de verbos de movimento (Patterns of prepositions for locative complements of movement verbs)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v19i4.8616

Palavras-chave:

Preposição, Verbo de movimento, Português Brasileiro

Resumo

As preposições que regem complementos locativos de verbos de movimento no português brasileiro estão em variação, com efeitos de prescritivismo: a  para são consideradas formas bem avaliadas socialmente para este contexto, enquanto em é corrigida, direção que é evidenciada por estudos de natureza sociolinguística. A observação do comportamento variável destas preposições que, neste contexto, têm seu traço de significado característico neutralizado, configurando um domínio funcional variável com formas em competição em uma amostra de fala universitária mostra a força prescritivista. Dos 1041 contextos de ocorrências com complementos locativos de verbos de movimento, 71% é de para,  24% de em e 5% de . A análise por aprendizado supervisionado de máquina valida os traços controlados como variáveis nos estudos prévios. Este resultado reforça a importância de estudos de emergência de padrões linguísticos associados aos efeitos sociais, sinalizando o efeito da consciência sociolinguística na emergência da gramática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Gabrielle Costa Rodrigues, Universidade Federal de Sergipe (UFS/Brasil)

Fernanda Gabrielle Costa Rodrigues é mestre em Letras pela Universidade Federal de Sergipe.

Raquel Meister Ko. Freitag, Universidade Federal de Sergipe

Raquel Meister Ko. Freitag é doutora em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina. É professora do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal de Sergipe, onde atua no do Programa de Pós-Graduação em Letras e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Atualmente, estudo o processamento da variação linguística, observando pistas de atenção, reparos e emoções na fala e nos falantes.

Referências

ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática Metódica da Língua Portuguesa. 43. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

ASSIS, T. S. B. A regência variável dos verbos de movimento no português popular do interior do estado da Bahia. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal da Bahia, Instituto de Letras, Salvador, 2011.

BECHARA, E. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. revisada, ampliada e atualizada conforme o novo Acordo Ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

CÂMARA Jr., J. M. História e Estrutura da Língua Portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Padrão, [1976], 1985.

CASTILHO, A. T. Nova gramática do português brasileiro. 1. ed. 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2012

CUNHA, C. F.; CINTRA, L. Nova gramática do Português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

DIAS, A. E. S. Grammatica portuguêza elementar. 9ª ed. rev. Lisboa: A. Ferreira Machado, 1984.

DIAS, A. E. da S. Sintaxe Histórica do Português. Lisboa: Clássica, 1970.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira: Desatando alguns nós. São Paulo: Parábola, 2008.

FARIAS, J. Variação entre a, para e em no português brasileiro e no português europeu: algumas notas. Letras de Hoje. Porto Alegre. v. 41, nº 1, p. 213-234, março, 2006

FREITAG, R. M. K.; PINHEIRO, B. F. M. Modelo de árvore de inferência condicional para explicar usos linguísticos variáveis. In: CARVALHO, C.; LOPES, N. S.; RODRIGUES, A. T. Sociolinguística e Funcionalismo: vertentes e interfaces. Salvador: EDUNEB, 2020, p. 247-262.

FREITAG, R. M. K. et. al. Funções da língua, generalização e reprodutibilidade. Revista Abralin, v. 18, n. 1, p.1-25, 2021.

FREITAG, R. M. K. Reparos na leitura em voz alta como pistas de consciência sociolinguística. DELTA. Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, v. 36, p. 1-22, 2020.

FREITAG, R. M. K. Kappa statistic for judgment agreement in Sociolinguistics. Revista de Estudos da Linguagem, v. 27, p. 1591-1612, 2019.

FREITAG, R. M. K. O desenvolvimento da consciência sociolinguística e o sucesso no desempenho em leitura. ALFA: Revista de linguística, 2021.

FREITAG, R. M. K.; SEVERO, C. G.; ROST SNICHELOTTO, C. A.; TAVARES, M. A. Como os Brasileiros Acham que Falam? Percepções Sociolinguísticas de Universitários do Sul e do Nordeste. Revista todas as letras, v. 18, p. 64-84, 2016.

FREITAG, R. M. K. Uso, crença e atitudes na variação na primeira pessoa do plural no Português Brasileiro. DELTA. Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, v. 32, p. 889-917, 2016b.

FREITAG, R. M. K. Sociolinguística no/do Brasil. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 58, p. 445-460, 2016a.

HORNIK, K.; BUCHTA, C.; ZEILEIS, A. Open-source machine learning: R meets Weka. Computational Statistics, v. 24, n. 2, p. 225–232, 2009.

HOTHORN, T.; ZEILEIS, A.. partykit: A modular toolkit for recursive partytioning in R. The Journal of Machine Learning Research, v. 16, n. 1, p. 3905-3909, 2015.

KLEPPA, L. Preposições ligadas a verbos na fala de uma criança em processo de aquisição de linguagem – ou “Vamo de a pé no carro do vovô?” Campinas: IEL / Unicamp, dissertação de mestrado, 2005.

LUCCHESI, D. O conceito de transmissão linguística irregular e o processo de formação do português do Brasil. In: RONCARATI, Cl.; ABRAÇADO, J. (Org.). Português brasileiro: contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2003.

MOLLICA, M. C. M. A regência variável do verbo ir de movimento. In: SILVA, G. M. O.; SCHERRE, M. M. P. (org.) Padrões sociolingüísticos: análise de fenômenos variáveis do português falado no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 149-167.

PEREIRA, E. C. Grammatica Historica. São Paulo e Rio de Janeiro: Weiszflog Irmãos, 1916.

POGGIO, R. M. G. F. Processos de Gramaticalização de Preposições do Latim ao Português: uma abordagem funcionalista. Salvador: EdUFBA, 2002.

PONTES. E. Espaço e Tempo na Língua Portuguesa. Campinas, SP: Pontes, 1992.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria, 2021. Disponível em: <https://www.r-project.org/>. Acesso em: 06 jan. 2021.

RIBEIRO, A. J. C. R. Um caso de uso variável de preposições na chamada fala culta carioca: a regência do verbo Ir de predicação incompleta. Dissertação de Mestrado. UFRJ, Rio de Janeiro, 1996.

RIBEIRO, C. C. S. Deslocamento geográfico e padrões de uso linguístico: a variação entre as preposições em ~ ni na comunidade de práticas da Universidade Federal de Sergipe. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Sergipe, 2019.

ROCHA LIMA, C. H. da. Sobre o sincretismo de a e em no exprimir direção, em estudos em homenagem a Cândido Jucá (filho). Rio de Janeiro: Simões, 1969.

SAID ALI, M. Gramática histórica da língua portuguêsa. 3 ed. Melhorada de aumentada de lexeologia e formação de palavras e sintaxe do portugês histórico. São Paulo: Melhoramentos, 1964.

SWEETSER, E. Grammaticalization and semantic bleaching. In Shelley Axmaker, Annie Jaisser, and Helen Singmaster, eds., Berkeley Linguistics Society 14: General Session and Parasession on Grammaticalization, 389-405. Berkeley, CA: Berkeley Linguistics Society, 1988.

TALMY, L. A Toward a Cognitive Semantics. v.2. Cambridge: The MIT Press, 2000.

VALLO, M. A. G. do. A regência variável do verbo ir de movimento na fala pessoense. Dissertação de Mestrado. UFPA, João Pessoa, 2003.

VIEIRA, M. J. B. Variação das preposições em verbos de movimento. Signum: Estudos Linguísticos, v. 12, n. 1, p.423-445, 2009.

WIEDEMER, M. L. A regência variável do verbo IR de movimento na fala de Santa Catarina. 140f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Curso de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

RODRIGUES, F. G. C.; FREITAG, R. M. K. Padrões de preposições em complementos locativos de verbos de movimento (Patterns of prepositions for locative complements of movement verbs). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 19, n. 4, p. 133-156, 2021. DOI: 10.22481/el.v19i4.8616. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/8616. Acesso em: 20 maio. 2022.