Diferença, simulacro e pensamento: a proposta do método de dramatização (Difference, simulacrum and thought: the proposal of the dramatization method)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v19i1.9153

Palavras-chave:

Diferença; Simulacro; Pensamento; Método de dramatização.

Resumo

Este artigo se configura como uma tentativa de apresentar a perspectiva do pensar subjacente à proposta do método de dramatização de Gilles Deleuze, que se faz por uma valoração positiva da ideia de diferença e do simulacro. Para tanto, apresentaremos, rapidamente, as considerações platônicas em torno da passagem do tempo e da permanência, atreladas à teoria das formas que sustentam a busca pela verdade no método do pensamento representativo, bem como as críticas a esse modelo, realizadas pelo filósofo Gilles Deleuze em discussão entre simulacro e filosofia antiga, contida no apêndice da obra “Lógica do sentido” (1969), com sua proposta de reversão do platonismo para, então, adentrarmos  no texto “O método de dramatização” (1967) e, por conseguinte, extrair dele a apresentação de uma nova forma de pensar que, a partir da proposta de valorização da diferença pura, rompe com uma vontade de verdade pautada em fundamentos transcendentes e morais e apresenta uma condição de pensamento imanente à existência, valorando o corpo, seus encontros e suas experimentações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Souza Ávila Lobo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB/Brasil)

Amanda Souza Ávila Lobo, e doutoranda em Memória: Linguagem e Sociedade na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGMLS/UESB). É mestre em Memória pela mesma Universidade. É Técnica Universitária na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). É membro dos Grupos de Pesquisa: Cinema e Audiovisual: Memória e Processos de Formação Cultural (UESB) e Cultura, Memória e Desenvolvimento (UNB). Membro do Cineclube cinema-menor (RJ). Bolsista FAPESB.

Danilo Moraes Lobo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB/Brasil)

Danilo Moraes Lobo é doutorando em Memória: Linguagem e Sociedade na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGMLS/UESB). É mestre em Memória pela mesma Universidade.  É Técnico em Assuntos Educacionais na Universidade Federal da Bahia (UFBA). É membro dos Grupos de Pesquisa: Cinema e Audiovisual: Memória e Processos de Formação Cultural (UESB) e Cultura, Memória e Desenvolvimento (UNB). Membro do Cineclube cinema-menor (RJ). Bolsista FAPESB.

Milene de Cássia Silveira Gusmão, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB/Brasil)

Milene de Cássia Silveira Gusmão é doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É Professora Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. É Professora do curso de graduação em Cinema e Audiovisual. É Professora e pesquisdora do Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade (UESB). Coordena o Mestrado Interinstitucional em Memória: Linguagem e Sociedade (convênio UESB/IFMA). Líder do Grupo de Pesquisa em Cinema e Audiovisual: Memória e Processos de Formação Cultural. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Cultura, Memória e Desenvolvimento (CMD/UnB). Integrante da Rede Latino Americana em Educação, Cinema e Audiovisual – Rede Kino.

Referências

DAMASCENO, Veronica. Do trágico à dramatização em Nietzsche e Deleuze. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 20, n. 30, p. 132-152, dez. 2011. ISSN 0104-6675. Disponível em: http://www.oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/346. Acesso em: 18 jan 2021.

DAMASCENO, Veronica. Sobre o método de dramatização em Gilles Deleuze. Dois Pontos. Curitiba, São Carlos, vol. 8, n. 2, p. 157-174, out, 2011.

DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2018. Trabalho original: 1968.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2015. Trabalho original: 1969.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a Filosofia. Editora Rio, 2014. Trabalho original: 1962.

DELEUZE, Gilles. O método de dramatização. In: A ilha deserta e outros textos (textos e entrevistas 1953-1974). Edição preparada por David Lapoujade. São Paulo: Iluminuras Ltda, 2014. Trabalho original: 1967.

FORNAZARI, Sandro K. A crítica deleuziana ao primado da identidade em Aristóteles e em Platão. Revista Trans/Form/Ação, Marília, v. 34, n. 2, p. 3-20, 2011. PLATÃO. Sofista (ou Do ser). In: Diálogos I: Teeteto (ou do conhecimento); Sofista (ou do ser); Protágoras (ou sofistas). Bauru, SP: EDIPRO, 2007.

PLATÃO. Fédon (ou Da alma). In: Diálogos III: (socráticos): Fedro (ou do belo); Eutífron (ou da religiosidade); Apologia de Sócrates; Críton (ou do dever); Fédon (ou da alma). Bauru, SP: EDIPRO, 2008.

PELLEJERO. Eduardo. Nietzsche como falsário: a apropriação deleuziana da potência do falso. In: Existência e Arte – Revista Eletrônica do Grupo PET Ciências Humanas, Estética da Universidade Federal de São João Del-Rei – Ano VII – Número VI – jan a dez 2011.

SCHOPKE, Regina. Por uma filosofia da diferença: Gilles Deleuze, o pensador nômade. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SCHOPKE, Regina. Deleuze e o mundo dos simulacros. In: Teoria del conocimiento, s/d. Disponível em: https://arielenlinea.files.wordpress.com/2012/06/deleuze-e-o-mundo-dos-simulacros-regina-schc3b6pke-pc3a1g-43-47.pdf. Acessado em: 01/04/2021.

ZOURABICHIVILI, François. Deleuze: uma filosofia do acontecimento. São Paulo: Editora 34, 2016.

Downloads

Publicado

2021-07-22

Como Citar

LOBO, A. S. Ávila; LOBO, D. M.; GUSMÃO, M. de C. S. Diferença, simulacro e pensamento: a proposta do método de dramatização (Difference, simulacrum and thought: the proposal of the dramatization method). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 19, n. 1, p. 95-111, 2021. DOI: 10.22481/el.v19i1.9153. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/9153. Acesso em: 20 set. 2021.