A variação entre as formas de pretérito imperfeito e futuro do pretérito para expressar eventos contrafactuais em língua portuguesa: um estudo sociofuncionalista (The variation between the forms of past imperfect tense and future of past tense to express counterfactual events in Portuguese: a sociofunctionalist study)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v19i4.9281

Palavras-chave:

variação linguística, sociofuncionalismo, futuro do pretérito, pretérito imperfeito, língua portuguesa

Resumo

Este artigo discute a variação entre as formas de pretérito imperfeito e futuro do pretérito em construções condicionais de natureza contrafactual, a partir dos dados de fala do português de Fortaleza, coletados por Torres (2009).  O referencial teórico pressupõe o diálogo entre a Sociolinguística Variacionista e o Funcionalismo Linguístico, sob a configuração do Sociofuncionalismo, conforme Tavares (2003), Gorski; Tavares (2013), May (2009); Amorim; Sousa, (2019), entre outros. Os dados foram submetidos ao programa estatístico Goldvarb-X e analisados a partir dos seguintes grupos de fatores extralinguísticos (idade, escolaridade e sexo) e linguísticos (complexidade estrutural, ordem, tipos de verbo, polaridade, fluxo de informação e modalidade). A análise estatística revela que a complexidade estrutural, a modalidade e o sexo são condicionadores do processo de variação entre o pretérito imperfeito e futuro do pretérito no contexto sintático-semântico da condicionalidade contrafactual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Fernandes Torres, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Fábio Fernandes Torres é mestre e doutor em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Professor do Curso de Letras - Língua Portuguesa e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PPGLin), Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Sociolinguísticas das Variedades Lusófonas - SOCIOLUSO e Pesquisador do Grupo de Estudos em Linguística Funcional - GELF, na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - Unilab. Também é pesquisador do Grupo de Pesquisas Sociolinguísticas do Ceará - SOCIOLIN-CE e do Grupo de Estudos Funcionalistas - GEF, da UFC. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase no Funcionalismo e na Sociolinguística, atuando principalmente nos seguintes temas: variação e mudança linguísticas, gerúndio, tempo, aspecto e modalidade.

izabel Larissa Lucena Silva, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Graduada em Letras - Português/Italiano, mestra e doutora pela Universidade Federal do Ceará.  (UFC). Foi bolsista da Capes e desenvolveu doutorado sanduíche no Instituto de Linguística Computacional, sob a orientação do Prof. Dr. John Lachlan Mackenzie. É professora do Curso de Letras - Língua Portuguesa e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PPGLin), líder do Grupo de Estudos em Linguística Funcional - GELF, na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - Unilab. Também é pesquisadora do Grupo de Estudos Funcionalistas - GEF, da UFC.  Tem experiência em descrição e análise linguística, com ênfase na relação entre gramática, cognição e discurso. 

Referências

AMORIM, V. R. S.; SOUSA, V. V. Convergências e Divergências Epistemológicas no Hibridismo entre a Sociolinguística e o Funcionalismo. Id on Line Rev.Mult. Psic., vol.13, n.44, 2019.

BARBOSA, T. A. M. A variação entre futuro do pretérito e pretérito imperfeito do indicativo em orações condicionais iniciadas por “SE” na fala uberlandense. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2005.

BRITO, N. J. A. A expressão do condicionado contrafactual em construções se p, então q no português brasileiro. 2014. 113 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada; Literatura Comparada) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

_____. Alternância entre futuro do pretérito e pretérito imperfeito do indicativo no domínio funcional da condição contrafactual em comentários no facebook. 2018. 132f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.

BECHARA, E. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. revista e amp. Rio de Janeiro, Lucerna, 2003.

BORBA, F. da S. Uma gramática de valências para o português. São Paulo: Ática, 1996.

BUBLITZ, W. Transferred negation and modality. Journal fo Pragmatics. V.18, 1992.

Chafe, W. L. Givenness, contrastiveness, definiteness, subjects, and point of view. In: Li, C. (ed.). Subject ant Topic. New York. Academic Press, 1976, p. 25-55.

CORACINI, M. J. Um fazer persuasivo: o discurso subjetivo da ciência. São Paulo: Pontes - Educ, 1991.

CUNHA, Celso; CINTRA, Luís Filipe Lindley. Nova Gramática do português Contemporâneo. 7 ed. Rio de Janeiro, Lexicon, 2017.

DIAS, F. M. P de C. Variação e funcionalidade modo-temporal no português oral de fortaleza/ce: futuro do pretérito versus pretérito imperfeito na codificação da eventualidade em construções condicionais. (2007). Dissertação (Mestrado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

_____. A multifuncionalidade do futuro do pretérito nos séculos XVIII, XIX e XX: uma análise (socio)funcionalistaem revistas históricas do Instituto do Ceará. (2012) Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

DUBOIS, J. Competing Motivations. In: HAIMAN, John (org.). Typological Studies in Language. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 1984. (p. 229-240).

GIVÓN, T. Markeness in Grammar: distributional, communicative and cognitive correlates of syntactic structure. Technical Report, Nº 90/8, University of Oregon, 1990.

_____. Functionalism and grammar: a prospectus. University of Oregon, 1991a.

_____. Isomorphism in the Grammatical Code: cognitive and biological considerations. Studies in language. 1992.

GÖRSKI, E. M.; COELHO, I. L. Variação linguística e ensino de gramática.Work. pap. linguíst., v. 10, n. 1, p. 73-91, Florianópolis, jan. jun., 2009.

HALLIDAY, M. A. K. An Introduction to functional grammar. London: Edward Arnold Publishers, 1985.

_____. Spoken and written language. Oxford: University Press, 1989.

_____. An introduction to functional Grammar. 3. Ed. London: Hodder Education, 2004.

LABOV, W. Padrões sociolingüísticos. Tradução de M. Bagno; M. M. P. Scherre; C. R. Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008 [1972].

MAY, G. H. Discutindo o papel do funcional no sociofuncionalismo. Work. pap. linguíst., v. 10, n. 2, Florianópolis, 2009.

MENEZES, L. C. Expressões linguísticas modalizadoras deônticas em função argumentativa: um exercício de análise retórico-funcional. 2011. 334f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Departamento de Letras Vernáculas, Programa de Pós-graduação em Linguística, Fortaleza (CE), 2011.

NARO, A. J. “Modelos quantitativos e tratamento estatístico”. In: Mollica (org.), Introdução à Sociolinguística Variacionista. Rio de Janeiro, UFRJ, 1992.

NEVES, M. H. M. Estudos funcionalistas no Brasil. D.E.L.T.A., São Paulo, v.15, n. esp., p. 71-104. 1999.

_____ . Texto e Gramática. São Paulo: Contexto, 2006.

OLIVEIRA, F. A. de L. A alternância entre o futuro do pretérito e o pretérito imperfeito do indicativo na oração principal em contextos hipotéticos na fala de alagoanos. 2010. 128 f. Dissertação (Mestrado em Linguística; Literatura Brasileira) - Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2010.

PAIVA, M. C. A variável gênero/sexo. In: MOLLICA, M. C.; BRAGA, M. L. Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2007.

PIRES DE OLIVEIRA, R. Uma história de delimitações teóricas: 30 anos de semântica no Brasil. D.E.L.T.A., vol. 15, n. especial, 1999.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S.; SMITH, E. Goldvarb X: a variable rule application for Macintosh and Windows. Department of Linguistics, University of Toronto/Department of Mathematics, University of Ottawa, 2005.

SILVA, C. R.; OLIVEIRA, M. J. Variação/mudança numa perspectiva sociofuncionalista. Miguilim – Revista Eletrônica do Netlli, Crato, v. 6, n. 2, p. 243-264, maio-ago. 2017.

TAVARES, M. A. A gramaticalização de E, AÍ, DAÍ, e ENTÃO: estratificação e mudança no domínio funcional da sequenciação retroativo-propulsoradeinformações – um estudo sociofuncionalista. 2003. Tese (Doutorado em Linguística) Curso de Pós-graduaçãoem Linguística, Universidade Federal deSanta Catarina, Florianópolis.

____. Sociofuncionalismo: um duplo olhar sobre a variação e a mudança linguística. Edição especial Abralin/SE. Itabaiana, Ano VIII, v.17, jan./jun. 2013.

____; GÖRSKI, E. M. reflexões teórico-metodológicas a respeito de uma interface sociofuncionalista. Natal RN, revista do GELNE, v. 15, número especial, 2013.

TORRES, F. F. O gerúndio na expressão de tempo futuro: um estudo sociofuncionalista. 2009 Dissertação (Mestrado em Linguística) - Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal Ceará, Fortaleza.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

TORRES, F. F.; LARISSA LUCENA SILVA, izabel. A variação entre as formas de pretérito imperfeito e futuro do pretérito para expressar eventos contrafactuais em língua portuguesa: um estudo sociofuncionalista (The variation between the forms of past imperfect tense and future of past tense to express counterfactual events in Portuguese: a sociofunctionalist study). Estudos da Língua(gem), [S. l.], v. 19, n. 4, p. 59-85, 2021. DOI: 10.22481/el.v19i4.9281. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/9281. Acesso em: 20 maio. 2022.