O RACISMO, ANTIRRACISMO E BRANQUITUDE: OS SIGNOS E O TEMA EM RESSONÂNCIA DIALÓGICA NO EMBATE IDEOLÓGICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i2.7420

Palavras-chave:

Dialética; Filosofia da Linguagem; Relações étnico-raciais.

Resumo

“Nega maluca”, “preto safado”, “beiçola” e “cabelo de Bombril” são alguns dos xingamentos dirigidos a pessoas negras. O racismo estrutura e institui o ordenamento das relações étnico-raciais mediante o tema ideológico da branquitude, a partir do contexto colonial até os presentes dias. As ideologias em torno da racialização reverberam sentido como práticas reproduzidas nas condições das relações de produção cultural e impactam de diferentes formas o sistema político que, a priori, exclui afrodescendentes dos espaços de poder e acesso a direitos básicos. Os pares antitéticos na luta inscrita na linguagem em torno do significante “raça” representam discursos disseminados pela transição de uma dinâmica dialética, cuja materialidade interfere também na consciência e no ato de fala de cada indivíduo.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camilla Ramos dos Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc)

Doutoranda no  Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagens e Representações, Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC/BA,.

Marlúcia Mendes da Rocha, Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc)

Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Puc-SP). Professora Titular da Universidade Estadual de Santa Cruz.

Isaias Francisco de Carvalho, Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc)

Doutor em Letras e Lingüística pela Universidade Federal da Bahia (Ufba). Professor da da Universidade Estadual de Santa Cruz. 

Referências

ALMEIDA, Silvio. Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da criação verbal. Tradução Maria Emsantina Galvão G. Pereira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich; VOLÓCHINOV, Valentin Nikoláievitch. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 8. ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, I.; BENTO, M. A. S. (Orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002, p. 25-58. Disponível em: http://www.media.ceert.org.br/portal-3/pdf/publicacoes/branqueamento-e-branquitude-no-brasil.pdf. Acesso em: 07 jun. 2020.

CARREIRA, Denise. O lugar dos sujeitos brancos na luta antirracista. SUR 28 - Revista Internacional de Direitos Humanos, v.15, n.28, p. 127 - 137, 2018.

KILOMBA, Grada. A máscara. In: KILOMBA, G. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019, p. 33-46.

MOREIRA, Adilson. Racismo recreativo. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. 3. ed. São Paulo: Editora Autêntica, 2009.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

Downloads

Publicado

2021-02-15

Como Citar

Ramos dos Santos, C., Mendes da Rocha, M., & Francisco de Carvalho, I. (2021). O RACISMO, ANTIRRACISMO E BRANQUITUDE: OS SIGNOS E O TEMA EM RESSONÂNCIA DIALÓGICA NO EMBATE IDEOLÓGICO. fólio - Revista De Letras, 12(2). https://doi.org/10.22481/folio.v12i2.7420