O ENSINO DE LÍNGUAS POR UMA ABORDAGEM COMPLEXA EM TEMPOS DE PANDEMIA: QUEBRANDO PARADIGMAS

Autores

  • Suzana Longo da Cruz Universidade Estadual do sudoeste da Bahia (Uesb)
  • Diógenes Cândido de Lima Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) https://orcid.org/0000-0001-5454-9494
  • Cremilton de Souza Santana Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i2.7662

Palavras-chave:

Complexidade; Ensino de línguas; Ensino remoto; Formação integral; Transdisciplinaridade.

Resumo

Os desafios desencadeados pela pandemia da covid-19 que a Educação tem enfrentado globalmente têm fomentado reflexões sobre novas formas de ensinar e aprender no contexto escolar. Neste artigo, expomos o relato de experiência da condução do ensino de línguas dentro de uma abordagem complexa, que se deu no Ensino Médio de uma escola da rede pública por intermédio de ensino remoto, em um contexto imbuído de restrições de acesso à internet. O principal objetivo deste estudo consistiu em avaliar as possibilidades de alcance dessa abordagem, bem como seus pontos positivos e os obstáculos vivenciados. Por meio da análise desse processo, concluímos que é possível trabalhar a linguagem de forma efetiva dentro de uma perspectiva da complexidade, pois carrega os benefícios de um ensino multidimensional, não-linear, não-reducionista e transdisciplinar, o qual intenta incentivar a capacidade crítica do aluno, ao passo que trabalha fatores históricos, sociais, políticos, culturais e psicoemocionais, ensejando uma formação voltada para o sujeito integral, com atividades adequadas ao seu contexto e realidade atuais. Como obstáculos, presenciamos uma certa resistência de alguns alunos ao paradigma complexo de ensino-aprendizagem. O paradigma proposto estava embutido em um ensino que se apresentou de maneira não-fragmentada em disciplinas, e que, por ter um espectro maior de alcance e amplitude na abordagem dos temas propostos nas atividades requeria um posicionamento mais questionador e reflexivo por parte do aluno. Uma parcela desses alunos ainda demonstrou certo apego a uma visão mais cartesiana de se conceber o conhecimento, estando ainda enraizados aos processos tradicionais de ensino-aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Longo da Cruz, Universidade Estadual do sudoeste da Bahia (Uesb)

Mestre em Letras: Cultura, Educação e Linguagens pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia  (Uesb).

Diógenes Cândido de Lima, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)

Doutor em Curriculum and Instruction (Estudos da Linguagem) pela Southern Illinois University, at Carbondale - EUA (SIUC). Professor pleno da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb). Realizou estágio de pós-doutoral na Florida International University, em Miami, na área de Linguística Aplicada.

Cremilton de Souza Santana, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)

Mestre em Letras: Cultura, Educação Linguagens pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).

Referências

ALMEIDA, M. C.; CARVALHO, E. A. (Orgs.). Edgar Morin. Educação e complexidade: “Os sete saberes” e outros ensaios. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2009. 104 p.

BEHRENS, M. A. A prática pedagógica e o desafio do paradigma emergente. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 80, n. 196, p. 383-403, set.-dez./1999.

BEHRENS, M. O paradigma emergente e a prática pedagógica. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

BORGES, E. F. V.; PAIVA, V. L. M. O. Por uma abordagem complexa de ensino de línguas. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 14, n. 2, p. 337-356, jul./dez. 2011.

BRASIL. Decreto 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 20 dez. 2005. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5622.htm>. Acesso em: 28 out. 2020.

COELHO, F. C. B. de. Construção identitária e(m) comportamentos na sala de aula: o agenciamento da palavra em dois grupos (um alemão, um brasileiro). 2001. 266 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

LARSEN-FREEMAN, D. Chaos/Complexity Science and second language acquisition. Applied Linguistics, v. 18, n. 2, p. 141-165, 1997.

LEFFA, V. J. Se mudo o mundo muda: ensino de línguas sob a perspectiva do emergentismo. Calidoscópio, v. 7, n° 1, p. 24-29, 2009a.

________. Por um ensino de idiomas mais includente no contexto social atual. In: LIMA, D. C. Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa: Conversas com Especialistas São Paulo: Parábola Editorial, 2009b. p.113-123.

MORAES, M. C. Transdiciplinaridade e educação. In: MAGALHÃES, S. M. O; SOUZA, R. C. R. (Org.). Formação de Professores: elos da dimensão complexa e transdisciplinar. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2012, cap. 3, p. 73-90.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Brasília: Cortez Unesco, 2002.

________. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

________. Introdução ao pensamento complexo. 4 ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

________. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

________. Introdução ao pensamento complexo. Tradução de Eliane Lisboa. Porto Alegre: Sulina, 2006.

PAIVA, V. L. M. O. Modelo fractal de aquisição de línguas. In: BRUNO, F. C. (org.). Reflexão e Prática em ensino/aprendizagem de língua estrangeira. São Paulo, Editora Clara Luz, 2005, p. 23-36.

PAIVA, V. L. M. O.; CORRÊA, Y. Sistemas Adaptativos Complexos: uma entrevista com Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva. ReVEL, v. 14, n. 27, 2016.

SIGNORINI, I. A questão da língua legítima na sociedade democrática um desafio para a linguística aplicada contemporânea. In: MOITA LOPES, L. P. da (Org.). Por uma linguística aplicada (in) disciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006, p.169-190.

SIQUEIRA, D. S. Inglês como língua internacional: por uma pedagogia intercultural crítica. 2008. Tese (Doutorado em Letras e Linguística). Universidade Federal da Bahia, 2008.

WEIL, P. O novo paradigma holístico: ondas a procura do mar. In: BRANDÃO, D.; CREMA, R. (Orgs). O novo paradigma holístico: ciência, filosofia, arte e mística. São Paulo: Summus, 1991. p. 14-38.

YIN, R. K. Estudo de caso–planejamento e métodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2021-02-15

Edição

Seção

VERTENTES & INTERFACES II: Estudos Linguísticos e Aplicados