fólio - Revista de Letras https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio <section style="text-align: justify; padding: 3px;"><strong><span style="font-size: 14pt; color: #2d19e6; font-family: garamond;">fólio</span></strong> <em>- Revista de Letras</em> é um periódico eletrônico semestral do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários (DELL/UESB), estando atulamente vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Letras: Cultura, Educação e Linguagens (PPGLCEL/UESB) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).</section> Edições UESB pt-BR fólio - Revista de Letras 2176-4182 <p>&nbsp;</p> <div id="CertisignPluginFF-NG-Installed">&nbsp;</div> EXP https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/8065 Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE LEITURA NO ENEM DE LÍNGUA INGLESA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7038 <p>No Brasil, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) exerce influências nos contextos de ensino por ser utilizado como critério de acesso a importantes universidades públicas e privadas e como critério de participação em projetos sociais que viabilizam esse acesso. As influências que o ENEM exerce nos contextos de ensino inclui as concepções teóricas que o subjazem, visto que as questões que compõem o exame são fundamentadas em teorias que, consequentemente, estão presentes na escola. O objetivo deste trabalho é analisar as concepções de linguagem e de leitura que subjazem as questões do ENEM de Língua Inglesa (ENEM-LI). Para tanto, foram consideradas, principalmente, as concepções de linguagem como meio de interação e como instrumento de comunicação; e as concepções de leitura como produção de sentido e como decodificação. Foi analisado um total de 40 questões de LI de oito edições do exame, com ênfase na análise semântica dos enunciados das questões. Os resultados apontam que ambas as concepções de linguagem e de leitura subjazem diferentes questões do exame, o que pode indicar um direcionamento para visões mais atuais de linguagem como gênero e de leitura como letramento, privilegiadas em documentos oficiais que orientam o ensino de línguas no país.</p> Amanda Petry Radünz Patrícia Marcuzzo Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7038 A IMAGEM DA MULHER ESCRITORA NAS CRÔNICAS DE RACHEL DE QUEIROZ E IRENE LISBOA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7454 <p>Este artigo se propõe a analisar o olhar crítico das cronistas Rachel de Queiroz e Irene Lisboa sobre a representação da mulher escritora, por meio de suas crônicas, não perdendo de vista o contexto vivenciado no Brasil e Portugal. Buscamos tratar de duas expressivas mulheres para a literatura de seus países e além deles; de um gênero não- canônico, a crônica, além de intentarmos encontrar as confluências e, ou divergências da representatividade feminina existente na escrita das duas escritoras, a partir de seus pontos de vistas e o processo de adjetivação. Utilizamos para o embasamento teórico conceitual do gênero literário Massaud Moisés (2007); Paula Lopes Cristina (2010); Davi Arrigucci (1987); Machado de Assis (1994) entre outros. Como aporte teórico a respeito de Rachel de Queiroz utilizamos Hollanda (2005); Eduardo Assis (2005) e para Irene Lisboa nos valemos de Paula Morão (1983), Óscar Lopes (1994) entre outros. Para analisar o processo de adjetivação nos valemos de Bechara (2009) e Murata (2008). Essas cronistas muito contribuíram para o campo literário, mas ainda permanecem pouco pesquisadas e por merecerem deferência, decidimos desenvolver esta pesquisa juntamente com o gênero pouco estimado pelas escolas e Academia.</p> Amanda Silva do Nascimento Iedo de Oliveira Paes Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7454 ESCRITOS DE GUERRA DE CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7465 <p>Este artigo se propõe a analisar a correspondência de Clarice Lispector trocada com familiares e amigos entre os anos 1944 e 1946, enquanto a autora morava em Nápoles, Itália, assim como as crônicas escritas por ela sobre o período da Segunda Guerra Mundial. Pretende-se, com este estudo, identificar o pano de fundo histórico no qual a autora esteve inserida durante sua passagem pela Itália e as dimensões subjetivas de sua interrelação com o ambiente à sua volta: ser uma jovem estrangeira de descendência judaica em meio à guerra nazista, longe de família e amigos. Buscou-se, assim, compreender quais representações de Europa e de guerra foram construídas tanto na correspondência pessoal da autora quanto em seus textos publicados posteriormente à sua estadia no estrangeiro.</p> Aparecida Maria Nunes Nataly Ternero Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7465 ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DE 2018: O FUNCIONAMENTO DO LUGAR DISCURSIVO DO PORTA-VOZ NA CAMPANHA DE TRÊS CANDIDATOS https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7919 <p>Neste artigo, objetivamos analisar como se constituem as diferentes posições-sujeito ocupadas por três candidatos à presidência do Brasil nas eleições de 2018, que se filiam, em alguma medida, à esfera religiosa, indicando quais memórias tais posições retomam. Como hipótese, defendemos que funciona, nesse caso, o lugar discursivo do porta-voz e, por isso, buscamos identificar, a partir das posições por meio das quais os referidos sujeitos políticos se subjetivam como candidatos à presidência, como esse lugar se configura em suas respectivas campanhas. Para tanto, selecionamos para análise trechos dos planos de governo e publicações desses presidenciáveis feitas nas redes sociais <em>Twitter</em> e <em>Facebook </em>durante o período de campanha eleitoral. Após a seleção e a catalogação dos dados, realizamos a análise discursiva das materialidades, com base nos pressupostos teóricos da Escola Francesa de Análise de Discurso, principalmente, nas noções de posição-sujeito e de porta-voz. Os resultados indicam que, no acontecimento discursivo das eleições presidenciais de 2018, a figura enunciativa do porta-voz, identificada na campanha eleitoral dos três candidatos, apesar de falar em nome de uma coletividade, não representa a vontade de um povo brasileiro uno e indiviso, pois a forma de tais candidatos se identificarem com o lugar discursivo do porta-voz aponta para a deriva de sentidos, indicando que essa suposta unidade do “povo brasileiro” é apenas um efeito relacionado à ilusão subjetiva.</p> Beatriz Rocha de Oliveira Edvania Gomes da Silva Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7919 “MORTE DE UMA BALEIA”, DE CLARICE LISPECTOR: POR UMA ESCRITURA BIOPOLÍTICA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7040 <p>O presente estudo tem como objetivo refletir criticamente acerca da crônica “Morte de uma baleia”, de Clarice Lispector (1920-1977), publicada pela primeira vez no <em>Jornal do Brasil</em>, em 17 de agosto de 1968. Para isto, desenvolveremos uma análise pela perspectiva da biopolítica, a qual nos auxilia a pensar, no plano artístico, a animalidade como questão que instaura uma discussão política, sobretudo em torno da relação entre a vida, a morte e o poder. Neste artigo, destacamos os estudos de Giorgi (2016), Nascimento (2012, 2013) e Maciel (2011). Ao lado destes últimos, enfatizamos também as reflexões sobre o animal e o devir em Deleuze e Guattari (1980).</p> <p><strong> </strong></p> Fabrício Lemos da Costa Sílvio Augusto de Oliveira Holanda Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7040 DO SOM AO SENTIDO: O OLHAR DO NARRADOR E SEUS DESVÃOS EM TENTAÇÃO, DE CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7441 <p>Este artigo é uma leitura do conto <em>Tentação</em>, de Clarice Lispector, a partir do qual se procura depreender um entendimento analítico-interpretativo dos elementos que conduzem o enredo ao rápido, porém significativo encontro entre uma garota e um cão <em>basset</em>. Seguindo esse fio de prumo, o trabalho se baseia em teorias voltadas ao papel do narrador e seu posicionamento em relação àquilo que conta; ademais, serão utilizados estudos da poeticidade do som para a construção de sentido. Valendo-se desse processo de leitura, destacar-se-á como forma e conteúdo atuam para a produção de efeitos significativos que se constroem por meio de uma linguagem literária. Para isso, destacam-se os textos teóricos de Grammont (1947), Pouillon (1974), Nunes (1989) e Todorov (2006).</p> Fernando Guimarães Saves Jessica Roberti de Mello Aguinaldo José Gonçalves Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7441 TECNOLOGIA DIGITAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: O KAHOOT! COMO AVALIAÇÃO FORMATIVA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7659 <p>O presente trabalho é fruto de um recorte de pesquisa advindo de uma dissertação de mestrado, cuja pesquisa foi realizada numa turma de quarto ano do Ensino Médio, do curso de Informática na Modalidade Integrada do Instituto Federal da Bahia, <em>campus</em> Vitória da Conquista.&nbsp; O objetivo geral deste artigo foiinvestigar como a Avaliação Formativa, mediada por Tecnologias Digitais, pode potencializar o processo de ensino-aprendizagem de Língua Inglesa. Embora vários aspectos tenham sido abordados na referida dissertação, enfocamos na tecnologia digital e na sua potencialidade para a realização de ensino-aprendizagem de língua inglesa de forma lúdica e eficiente. Com base em autores como Lucena (2004), Brun (2003) e Levy (1999), realizamos uma pesquisa qualitativa de cunho exploratório, cuja coleta de dados se concentrou na coleta de resultados através da aplicação do jogo digital Kahoot! (produção final de uma sequência didática). Percebemos que a tecnologia digital tem a capacidade de contribuir para um ensino de Língua Inglesa de forma dinâmica, além de promover um ambiente lúdico na sala de aula, o que desperta interesse dos alunos em tais atividades, visto que a sociedade está em constante evolução no mundo cada vez mais digital.</p> Igor Tairone Ramos dos Santos Denise Aparecida Brito Barreto Cláudia Vivien Carvalho de Oliveira Soares Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7659 NONSENSE E REPRESENTAÇÃO: ALICE E A RELAÇÃO COM O REAL https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7693 <p>O presente artigo tem como objetivo a análise da relação entre o <em>nonsense </em>literário e o real nas obras <em>Alice no País das Maravilhas</em> e <em>Através do Espelho e o que Alice encontrou por lá</em>, ambas de Lewis Carroll. Busca-se compreender como configura uma representação da realidade ou daquilo que tomamos por real. Atribuindo-lhe assim, significado e reflexão acerca do conceito que, primariamente, remete a algo que “não possui sentido”. O caminho que se pretende percorrer no trabalho começa com uma observação sobre a ocorrência do <em>nonsense</em> em <em>Alice</em>, aliando a teoria específica sobre; passando adiante para as concepções de representação. Para tanto, serão tomadas noções de representação em Adorno, Aristóteles, Benjamim, Auerbach, Barthes e considerações acerca do <em>nonsense</em> trabalhadas por Anthony Burgess.</p> Isabella Pereira Marucci Ramiro Giroldo Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7693 (RE)PENSANDO A LEITURA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: POR UMA PRÁTICA LETRADA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7379 <p>Este trabalho tem como objetivo discutir o processo de leitura na Educação de Jovens e Adultos (pós-alfabetização) buscando compreender o que é ler, quais os focos dessa prática e sua relevância para o público da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Refletimos sobre a necessidade de ressignificação do conceito de leitura com o intuito de ampliarmos nossas concepções e (re)pensarmos nossas práticas cotidianas em sala de aula possibilitando a formação de leitores para uma prática letrada que os tornem capazes de interagir usando a linguagem de diferentes maneiras em diferentes ações e em diferentes grupos, sejam eles sociais, culturais etc. Realizamos um breve histórico da EJA nos apoiando nos estudos de Arroyo (2005); tomamos por base os conceitos de leitura trazidos por Arroyo (2005), Kleiman (1999, 2013), Silva (1999, 2002), Soares (2003) e pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) (1998); e por fim, nos apoiamos em Kleiman (1998, 2005), Silva 1999), Soares (1998), e Rojo (2009) para tratar do letramento. Mantendo como proposta (re)pensar a leitura nas turmas de Educação de Jovens e Adultos percebemos que o processo de formação de leitores nesta modalidade de ensino será mais prazerosa e significativa e, consequentemente, obterá melhores resultados se forem levados em consideração os contextos sócio-históricos em que estes sujeitos estão inseridos.</p> Itana Sousa da Silva Lucas Santos Campos Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7379 REPRESENTAÇÕES SOBRE A ESCRITA CIENTÍFICA EM VÍDEOS DO YOUTUBE https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7047 <p>Partindo da necessidade de se problematizar questões relacionadas à leitura e à escrita no ensino superior no contexto das tecnologias digitais, este artigo objetiva analisar representações acerca da escrita científica expressas em vídeos do <em>YouTube.</em> Assumindo um olhar interpretativo e uma abordagem qualitativa, o trabalho centra-se no exame de dois vídeos do canal do <em>Youtube </em>“TCC Sem Drama” destinados a apresentar orientações sobre como escrever artigos científicos. A fundamentação teórica compreende ideias de pensadores e comentadores do Círculo de Bakhtin e trabalhos de estudiosos que abordam a escrita científica em perspectiva enunciativa e/ou sociorretórica. A análise aponta que a escrita científica é significada, nesses vídeos, como um produto com estrutura fixa, homogênea e generalizável, a ser apreendida por um conjunto de técnicas concebidas para cumprir, dentro de um espaço de tempo reduzido, uma mera tarefa/obrigação acadêmica.</p> José Cezinaldo Rocha Bessa Nara Karolina de Oliveira Silva Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7047 MULHERES INVISÍVEIS EM A HORA DA ESTRELA, DE CLARICE LISPECTOR E EM DOIS IRMÃOS, DE MILTON HATOUM: MACABÉA E DOMINGAS https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7442 <p>Este artigo pretende aproximar as personagens Macabéa, da novela <em>A hora da estrela</em> (1977), de Clarice Lispector, e Domingas, do romance <em>Dois irmãos</em> (2000), de Milton Hatoum, tendo em vista a emergência da discussão sobre a invisibilidade da mulher enquanto construção social. Macabéa é mulher nordestina, pobre, feia, retirante, semianalfabeta, virgem e datilógrafa, que migra para o Rio de Janeiro e lá sofre preconceito e violência por estar fora dos atributos requeridos pela cidade grande. Domingas é mulher indígena, vítima de vários tipos de violência e ignorada em sua singularidade. Duas histórias que atravessam o tempo e o espaço e que refletem a desigualdade social brasileira e os desafios para a superação da condição de subalternidade da mulher. Alguns pensadores como: Michelle Perrot (2007), Alfredo Bosi (1981), Ecléa Bosi (2006), Antônio Cândido (2011), Stuart Mill (2006), Quijano (2005) e outros nos ajudarão a refletir sobre essas questões.</p> Josué Brito Santana Maria das Graças Fonseca Andrade Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7442 A INOVAÇÃO DO CONTO INFANTO-JUVENIL EM "A MULHER QUE MATOU OS PEIXES", DE CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7826 <p><span style="font-weight: 400;">O presente artigo constitui um estudo sobre </span><em><span style="font-weight: 400;">A mulher que matou os peixes, 1999,</span></em><span style="font-weight: 400;"> de Clarice Lispector e seu objetivo é analisar aspectos da inovação na escrita da autora, considerada pela crítica uma das escritoras mais aclamadas da literatura modernista brasileira. </span><span style="font-weight: 400;">Conhecida na tradição da literatura brasileira por ter escritos livros destinados a adultos, Clarice Lispector inaugurou no Brasil um estilo de escrita própria e diferente da sua época por romper com padrões da narrativa linear e tradicional. </span></p> Karen Larissa Martins dos Santos Susylene Dias de Araujo Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7826 POSSIBILIDADES DO EQUÍVOCO: A TRADUÇÃO DO PASSADO NO TEXTO AUTOBIOGRÁFICO https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7146 <p>A partir do conceito de equivocidade controlada (VIVEIROS DE CASTRO, 2018), o artigo apresenta a tese de que na escrita literária autobiográfica ocorre uma tradução via equívoco de memória. Há, portanto, o que ocorreu, o que é enunciado sobre isso, e o resultado é uma terceira coisa que surge da diferença entre esses dois movimentos: o equívoco de memória. Partindo desse pressuposto e compreendendo a literatura e a ficção como elementos que compõem a realidade (CANDIDO, 2011, 2006; HALL, 2003, BAKHTIN, 2011), propõe-se uma discussão acerca do entrelaçamento entre a linguagem literária e a memória (LE BRETON, 2009; HALBWACHS, 1990) a fim de apresentar as bases para o desenvolvimento do equívoco de memória, conceito ainda em construção.</p> Leandro De Bona Dias Mário Abel Bressan Júnior Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7146 AS METAMORFOSES DE JOYCE: O LABIRINTO NA OBRA UM RETRATO DO ARTISTA QUANDO JOVEM https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7701 <p>A obra <em>Um retrato do artista quando jovem</em>, escrita por James Joyce e publicada em 1916, é um dos marcos da prosa em língua inglesa do século XX, principalmente no campo do <em>Bildungsroman</em>. Acompanhando o desenvolvimento intelectual de seu protagonista, Stephen Dedalus – alter-ego de Joyce -, a narrativa se inicia com o personagem ainda criança, e termina quando Stephen alcança o início de sua maturidade, ou seja, quando descobre sua vocação de artista, ou, mais especificamente, de poeta. O presente trabalho, portanto, buscou analisar um dos símbolos identificados no romance, o do labirinto do inventor Dédalo, e como a referida figura mítica acaba por influenciar a própria estrutura da narrativa. Inicia-se com uma breve história da obra, para depois identificar a influência do poeta latino Ovídio – que cantou o mito ora em discussão na sua epopeia <em>Metamorfoses</em> – sobre escritores modernistas de expressão inglesa, &nbsp;limitando-se a abordar, além de Joyce, os poetas T.S. Eliot e Ezra Pound, como forma de contextualizar o uso do poema clássico no início do século XX. Por fim, analisa-se em que medida o símbolo do labirinto pode ser vislumbrado no romance, fazendo-se o uso, para tanto, de aparato crítico, como os estudos de Ellmann (1989), March (2015), Paris (1992), Parrinder (1984), Levin (1959), entre outros.</p> Luiz Henrique Raele Braga Ravel Giordano Paz Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7701 RELAÇÃO ENTRE CONFIABILIDADE DAS NOTÍCIAS E ALTURA DE VOZ DE REPÓRTERES DO JN, SBT BRASIL E JR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7088 <p>Esta pesquisa traz a seguinte questão: existe uma relação entre confiabilidade da matéria jornalística e altura de voz de repórteres? Nossa hipótese é a de que não existe mais uma relação intrínseca entre a altura da voz e a confiabilidade da matéria. Nosso objetivo é investigar se a confiabilidade de uma matéria está relacionada à altura da voz do telejornalista. Para isso, selecionamos vídeos de matérias telejornalísticas transmitidas no ano de 2017 e os exibimos para um público alvo para que julgassem a confiabilidade das matérias e a altura das vozes dos repórteres. Os resultados encontrados ratificam nossa hipótese de que não existe uma relação intrínseca entre altura de voz e confiabilidade.</p> Maria Imaculada Pereira Azeredo Vera Pacheco Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7088 CLARICE LISPECTOR PARA MULHERES – E HOMENS – DO SÉCULO XXI https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7437 <p>Conhecida por transitar pela narrativa - do romance à crônica, do conto à literatura infantil, sem falar nos artigos de jornal -, Clarice Lispector foi lida e relida em cerca de trinta idiomas e hoje se tornou popular na internet por meio de frases soltas de sua autoria ou não, mas geralmente &nbsp;descontextualizadas ou até transfiguradas. Acredita-se, entretanto, que as personagens femininas que a autora criou há cerca de sessenta anos, em <em>Laços de família,</em> ainda repercutem no século XXI. Este artigo pretende sinalizar a atualidade de seu texto e a possibilidade de renovadas leituras, por meio da análise das personagens femininas de alguns contos da obra referida. Para tanto, recuperam-se brevemente alguns aspectos da trajetória literária da autora, problematizando sua rejeição à vinculação a pautas ideológicas. Críticos literários como Regina Zilberman, Benedito Nunes, Nadia Gotlib, Yudith Rosenbaum e Benjamin Moser orientam essa reflexão. Ao relacionar as personagens de Clarice à contemporaneidade, dados de realidade em relação à posição da mulher nos dias de hoje são pontuados e analisados, tendo como apoio para as questões de gênero e feminismo contribuições de Simone de Beuavoir, Heloisa Buarque de Holanda, Marcia Tiburi e Bell Hooks. Os contos em questão constroem universos ficcionais autônomos, de forte sentido imaginativo, que permitem uma análise crítica da sociedade, promovendo o exercício da alteridade.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> Contos; <em>Laços de família; </em>Clarice Lispector; Crítica feminista; Século XXI</p> <p>&nbsp;</p> Maria Tereza Amodeo Andresa da Silveira Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7437 PROFESSORAS ALFABETIZADORAS: DESAFIOS, EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7294 <p>O artigo apresenta os resultados da pesquisa realizada no âmbito do mestrado acadêmico na Universidade Federal da Bahia (Ufba), concluído em 2020. O trabalho assume como problema de pesquisa as dificuldades enfrentadas pelos professores alfabetizadores para ajustar as situações didáticas ao que de fato os alunos precisam aprender, decorrentes da lacuna existente entre a produção teórica sobre como a criança aprende e como se pode ensiná-la e a democratização do acesso a uma teoria didática que oriente as práticas alfabetizadoras. Com o intuito de analisar os desafios enfrentados por professoras alfabetizadoras no exercício da profissão, este trabalho constitui-se como uma etnopesquisa porque é o tipo de pesquisa que efetiva uma experiência como ato de pesquisar. Para produção dos dados da pesquisa foram realizadas entrevistas, observações, análise documental e roda de conversa com quatro professoras alfabetizadoras, responsáveis pelas turmas de primeiro ano de duas escolas privadas do município de Nazaré- BA. A abordagem teórica foi fundamentada a partir dos diversos estudos de Emilia Ferreiro. Os dados indicam uma prática pedagógica pautada principalmente no reconhecimento das letras, dos sons e das sílabas. Apesar do comprometimento das professoras com as aprendizagens das estudantes, observou-se uma distância significativa entre o que as crianças precisam aprender e o que de fato é proposto aos alunos. Este cenário indica lacunas na formação inicial e continuada das professoras e alerta para a necessária coerência entre os estudos sobre como se aprende a ler e a escrever e as intervenções didáticas.</p> Nalim Moura Santos Giovana Cristina Zen Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7294 OS DESNUDES MEMORIALÍSTICOS DOS HOMO-BIOS DE SILVIANO SANTIAGO E DE VIRGINIA WOOLF https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7397 <p>Este trabalho tem por objetivo realizar uma leitura comparatista, biográfica e fronteiriça entre as obras <em>Mil rosas roubadas </em>(2014) do escritor brasileiro Silviano Santiago e <em>Orlando</em>: uma biografia (2017) da inglesa Virginia Woolf. Para isso, utilizaremos uma metodologia de caráter bibliográfico pautada na epistemologia crítica biográfica fronteiriça com o intuito de discutirmos as semelhanças e as diferenças homo-biográficas entre os autores e os livros citados ao passo que, simultaneamente, promoveremos <em>desnudes </em>de suas <em>personae </em>literárias, metafóricas e empíricas atravessadas pelos espaços (auto)biográficos que lhes cornecem. Dentre os conceitos utilizados para o ensejo mencionado, valeremo-nos da memória, aliados hospitaleiros, exterioridade, homo-biografia e amizade corroborados, dentre outros, pelos intelectuais Leonor Arfuch, Eneida Maria de Souza, Juliano Garcia Pessanha, Walter Mignolo, Jacques Derrida e Francisco Ortega. Portanto, respaldados pelo exposto, buscaremos delinear grafias comparatistas entre Silviano e Virginia no que concerne as suas existências <em>outras</em> enquanto escritores homossexuais que escre(vi)vem, ou escre(vi)veram, assentandos em <em>modus operandi e vivendi </em>passíveis de os aproximarem não só no plano de suas semelhanças homo-biográficas e literárias, mas, sobremaneira, das diferenças que os separam aproximando-os.</p> Pedro Henrique Alves de Medeiros Edgar Cézar Nolasco Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7397 LÍNGUA INGLESA: ASPECTOS DE SUA UNIVERSALIDADE https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7657 <p>Este artigo tem como objetivo analisar a conjuntura política, econômica e social que envolve o uso do inglês como língua universal. É fato que a língua inglesa tornou-se a mais falada em todo o mundo. Mesmo em países cujos idiomas diferem do inglês, de certa forma, já existem estímulos sociais e econômicos para que se aprenda o idioma. Procurando compreender tais aspectos, este estudo realizou um levantamento bibliográfico acerca da temática contemplando uma interpretação teórica dos elementos que contribuíram para a proeminência da língua inglesa como fenômeno global. Assim, no intuito de contextualizar, também, o papel desempenhado pelo o inglês na contemporaneidade, bem como as relações de poder existentes nas entrelinhas, respaldamo-nos no aporte teórico do campo da linguística aplicada.</p> Giêdra Ferreira Cruz Rainan Marques Santos Andrade Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7657 AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS COMO FENÔMENO LITERÁRIO: PROBLEMAS, IMPASSES E DESAFIOS https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7414 <p>Este trabalho tem como intenção discutir questões suscitadas pelo entendimento das histórias em quadrinhos como fenômeno literário. A princípio, buscamos compreender como as HQs se aproximaram do campo da literatura, considerando as proposições de Eisner (1989) sobre narrativas dos quadrinhos como arte sequencial e a popularização da ideia de romance gráfico. Discutimos então, a partir de teóricos como Beaty (2012), Hatfield (2010) e Groensteen (2015), sobre as tensões que emergem no campo teórico, entre a definição de quadrinhos como literatura ou arte visual, e os impasses causados pela busca de prestígio, além de questões sobre o próprio campo dos estudos sobre quadrinhos como uma disciplina própria.</p> Renan Duarte Anderson `Pires da Silva Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7414 ANALYSE D'UNE PRODUCTION ÉCRITE ET ORALE: SENS EN CONTEXTE ÉNONCIATIF DU FRANÇAIS LANGUE ÉTRANGÈRE https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7226 <p><strong>RÉSUMÉ: </strong>Dire aujourd’hui que la faute de syntaxe et la confusion lexicale soient inexistantes dans les énoncés écrits et parlés d’apprenants du Français Langue Seconde (FLS), est erroné. Ce n’est donc pas les apports théoriques de la linguistique structurale et de la psychologie béhavioriste des années 1950 qui corrigent selon une pédagogie d’enseignement pourtant déjà fondée sur l’abordage par compétences de communication. Si nous partageons par experience certains manques dans la méthode de français <em>Latitudes 1</em> (2008) à appliquer par le manuel du professeur, c’est que tout s’oppose à enseigner le mode de combinaison ensemble avec l’interprétation des objets pour l’apprentissage des structures syntaxiques des énoncés et leur interprétation à l’orale. Et cela malgré la fréquence d’activités de répétition d’expressions simples en contexte déterminé par les trois actes de language <em>inviter et répondre à une invitation</em>, <em>demander et indiquer l’heure </em>et, <em>prendre et fixer un rendez-vous</em>, lesquels contextualisent une tâche finale soumise à analyse. Afin de mieux appréhender les règles pour des structures syntaxiques et des représentations de signifié bien formées dans les énoncés d’apprenants, il nous paraît pertinent de développer par l’approche analytique et contemporaine de la philosophie du langage. Après une partie consacrée à la présentation du corpus de référence et en rendant compte de la complexité du problème de recherche, nous analyserons une production langagière d’apprenante par les outils desdites approches imposés sur l’objet d’étude suivant : les descriptions syntaxiques et les représentations de signifié.</p> Rudy Kohwer Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7226 LIVRO SOBRE NADA: PRETEXTO PARA INOPEROSIDADE NO TEMPO-ESPAÇO https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7407 <p><span id="E65" class="qowt-font2-Garamond">Este artigo analisa o projeto literário de Manoel de Barros em </span><span id="E66" class="qowt-font2-Garamond">Livro sobre nada</span><span id="E67" class="qowt-font2-Garamond"> (1996), obra cuja nota introdutória, em prosa poética, denominada Pretexto, propõe-se a atingir significações silenciadas e, simultaneamente, ampliadas, posto que, via silêncio, os significados se desalojam de convenções e adquirem sentidos em plena incompletude, por isso, adotamos como metodologia a análise da nota introdutória da obra, em que o artifício adotado pelo poeta para “atingir o nada mesmo”, ampara-se no conceito de inoperosidade, proposto por AGAMBEN (2018), de acordo com o qual a potência-de-não é a amplitude contemplativa e, simultaneamente, uma reação à obrigatoriedade de dizer. Livro sobre nada coloca em suspensão a função comunicativa da linguagem verbal e edifica a crise da palavra, por isso, age de forma a transformar, substancialmente, a realidade via discurso poético, pois sua ação é a busca por aquilo que está por vir na obra, por uma matéria que se anuncia, mas não se consolida, a exemplo do que propõe BLANCHOT (2005), de que resulta um inacabamento que cala aquilo mesmo que se profere por meio de imagens que atravessam o sujeito lírico sob forma de resquícios espácio-temporais.</span></p> Valdegilson da Silva Costa Vera Bastazin Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7407 REFLEXÕES INICIAIS SOBRE O EROTISMO EM KAFKA À BEIRA-MAR, DE HARUKI MURAKAMI https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7286 RESUMO: Este artigo apresenta um esforço preliminar de pesquisa sobre o erotismo no romance Kafka à beira-mar do escritor japonês Haruki Murakami. Partindo do pressuposto de que haja uma diferença conceitual entre erotismo e sensualismo na literatura japonesa, busca compreender como ambos se materializam na obra pesquisada. Por fim, reflete sobre a função do erotismo na obra e sobre os perigos de uma interpretação orientalista, que acabe por atrapalhar mais do que auxiliar a leitura do texto. São apresentados alguns excertos do romance a fim de ilustrar as colocações ao longo do artigo. Ninomiya (1999), Paz (1994) e Bataille (1987) servem de fundamentação teórica para as reflexões realizadas. Michele Eduarda Brasil de Sá Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7286 APROPRIAÇÕES DO CANCIONEIRO DA AJUDA VERSUS RECEPÇÃO HISTÓRICA: UMA CRÍTICA À UNIVERSALIZAÇÃO DA RESTITUTIO TEXTUS NAS ATUALIZAÇÕES DA EDIÇÃO MICHAELINA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7530 <p>Objetiva-se discutir as reiterações de critérios filológicos lachmannianos nas sucessivas edições e investigações sobre o <em>Cancioneiro da Ajuda</em>, tendo como base para a reflexão os dois volumes do manuscrito em questão, publicados por Carolina Michaelis de Vasconcellos, em 1904. Propõe-se aqui um confronto entre os pressupostos filológicos presentes nas contínuas apropriações da edição michaelina e as pesquisas sobre as formas de publicação iniciais da poesia galego-portuguesa, de cunho oral e performático, e, também, escribal. Desse modo, visa-se a demonstrar como a centralização dos estudos sobre trovadores e jograis objetivando-se a “restituição do texto”, fundamentada esta na ideia de “autoria”, em sua maioria, implica um rompimento do “costume” (<em>consuetudo</em>) relativo às formas iniciais de produção, circulação e recepção dessa poesia.</p> Marinês de Jesus Rocha Marcello Moreira Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7530 O RACISMO, ANTIRRACISMO E BRANQUITUDE: OS SIGNOS E O TEMA EM RESSONÂNCIA DIALÓGICA NO EMBATE IDEOLÓGICO https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7420 <p>“Nega maluca”, “preto safado”, “beiçola” e “cabelo de Bombril” são alguns dos xingamentos dirigidos a pessoas negras. O racismo estrutura e institui o ordenamento das relações étnico-raciais mediante o tema ideológico da branquitude, a partir do contexto colonial até os presentes dias. As ideologias em torno da racialização reverberam sentido como práticas reproduzidas nas condições das relações de produção cultural e impactam de diferentes formas o sistema político que, <em>a priori</em>, exclui afrodescendentes dos espaços de poder e acesso a direitos básicos. Os pares antitéticos na luta inscrita na linguagem em torno do significante “raça” representam discursos disseminados pela transição de uma dinâmica dialética, cuja materialidade interfere também na consciência e no ato de fala de cada indivíduo.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> <p>&nbsp;</p> Camilla Ramos dos Santos Marlúcia Mendes da Rocha Isaias Francisco de Carvalho Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7420 O MANUSCRITO DE “UM SOPRO DE VIDA”: IMAGENS DA LETRA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7360 <p>Trata-se de investigar a relação entre o manuscrito e o livro <em>Um sopro de vida</em>, de Clarice Lispector, publicado em 1978. Sabe-se que parte do processo de composição do livro ocorreu postumamente e foi levado adiante por Olga Borelli, o que suscitou questionamentos da crítica acerca da autoria. As notas manuscritas que deram origem ao livro integram o acervo de Clarice mantido pelo Instituto Moreira Salles. A partir da consulta ao acervo, avalia-se a participação de Borelli na confecção da obra e discute-se qual o lugar a ser reservado ao manuscrito frente ao livro publicado. Já há algum tempo, a crítica genética reivindica a autonomia do manuscrito. Ele não deve ser tomado como uma mera versão inacabada e imperfeita do livro publicado, podendo apontar para vários outros livros que não vieram ao mundo. Em alguns casos, é possível ver o próprio manuscrito como uma obra de arte. No caso de <em>Um sopro de vida</em>, para além de enunciar a criação em meio a ruínas, o manuscrito realiza seu próprio enunciado, permanecendo como um conjunto de fragmentos desordenados: destroços de livro.</p> Alex Keine de Almeida Sebastião Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7360 CENTRO COMPLEXO E SEMOVENTE: A LINGUAGEM E A VERTIGEM CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7383 <p>Este texto tem por objetivo refletir sobre aquele que julgamos ser o efeito mais saliente da escrita de Clarice Lispector. Exímia “artesã” na deformação das formações ideais que nos asfixiam, enrijecendo-nos a vertiginosa potência de existir, a escrita de Clarice tem o dom de nos devolver, estranhados, à nossa centralidade complexa e semovente. Ela estranha a si e a seu mundo para estranhar o leitor e reativar-lhe o “eu” semiótico. Reativado, este “eu” semiótico não apenas toma consciência da sua condição de centro complexo e semovente, sensível a outras formas de vida e à variedade dos afetos que as assediam, mas também torna-se, em consequência disso, capaz de evitar toda redução “naturalizadora” decorrente do exclusivismo de qualquer formação ideal em seu campo de presença.</p> Americo Saraiva Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7383 PERTO DO CORAÇÃO DA ÁGUA VIVA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7433 <p>Nesse ano de 2020, em que Clarice Lispector faria 100 anos, partimos de seu primeiro romance, <em>Perto do coração selvagem</em>, publicado em 1943. Neste romance, é possível pensar o feminino não como uma referência simétrica e complementar ao masculino, mas como um “mais além” do falo e do próprio masculino,&nbsp; já se delineando aí o que, para nós, na Literatura e na Psicanálise, é ainda uma novidade: o feminino de ninguém, que se abre a um outro campo, terceiro campo, terceira via, terceira margem do rio: ao terceiro sexo da paisagem. Neste artigo, o terceiro sexo é localizado sobretudo em <em>Água viva, </em>livro de 1973, em que A mulher, aquela que não existe, pode enfim ex-sistir como substantivo feminino de ninguém. Assim, entre as criaturas humanas, vegetais e animais, pudemos enfim nos aproximar do lugar de onde Clarice sempre escreveu: perto do coração da água viva.</p> Ayanne Sobral Lucia Castello Branco Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7433 A MERCANTILIZAÇÃO DA CULTURA NA NARRAÇÃO DE RODRIGO S.M., EM A HORA DA ESTRELA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7910 <p>Este artigo pretende entender como a configuração narrativa desempenhada pelo narrador-personagem Rodrigo S.M. formaliza o atuante paradigma da indústria cultural na composição estética e também a problemática da identidade nacional ao seguir as novas tendências sobre o uso da linguagem. A premissa da pesquisa se relaciona às dificuldades colocadas no momento da narração, as quais suscitam, para além da discussão da escrita de si e da alteridade, “o sentimento acabrunhador da posição em falso de tudo o que concerne à cultura brasileira”. (ARANTES, 1997, p.14). O romance <em>A hora da estrela</em>, em função do engenho narrativo, se faz importante no questionamento dos limites da representação artística e no estatuto ambíguo da condição brasileira, a revelar que “a vida no capitalismo tardio é um contínuo rito de iniciação. Todos têm de mostrar que se identificam integralmente com o poder de quem não cessam de receber pancadas” (ADORNO, 2006, p.127). Em função dos personagens, Rodrigo e Macabéa, o romance de Clarice Lispector aproxima o trabalho do escritor ao da datilografa, contribuindo para evidenciar o esvaziamento ideológico da sociedade industrial e a inserção da cultura na lógica do fetichismo e da mercantilização. Assim, essa análise refletirá sobre como o narrador, apesar da sua racionalização, está atrofiado na capacidade de narrar, reproduzindo a implacável ideologia das massas.</p> Bárbara Del Rio Araújo Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7910 A POTÊNCIA DO SILÊNCIO NA ESCRITA DE CLARICE LISPECTOR: A NEGAÇÃO DA PALAVRA E O DRAMA DA ALTERIDADE https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7399 <p>O presente artigo pretende refletir sobre as questões relativas ao uso da linguagem na obra da escritora brasileira Clarice Lispector na perspectiva do silêncio e do silenciamento. Para nós, a escritora procura problematizar aquilo que Benedito Nunes considera ser um drama da linguagem, pois, em sua obra, sempre nos apresenta um conflito entre o que se pretende narrar e a impossibilidade de se usar palavras para esse exercício. A autora procura traduzir esse drama a partir das lacunas de representação que seu texto traduz na forma de silêncio e poesia. O artigo pretende desdobrar tal drama em dois aspectos, sendo o primeiro, a incapacidade de representação pela escrita, que jamais deve ser fechada ou elaborada e sim espontânea, performática. O segundo diz respeito ao exercício de alteridade denunciando a impossibilidade de a palavra literária representar a experiência alheia. Para tanto, o último romance publicado em vida, <em>A hora da estrela</em>, será o texto usado como referência de análise, uma vez que carrega abertamente a temática da representação na figura de um narrador personagem, homem letrado, que tenta, em vão, traduzir a experiência da pobre nordestina nas ruas do Rio de Janeiro.&nbsp;&nbsp;</p> Cristiane Côrtes Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7399 A METAMORFOSE DE CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7187 <p>A obra de Clarice Lispector sofre uma guinada a partir dos anos 1960, com o livro de contos <em>Laços de família</em>, escrito durante sua experiência profissional como jornalista responsável pelas colunas femininas publicadas na imprensa carioca nesta década. A menção obsessiva à receita “Como matar baratas” nessas páginas, que vem a dar origem ao conto “A quinta história”, e posteriormente ao romance <em>A paixão segundo G. H., </em>revela que a autora terá vislumbrado na figura do inseto um potencial capaz de deflagar uma reflexão metalinguística sobre o processo de metamorfose de seu estilo, após a sua prática como cronista.</p> Ermelinda Maria Araújo Ferreira Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7187 A NARRATIVA DE CLARICE LISPECTOR NO CORAÇÃO SELVAGEM DO BRASIL NO SÉCULO XX: ALGUNS ASPECTOS SOCIOPOLÍTICOS https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7427 <p>O objetivo principal do presente artigo consiste numa breve análise da literatura de Clarice Lispector (1920-1977), especificamente das crônicas “Mineirinho” (1962) e “Carta ao Ministro da Educação” (1968), seguidas da novela <em>A hora da estrela</em> (1977) e dos contos “Felicidade clandestina” (1971) e “A bela e a fera ou a ferida grande demais” (1977). Tendo em vista que a obra literária da autora é ampla e diversa, escolhemos como temáticas a serem analisadas, a presença de alguns aspectos sociopolíticos observáveis na sua produção literária. Analisar a narrativa de Clarice Lispector pelo viés sociopolítico mostra-se relevante, uma vez que, na maioria das vezes, esses elementos são deixados de lado nas análises que são dedicadas à sua obra. Como base teórica, recorremos aos trabalhos de Candido (2000), Lucas (1970), Hobsbawm (1995), Bauman (2015) e Heller (2016) entre outros.</p> Francisco Carlos Carvalho da Silva Geórgia Gardênia Brito Cavalcante Carvalho Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7427 EU OU MINHA ALMA: ESCOLHAS SUBJETIVAS NO UNIVERSO FICCIONAL DE CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7415 <p>Ponho em evidência o tema das escolhas subjetivas na obra de Clarice Lispector, para demonstrar como algumas de suas personagens efetivam essas opções a partir de dois polos: de um lado, a preferência pela face apolínea da existência; de outro, a eleição da vertente dionisíaca, culminando no gesto afirmativo. Para tanto, elejo como <em>corpus</em> os contos Amor, de <em>Laços de família</em>, A quinta história, de <em>A legião estrangeira</em>, A fuga, de <em>A bela e a fera</em> e o romance <em>A paixão segundo G.H</em>. Como suporte teórico, valho-me da Psicanálise e da filosofia nietzscheana. Trata-se de um trabalho de natureza bibliográfica pautado na metodologia da Literatura comparada.</p> Gilson Antunes da Silva Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7415 COMMENTAIRE COMPOSÉ: LEITURA EXISTENCIALISTA DE UM EXCERTO DA PROSA DE FICÇÃO CLARICIANA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6882 <p>Escritora de costumes, dos altos e baixos existenciais de seres nada épicos num cotidiano indistinto, Clarice Lispector é uma aguda perscrutadora da psique ou alma humana. Então, no trabalho ora apresentado, resultante de sugestão de pesquisa à professora de Filosofia e de Letras Jeanne Marie Gagnebin de Bons, na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), para a nossa monografia da disciplina <em>Crítica I</em> (1995), entre os métodos e técnicas da crítica literária, optamos pelo <em>Commentaire Composé</em>, método francês através do qual analisamos, do primeiro romance de Clarice Lispector, qual seja, <em>Perto do coração selvagem</em> (1943), um excerto, como exata ilustração do pensamento do filósofo existencialista Jean-Paul Sartre, especialmente no tocante à liberdade. Isso porque o citado romance narra a trajetória existencial de Joana, uma órfã de mãe que, desde tenra idade, manifesta forte individualidade em conflito com a família e a sociedade, por entender que, consciente de uma provável consequência repressora, ela pode tudo.</p> <p>&nbsp;</p> Hugo Lenes Menezes Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.6882 A RODA DA ESCRITURA NO ROMANCE A HORA DA ESTRELA, DE CLARICE LISPECTOR: UMA ENGRENAGEM COMPLEXA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7376 <p>Este artigo propõe uma breve análise do romance <em>A hora da estrela</em>, de Clarice Lispector, à luz da teoria genética denominada <em>roda da escritura</em>, elaborada por Phillippe Willemart (2009), discutindo cada uma das suas quatro instâncias – escritor, <em>scriptor</em>, narrador e autor – e observando como cada uma delas é apresentada na narrativa. A escolha da referida obra literária justifica-se pelo fato de que ela contempla “uma história escrita dentro da história”, onde a autora cria um narrador (Rodrigo S.M., que também é escritor) com a finalidade de não ser percebida. Considerando a natureza singular da obra, o que inclui o fato da autora – figura marcante da literatura brasileira – revelar-se inúmeras vezes na voz do narrador, e ambos serem escritor e <em>scriptor</em>, um estudo da sua <em>roda da escritura</em> acaba nos apontando para a complexidade e o dinamismo estabelecidos pelo movimento de suas quatro instâncias. Para além, esse estudo poderá oferecer contribuições para a fortuna crítica da obra de Clarice Lispector, bem como ao campo de investigações da Crítica Genética e dos processos de criação artística na contemporaneidade, em especial àqueles que têm como objeto de análise a <em>roda da escritura</em> ou uma de suas quatro instâncias em uma determinada narrativa literária.</p> João Paulo Vicente Prilla Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7376 “POR FORA – VIU NO ESPELHO – ELA ERA UMA COISA SECA COMO UM FIGO SECO": BELEZA E IDENTIDADE CAMBIANTE EM UM CONTO DE CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7385 <p>O presente artigo propõe uma leitura do conto <em>A procura de uma dignidade</em> de Clarice Lispector, segundo a perspectiva de que é possível identificarmos a maneira como a personagem se forma a partir da valorização da beleza, ilustrando a predominância da estética por meio do uso da maquiagem, da moda e demais artifícios de embelezamento, seja para se mascarar ou para se transformar em mulher mais atraente. No entanto, quando esta mulher se descobre sem maquiagem ou acessórios, a partir da real percepção do ser e de seu interior, ocorre uma libertação que lhe machuca, levando-a a uma crise de identidade. Este estudo sinaliza, portanto, que a beleza no tocante ao espaço literário não pode ser vista como mera futilidade, mas sim como elemento formador. Vislumbramos, no conto em cotejo, o empenho em ser bela, em demonstrar à sociedade uma imagem que não traduz verdadeiramente o seu eu interior. Clarice, deste modo, realiza uma crítica à cultura patriarcalista da época, desconstruindo os estereótipos moldados pelo modelo falocêntrico. Há, portanto, na personagem do conto, a incerteza em ser aquilo que a sociedade patriarcalista dela espera (no que concerne a comportamento e beleza) e o que no seu íntimo interior ela deseja ser na realidade. O presente artigo surge, então, com o intuito de contribuir com reflexões acerca do modo como ocorre, na Literatura clariceana, o rompimento com a máscara forjada às personagens cambiantes. Deste modo, suas personagens suscitam reflexões relativas à figura feminina enquanto sujeito singular e integrante da sociedade.</p> Juliana Gervason Defilippo Helaine Ribeiro Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7385 O SISTEMA DA MODA EM CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7907 <p>Composto pelos signos de diversos sistemas e de diversas culturas, eficazes e em estado de especulação, o sistema da moda se torna o objeto da interpretação na escrita de Clarice Lispector. Em seus textos não ficcionais a moda desempenha uma função diferente daquela manifesta nas ficções, voltada para o regime metafórico, ainda que ambos usos se complementem mutuamente. A autora combina em seus textos do <em>Correio feminino</em> o tom poético do ensaio e do conto com o olhar crítico de caráter socio-psicológico. Profundamente marcada pela história da modernidade em seus aspectos paradoxais, ambígua em sua relação com o socialismo e com o feminismo, a moda articula os limites individuais e coletivos. Diferentemente da sociologia., também importante na obra lispectoriana, a análise semiológica visa aos elementos da conotação. Um objeto do estudo da semiologia nos anos 60, a teoria do sistema da moda combina o sistema verbal e visual, anunciando, de fato, a teoria das máquinas desejantes formulada por Gilles Deleuze e Félix Guattari.</p> Olga Kempinska Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7907 SERVIDÃO E SUPERAÇÃO: UM ESTUDO ACERCA DA PRESENÇA DA EMPREGADA DOMÉSTICA NA OBRA DE CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7439 <p>Este estudo tem como objeto a figuração da empregada doméstica na obra de Clarice Lispector, pretende refletir as relações provenientes de um passado escravocrata brasileiro que desemboca na forma como se dá a contratação de empregadas domésticas até hoje. A doméstica está presente em contos e romances de Clarice, e ainda, em crônicas que publicou no Jornal do Brasil. Detivemo-nos a uma análise mais próxima das domésticas Augusta, do conto “Um dia a menos” e Janair, do romance <em>A paixão segundo G.H.</em> Sabemos que o trabalho doméstico também engloba o gênero masculino, entretanto, nesta abordagem, instituímos como recorte o trabalho doméstico desenvolvido apenas por mulheres por dois motivos: o primeiro está ligado a própria figuração na obra de Clarice, em que as personagens são do sexo feminino, o segundo se refere ao fato de o trabalho doméstico ser realizado majoritariamente por mulheres. Esperamos, desta forma, por meio da abordagem da obra de uma escritora que foi tantas vezes cobrada por não ter uma escrita engajada socialmente, contribuir para o debate acerca das relações que precarizam e desvalorizam o trabalho doméstico no Brasil.</p> Patrícia Ferreira Alexandre de Lima Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7439 A HORA DA ESCRITA: CLARICE LISPECTOR, LINGUAGEM E METAFICÇÃO https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7425 <p>O objetivo do presente artigo é examinar a narrativa <em>A hora da estrela</em>, observando o fazer literário de Clarice Lispector. A autora transforma a linguagem em elemento estético, apostando no intimismo e na reflexão constante sobre os limites e falibilidade da palavra, sobre a impossibilidade de dizer. Para ressaltar a força estética da linguagem de Clarice, recorre-se, dentre outros, aos conceitos de (auto)ficção e metaficção. Trata-se de uma prática narratológica que transforma a própria existência e labor em matéria literária, demonstrando a angústia de viver e escrever, ao passo que, metaficcionalmente, coloca a linguagem em escrutinação. Em forma de conclusão, apontamos como a autora continua a desafiar e seduzir uma legião de leitores por, de forma metaficcional narcisista, apostar na complexidade da linguagem.</p> Raimunda Maria Santos Joelma de Araújo Silva Resende Sebastião Alves Teixeira Lopes Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7425 O REVÉS JUDAICO NOS CONTOS DE RAWET E CLARICE https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7023 <p>Há diferentes formas de ser judeu. Nesse sentido, esta pesquisa visa refletir acerca das marcas da tradição judaica na trajetória dos autores Samuel Rawet e Clarice Lispector, além de discorrer sobre a maneira particular que os autores vivenciaram o judaísmo. Como aporte teórico, utilizamos os apontamentos de Amós Oz e Fania Oz-Salzberger, Jacó Guinsburg, Michael Brenner, além de outros estudos referentes ao tema em questão. A experiência judaica é vivenciada singularmente: seja pelos costumes, seja pela tradição judaica, por compartilhar uma mesma linhagem ou pelos valores judaicos. Portanto, compreendemos que em Rawet e Clarice o judaísmo é experienciado em suas obras de forma própria.</p> <p><strong>PALAVRAS-CHAVE: </strong>Judaísmo; Tradição judaica; Samuel Rawet; Clarice Lispector.</p> Thays Freitas de Almeida Pena Stefania Rota Chiarelli Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7023 OUTRO POSSÍVEL RETRATO: ENTREVISTA COM TERESA CRISTINA MONTERO FERREIRA, BIÓGRAFA DE CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7543 <p> Em 1999, Teresa Cristina Montero Ferreira publica <em>Eu sou uma pergunta: uma biografia de Clarice Lispector</em>, resultado de anos de leitura apaixonada e uma pesquisa percuciente em torno dessa figura visceral chamada Clarice Lispector. Aqui, muito gentil e prontamente, Teresa nos concede a singular oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o gesto criador dessa biografia, bem como lança luz sobre “aquele ser inalcançável, ou assim vivido em sua fantasia, responsável pelo seu prazer ou sua inquietação, aquele ser cuja presença na obra é, ao mesmo tempo, total e nula, aquele ser imaginário, ficção do leitor – o escritor”, como afirma a autora na introdução de sua obra.</p> Sandro Adriano da Silva Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7543 PRÁTICAS DE COMPREENSÃO AUDITIVA EM LÍNGUA INGLESA POR MEIO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS E DA MÚSICA: UM ESTUDO DE CASO COM ALUNOS DA REDE PÚBLICA DO ENSINO https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7660 <p>Neste artigo, analisamos um estudo de caso em que o objetivo principal foi investigar se/como as tecnologias digitais aliadas à música podem contribuir e/ou potencializar a aprendizagem de Língua Inglesa (LI) de alunos do ensino médio da rede pública de ensino, no que se refere à compreensão auditiva de inglês. Desse modo, neste estudo, a qual se insere nos pressupostos da linguística aplicada, e cujos arcabouços metodológicos estão pautados na pesquisa qualitativa, propusemos aos sujeitos uma sequência didática (DOLZ; SCHNEUWLY, 2013) com o gênero música, com vistas à prática da compreensão auditiva através do <em>Lyrics Training</em>, interface digital voltada para a aquisição de línguas por meio da convergência de mídias. Como arcabouço teórico, nos baseamos, principalmente, em Berk (2008), Braga (2007), Leffa (2016), Santaella (2011 e 2014) e Santos e Rossini, (2011).Nessa perspectiva, a análise dos resultados e das observações empreendidas durante todo o período de desenvolvimento do estudo indica que as tecnologias digitais alinhadas a atividades com músicas podem trazer contribuições relevantes para a aprendizagem&nbsp;de inglês ao passo que propiciam a prática de habilidades linguísticas, principalmente no que diz respeito à compreensão auditiva. Ademais, as experiências vivenciadas mostraram que a utilização desses recursos no fazer pedagógico pode significar importantes mudanças para o processo de aprendizagem de LI.</p> Gislene Lima Almeida Cláudia Vivien Carvalho de Oliveira Soares Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7660 PERCEPÇÕES DE ALUNOS DE UM CURSO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS APLICADAS ÀS NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS (LEA) SOBRE SUA APRENDIZAGEM EM UM CURSO DE INGLÊS PARA NEGÓCIOS A DISTÂNCIA UTILIZANDO RECURSOS DIGITAIS https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7440 <p>Neste artigo, apresentamos um recorte dos resultados de uma pesquisa de doutorado sobre o ensino-aprendizagem de Inglês para Fins de Negócios (IFN) baseado em tarefas orais, em um curso a distância, utilizando recursos digitais. Um dos objetivos da pesquisa foi identificar as percepções dos alunos sobre sua aprendizagem, foco da discussão deste artigo. Os participantes foram alunos de um curso de graduação intitulado Línguas Estrangeiras Aplicadas às Negociações Internacionais (LEA), de duas instituições públicas, uma localizada no estado da Bahia, e outra no estado do Rio de Janeiro. O curso foi hospedado no ambiente virtual de aprendizagem Edmodo. A pesquisa foi embasada em Duddley-Evans e St John (1998), Ellis e Johnson (1994) referente ao IFN; Moran e Bacich (2018), referente à Metodologia Ativa; em Ribeiro (2008), relacionado à Aprendizagem Baseada em Problema (ABProb); em Moller e Huett (2012) para o Ensino a Distância (EaD) e em Ellis (2003), sobre Tarefas. Para realizar a pesquisa desenvolveu-se um estudo de caso qualitativo-interpretativo. Para gerar os dados utilizaram-se questionários, entrevistas, tarefas gravadas em áudio e vídeo e relatórios reflexivos. Os resultados referentes às percepções dos alunos sobre sua aprendizagem indicaram que eles atuaram como protagonistas durante o processo de ensino-aprendizagem; em seus depoimentos, afirmaram que o material do curso contribuiu para o bom desempenho das tarefas de forma proativa. As percepções referentes à sua aprendizagem foram positivas, os alunos elogiaram o material didático, a dinâmica do curso e a contribuição das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC) para sua aprendizagem.</p> JORGE ONODERA Vera Lúcia Teixeira Silva Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7440 ALFABETIZAÇÃO EM TEMPOS DE PANDEMIA: PERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7453 <p>Este artigo pontua aspectos desse novo momento que estamos vivenciando – da pandemia da COVID-19 – e a situação da educação nele, principalmente no que diz respeito a alfabetização, isto porque entendemos que alfabetizar é ensinar uma língua, a materna. Desse modo objetivou analisar as alternativas encontradas pelas professoras alfabetizadoras para oferecer as condições necessárias para a apropriação da leitura e da escrita no ERE. Para respondê-lo, realizamos uma pesquisa qualitativa e exploratória a partir da entrevista com três professoras alfabetizadoras de uma escola privada de um município baiano. Assim, foi instituído a adoção da educação remota para que o processo de escolarização continuasse a se concretizar devido a não recomendação de contato físico e foi orientado como esta poderia ocorrer. Neste estudo, refletimos sobre as limitações existentes no processo de alfabetizar remotamente, a partir de referencial bibliográfico existente e das narrativas das docentes que apontam dificuldades com as limitações do Ensino Remoto Emergencial para socialização, aspectos da leitura, escrita e contam, para concretização de ensino, principalmente, com os familiares dos alunos. Consideramos que o estudo em questão potencializa reflexões sobre o tema e pondera modos de saber-fazer dessa fase da escolarização tão específica.</p> Lucimar Gracia Ferreira Lúcia Gracia Ferreira Giovana Cristina Zen Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7453 MULTILETRAMENTOS E MULTIMODALIDADE: O DESIGN DE SIGNIFICADOS EM UM LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7007 <p>Esta pesquisa tem com tema os multiletramentos e, como delimitação a construção do sentido em textos de gêneros multimodais por meio de atividades propostas por um material didático de língua portuguesa. O objetivo é analisar as atividades de leitura propostas nos textos multimodais em um livro didático de língua portuguesa a fim de verificar sua contribuição para a promoção dos multiletramentos. Diante disso, são mobilizados como marcos teóricos os estudos de Chartier (1994), Petit (2008) e Kleiman (2004, 2005) no que tange às práticas de&nbsp; leitura; Kress (2000, 2010, 2014) e Kress e van Leeuwen (2006) acerca da multimodalidade; The New London Group (2000) e Rojo (2012) em relação aos multiletramentos. O <em>corpus </em>desta pesquisa é composto por atividades de estudo de um texto do livro didático “Português – Linguagens”, de Cereja e Magalhães (2015), desenvolvido para o sexto ano do ensino fundamental. Observamos que os materiais didáticos analisados promovem os multiletramentos ao considerar o processo de <em>design </em>do significado intrínseco à comunicação multimodal. Verificamos, ainda, que aspectos relevantes dos sentidos produzidos pelos modos de <em>design </em>visual são ignorados nas atividades.</p> Luis Henrique Boaventura Édina Menegat Mecca Ernani Cesar de Freitas Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7007 DINAMIZANDO O ENSINO DE INGLÊS EM TEMPOS DE PANDEMIA: EXPERIÊNCIAS DE ENSINO ATRAVÉS DO INSTAGRAM DE UM PROJETO DE EXTENSÃO https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7423 <p>Este trabalho apresenta a proposta do <em>UESC English in quarantine, </em>ação do projeto de extensão “Dinamizando o Ensino de Língua Inglesa” da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), que aborda o ensino de inglês e promove oportunidades de aprendizagem por meio das redes sociais durante a pandemia.<em>&nbsp;</em>Baseando-se no referencial teórico de Costa (et al., 2015), Gohn (1999), Nunan (1989), Walsh (2005), Atkinson (1987), Stibbard (1998) e Ardichvili (2008), discutem-se as experiências de ensino na rede social e desenvolve-se uma compreensão inicial dos desafios e potencialidades envolvidos neste processo. Metodologicamente a ação acontece, exclusivamente, através do <em>Instagram</em>, por meio de atividades que oportunizam interações na língua-alvo, pela utilização de diversas ferramentas disponibilizadas nessa plataforma digital. Mediante o desenvolvimento das atividades, constataram-se as potencialidades de uso do <em>Instagram</em>&nbsp;para o ensino de inglês promovendo a interação na língua-alvo com os seguidores-participantes, além de evidências de construção de uma comunidade de aprendizagem colaborativa utilizando-se essa plataforma.</p> Suellen Thomaz de Aquino Martins Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7423 O ENSINO DE LÍNGUAS POR UMA ABORDAGEM COMPLEXA EM TEMPOS DE PANDEMIA: QUEBRANDO PARADIGMAS https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7662 <p>Os desafios desencadeados pela pandemia da covid-19 que a Educação tem enfrentado globalmente têm fomentado reflexões sobre novas formas de ensinar e aprender no contexto escolar. Neste artigo, expomos o relato de experiência da condução do ensino de línguas dentro de uma abordagem complexa, que se deu no Ensino Médio de uma escola da rede pública por intermédio de ensino remoto, em um contexto imbuído de restrições de acesso à internet. O principal objetivo deste estudo consistiu em avaliar as possibilidades de alcance dessa abordagem, bem como seus pontos positivos e os obstáculos vivenciados. Por meio da análise desse processo, concluímos que é possível trabalhar a linguagem de forma efetiva dentro de uma perspectiva da complexidade, pois carrega os benefícios de um ensino multidimensional, não-linear, não-reducionista e transdisciplinar, o qual intenta incentivar a capacidade crítica do aluno, ao passo que trabalha fatores históricos, sociais, políticos, culturais e psicoemocionais, ensejando uma formação voltada para o sujeito integral, com atividades adequadas ao seu contexto e realidade atuais. Como obstáculos, presenciamos uma certa resistência de alguns alunos ao paradigma complexo de ensino-aprendizagem. O paradigma proposto estava embutido em um ensino que se apresentou de maneira não-fragmentada em disciplinas, e que, por ter um espectro maior de alcance e amplitude na abordagem dos temas propostos nas atividades requeria um posicionamento mais questionador e reflexivo por parte do aluno. Uma parcela desses alunos ainda demonstrou certo apego a uma visão mais cartesiana de se conceber o conhecimento, estando ainda enraizados aos processos tradicionais de ensino-aprendizagem.</p> Suzana Longo da Cruz Diógenes Cândido de Lima Cremilton de Souza Santana Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7662 APROXIMAÇÕES E AFASTAMENTOS PELO ALUNO DA EJA EAD NOS GÊNEROS DIGITAIS DISCURSIVOS COMO ESPAÇO DE INTERAÇÃO https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7661 <p>Entendemos a sala de aula presencial e online como espaços interacionais de discursivizações do sujeito. Este recorte tem como objetivo geral é mapear e categorizar comportamentos discursivos de um grupo de alunos do ensino médio do Sesi Unidade Sudoeste, da modalidade EaD, no sentido de visualizar ações e reações que se vinculam ao trabalho de todo e qualquer aluno, assim como aquelas que materializem especificidades do se aprender a distância. Especificamente, pretendemos encontrar indícios da interação do aluno no evento de interação didática em sala EaD. Justifica-se que o tema aqui abordado reveste-se de extrema relevância uma vez que notamos o surgimento de um sujeito discursivo, oriundo de um contexto industrial e que perpassa os muros da empresa para a sua formação intelectual em sala de aula, que possibilitam assim os letramentos desse sujeito, através de ferramentas tecnológicas disponíveis e desenvolvidas na contemporaneidade e que estão fortemente presentes nos diversos contextos da sociedade. A pesquisa se fundamenta, principalmente, nos escritos de Coscarelli (2002), Modl (2015a) e Paiva (2010). A metodologia é a qualitativa, no víes etnogrático. Já os procedimentos são entrada e observação no AVA e os sujeitos são os alunos do Ensino Médio EJA EaD do Sesi, <em>locus</em> da pesquisa. Os resultados mostram o afastamento dos sujeitos para o que chamamos de gêneros digitais discursivos como espaço de discrusivização dentro do AVA.</p> Vilmar do Nascimento Rocha Diógenes Cândido de Lima Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7661 UMA LAGOA NAS ALAGOAS https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7804 <p>UMA LAGOA NAS ALAGOAS</p> Nádson Araújo dos Santos Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7804 VIDA E MORTE NO COTIDIANO DE PERSONAGENS SOLITÁRIAS E INFELIZES https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/7876 <p>VIDA E MORTE NO COTIDIANO DE PERSONAGENS SOLITÁRIAS E INFELIZES</p> Altamir Botoso Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.7876 CENTENÁRIO DE CLARICE LISPECTOR https://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/8063 <p>CENTENÁRIO DE CLARICE LISPECTOR</p> Maria das Graças Fonsenca Andrade Luiz Lopes Copyright (c) 2021 fólio - Revista de Letras http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-02-15 2021-02-15 12 2 10.22481/folio.v12i2.8063