O Avanço do Neoliberalismo e a Reforma Agrária Brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rg.v6.e2022.10947

Palavras-chave:

Brasil, Redemocratização, Reforma Agrária, Neoliberalismo

Resumo

O presente artigo tem por propósito analisar as recentes mudanças na política agrária a partir do governo de Fernando Henrique Cardoso, e a influência neoliberal na estrutura espacial agrária; com ênfase nas principais implicações para os camponeses e os povos do campo. O recorte temporal da política de governo deve-se ao fato de já existir consistentes estudos de períodos de governos anteriores. Uma análise comparativa é realizada para os governos Luiz Inácio da Silva, Dilma Rousseff e o seu sucessor Michel Temer e os dois anos de governo da extrema direita que se reuniu em torno de Jair Bolsonaro.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Daniel Féo Castro de Araújo , Universidade de Brasília-UnB-Brasilia-Brasil

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade de Brasília (UnB). Bolsista do Programa de Doutorado com Estágio no Exterior da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), doutorado com período "sandwich" no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT). Desenvolve pesquisas na área de Geografia Agrária, Econômica e Regional com ênfase nos seguintes temas: Modernização territorial, dinâmica dos lugares, redes e circuitos espaciais da produção

Fernando Luiz Araújo Sobrinho, Universidade de Brasília-UnB-Brasilia-Brasil

Doutor em Geografia -Universidade Federal de Uberlândia –UFU-Brasil, Professor do Departamento de Geografia da Universidade de Brasília–UnB, Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNB

 

Referências

AES, D. “Populismo e neoliberalismo”. In: República do capital: capitalismo e processo político no Brasil. São Paulo: Boitempo. 2001

ALENTEJANO, P. R. R. As políticas do Governo Bolsonaro para o campo: a contra-reforma em marcha acelerada. Revista da ANPEGE, [S.l.], v. 16, n. 29, p. 353-392, dez. 2020. ISSN 1679-768X. Disponível em: <https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/12434>. Acesso em: 03 fev. 2022. doi: https://doi.org/10.5418/ra2020.v16i29.12434.

ALMEIDA, L. F. “De JK a FHC: apontamentos sobre as lutas sociais no Brasil contemporâneo”. In: RAMPINELLI, W. J.; OURIQUES, N. D. (orgs.). No fio da navalha: crítica das reformas neoliberais de FHC. São Paulo: Xamã.1998.

ANDRADE, B.G. de; REIS, P.M.G I. Laudo nº 1242/2020 - INC/DITEC/PF. 21.05.2020. Disponível em https://www.conjur.com.br/dl/degravacao-video-10.pdf. Acesso em 24 de jan 2021.

ARAUJO S. F. L; FERREIRA, L. C. G. A produção canavieira e o mito do progresso: agronegócio e agricultura familiar na microrregião Ceres, Goiás. Revista Patry Ter, Brasília, vol. 2 | n. 1 | abril 2019.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Publicada reclassificação toxicológica de agrotóxicos. 01.8.2019. Disponível em http://portal.anvisa.gov.br/documents/ 111215/5577972/Reclassifica%C3%A7%C3%A3o+-+Excel/8b2a145b-edad-46af- b8a3-ec0dddbba43f. Acesso em 11 de jan 2022.

BARROS, F; SAUER, S; SCHWARTZMAN, S (orgs). Os impactos negativos da política de reforma agrária de mercado do Banco Mundial. Rede Brasil, 2003.

BOITO Jr., A. “A burguesia no governo Lula”. In: BASUALDO, E. M.; ARCEO, E. (orgs.) Neoliberalismo y sectores dominantes. Tendencias globales y experiencias nacionales. Buenos Aires: CLACSO. 2006.

BOITO Jr., A. O governo Lula e a reforma do neoliberalismo. Revista Adusp.2005. Acesso em: 22 de janeiro de 2022. Disponível em: http://www. adusp.org.br/revista/Default.htm.

BOMBARDI, L. M. Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia. São Paulo, FFLCH-USP, 2019.

BRANFORD, Sue. Lidando com governos: o MST e as administrações de Cardoso e Lula. In.: CARTER, Miguel (org.). Combatendo a desigualdade social: o MST e a reforma agrária no Brasil. [tradução de Cristina Yamagami]. – São Paulo: Editora UNESP, 2010.

BRASIL. DECRETO Nº 2.622, DE 9 DE JUNHO DE 1998. Brasília, 1998. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1998/decreto-2622-9-junho-1998-400707-norma-pe.html > Acessado em 25 de jan 2021.

BRASIL. LEI COMPLEMENTAR Nº 93, DE 4 DE FEVEREIRO DE 1998. Brasília, 1998. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp93.htm> Acessado em 25 de jan 2022.

BRASIL. MEDIDA PROVISÓRIA No 2.109-52, DE 24 DE MAIO DE 2001.Brasíia, 2001. Disponível em:> http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/MPV/Antigas_2001/2109-52.htm#:~:text=2109%2D52&text=MEDIDA%20PROVIS%C3%93RIA%20No%202.109,24%20DE%20MAIO%20DE%202001.&text=Acresce%20e%20altera%20dispositivos%20do,1993%2C%20e%20d%C3%A1%20outras%20provid%C3%AAncias>. Acessado em 25 de jan 2022.

BRASIL. Ministério Público Federal. Procuradoria Geral da República. Ação direta de inconstitucionalidade. Lei 13.465/2017, conversão da Medida Provisória 759/2016. “Regularização fundiária” rural e urbana e na Amazônia Legal, liquidação de créditos a assentados da reforma agrária, alienação de imóveis da União. Brasília, 31 de agosto de 2017. Disponível em: www.mpf.mp.br/pgr/documentos/ADI5771regularizaofundiria.pdf. Acesso em: 11 jan. 2022.

BRUNO, R. Um Brasil ambivalente: agronegócio, ruralismo e relações de poder. Rio de Janeiro: Mauad X; Seropédica, Rio de Janeiro: EDUR, 2009.

CONCIAN, N. Registro de agrotóxicos no Brasil cresce e atinge maior marca em 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/03/registro-de-agrotoxicos-no-brasil-cresce-e-atinge-maior-marca-em-2018.shtml. Acesso em: 07.01.2022.

CAMPOS, N. L. Internacionalização do capital no setor sucroenergético do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba: estratégias políticas e territoriais. 2019. 258 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2019. Disponível: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2019.631.

CARVALHO FILHO, J. J. Política agrária e violência no campo. In: SIDOW, Evanize; MENDONÇA, Maria Luiza (org.). In: Direitos Humanos no Brasil 2005: relatório da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos. São Paulo: Global Exchange, 2005.

CARVALHO FILHO, J J. “Política agrária do governo FHC: desenvolvimento rural e a Nova Reforma Agrária” In: Sérgio Leite (org.), Políticas públicas e agricultura no Brasil. Porto Alegre: EDUFRGS, 2001.

CARVALHO, H. M. O Campesinato no século XXI: possibilidades e condicionantes do desenvolvimento do campesinato no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

CARVALHO, L. H. A concentração fundiária e as políticas agrárias governamentais recentes. Revista IDeAS – Interfaces em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Rio de Janeiro – RJ, v. 4, n. 2, p. 395-428, 2010.

CHESNAIS, François. A Mundialização do Capital. Rio de Janeiro: Xamã, 1996.

COMISSÃO PASTORAL DA TERRA – CPT. Fim da Reforma Agrária e grilagem de terras legalizadas na Amazônia. Goiânia, 6 de jun. 2017.

CUNHA, J. S. Governo Temer: Relações do Agronegócio Com o Capital Especulativo Financeiro e Impactos Sobre os Camponeses e a Legislação Agrária. Cadernos do CEAS: Revista crítica de humanidades, [S.l.], n. 241, p. 301-326, set. 2017. ISSN 2447-861X. Disponível em: <https://cadernosdoceas.ucsal.br/index.php/cadernosdoceas/article/view/373>. Acesso em: 04 fev. 2022. doi:http://dx.doi.org/10.25247/2447-861X.2017.n241.p301-326.

CPT. Balanço da Reforma Agrária 2019. In https://www.cptnacional.org.br/publicacoes/ noticias/cpt/5039-balanco-da-reforma-agraria-2019, acesso em 15j an de 2021

DATALUTA - Banco de Dados da Luta pela Terra. Relatório 2010. Disponível em:<https://www.researchgate.net/publication/47380844_DATALUTA_-_Banco_de_Dados_da_Luta_pela_Terra> acesso em 15 jan de 2021.

DELGADO, G. C. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio. Mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012.

DELGADO, G. C. Economia do agronegócio (anos 2000) como pacto do poder com os donos da terra. Revista Reforma Agrária, da Associação Brasileira de Reforma Agrária (ABRA). Edição especial de julho, 2013. p. 61-68.

FAÇANHA, S. L.O. Aquisições, fusões e alianças estratégicas na configuração da cadeia sucroenergética brasileira. 2012. Tese (Doutorado em Administração) -Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012

FARIZA, I. ‘Doutrina Guedes’ coloca o Brasil à venda. El País, Madrid, 05 de janeiro de 2020. Disponível em https://brasil.elpais.com/economia/2020-01-05/doutrina-guedes- coloca-o-brasil-a-venda.html. Acesso em 19 de jan 2021.

FATTORELLI, M. L. A dívida pública é um mega esquema de corrupção institucionalizado. Entrevista concedida a Renan Truffi. Carta Capital, São Paulo, 2015. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/economia/201ca-divida-publica-e-um-mega-esquema-de-corrupcao-institucionalizado201d-9552.html. Acesso em: 15 jan. 2022.

FERNANDES, B. M.; CLEPS Júnior, J. SOBREIRO Filho, J.; LEITE, A.Z.; SODRÉ, R.B. A questão agrária no primeiro ano do Governo Bolsonaro. Boletim DATALUTA, n. 145, p. 2-13, janeiro 2020.

FERNANDES, B. M, et. al. A questão agrária no primeiro ano do governo Bolsonaro. DATALUTA/NERA, 2020, Bernardo Mançano, et. al. A questão agrária no primeiro ano do governo Bolsonaro. DATALUTA/NERA, 2020.

FERNANDES, B. M. Questão agrária, pesquisa e MST. São Paulo: Cortez, 2001.

FIRMIANO, F. D. O padrão de desenvolvimento dos agronegócios no Brasil e a atualidade histórica da reforma agrária. São Paulo: Alameda Editorial, 2016.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Nota Técnica -Análise do Projeto de Lei no 6.299/2002. Rio de Janeiro, 2018.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola,, p.249, 2008.

LEITE, S. P; MEDEIROS, L. S. “Agronegócio”. In CALDART, Roseli; PEREIRA, Isabel Brasil; ALENTEJANO, Paulo e FRIGOTTO, Gaudênio. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro e São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio e Expressão Popular, p. 79-85, 2012.

MACÊDO, F. S. A reestruturação do setor sucroenergético no Brasil: uma análise do período entre 2005 e 2011. 2011, 71f. Dissertação (Escola de Economia de São Paulo) –FGV, São Paulo,2011.

MAPA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 13, de 08 de abril de 2020. Dispõe sobre a aplicação de fungicidas e óleo mineral com uso de aeronaves agrícolas na cultura da banana. Brasília, Secretaria de Defesa Agropecuária, 2020. Disponível em http://www.in.gov.br/web/dou/-/instrucao-normativa- -n-13-de-8-de-abril-de- 2020-251908947. Acesso em 14 de jan 2021.

MAPA. Portaria nº 43, de 21 de fevereiro de 2020. Estabelece os prazos para aprovação tácita para os atos públicos de liberação de responsabilidade da Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, conforme caput do art. 10 do Decreto nº 10.178, de 18 de dezembro de 2019. Brasília, Secretaria de Defesa Agropecuária, 2020 Disponível em http://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n- -43-de-21-de-fevereiro-de-2020- 244958254.Acesso em 14 de jan 2022.b

MATTEI, L. F. A reforma agrária brasileira: evolução do número de famílias assentadas no período pós- -redemocratização do país. Estudos Sociedade e Agricultura, vol. 20, n. 1, pp. 301-325, 2012. ISSN 1413-0580.

MDA. Programa Nacional de Crédito Fundiário: Consolidação da Agricultura Familiar – Manual de Operações. Brasília, novembro, 2005.

MDA. Programa Recuperação e Regularização dos Projetos financiados pelo Fundo de Terras (Programas Banco da Terra e Cédula da Terra). Brasília: Departamento de Crédito Fundiário, 2004.

MEDEIROS, L. S. Movimentos sociais no governo Bolsonaro. Revista da ANPEGE, [S.l.], v. 16, n. 29, p. 490-521, dez. 2020. ISSN 1679-768X. Disponível em: <https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/12502>. Acesso em: 04 fev. 2022. doi:https://doi.org/10.5418/ra2020.v16i29.12502.

MELO, J. A. T. et a. Reforma agrária quando? CPI mostra as causas da luta pela terra no Brasil. Relatório vencido da CPMI da Terra. Brasília: Editora do Senado Federal, 2006.

MINISTÉRIO DA REFORMA E DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. 1º Plano Nacional de Reforma Agrária da Nova República. Brasília, MIRAD. 73 p, 1985

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. (2004). II Plano Nacional de Reforma Agrária: Paz, produção e qualidade de vida no meio rural. Distrito Federal.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Banco da Terra. Disponível em: http://www.bancodaterra.gov.br/bt1.htmbt1. Brasília: MDA, 2007.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Plano nacional de reforma agrária: paz, produção e qualidade de vida no meio rural. Brasília: MDA, 2003.

MOREIRA, Ruy. Formação do Espaço Agrário Brasileiro., São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

NECCHI, V. Articulação entre o capital financeiro especulativo e o latifúndio desrespeita políticas públicas direcionadas aos trabalhadores do campo. Humanitas UNISINOS, São Leopoldo, 14 set. 2016. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/560039-joaci-em-edicao. Acesso em: 16 jan. 2022.

NEGRÃO, J. J. O. O governo FHC e o neoliberalismo. Revista Lutas Sociais. São Paulo, nº 1, p. 103-112, 1996.

OLIVEIRA, A. U. A mundialização da agricultura brasileira. São Paulo: Iãnde Editorial, 2016.

OLIVEIRA, A. U. A mundialização do capital e a crise do neoliberalismo: o lugar mundial da agricultura brasileira. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 19, n. 2. p. 229-245, 2015.

PAULANI, L. “The Real Meaning of the Economic Policy of Lula’s Government”. In: Arestis, Phillip e Saad Filho, Alfredo (org.) Political Economy of Brasil: Recent Economic Performance. Londres, Palgrave McMillan Paulani, Leda (2008). Brasil Delivery. São Paulo. Boitempo.

PEREIRA, João Márcio Mendes. “Neoliberalismo, políticas de terra e reforma agrária de mercado na América Latina”. In SAUER, Sérgio; PEREIRA, João Márcio Mendes (Org.). Capturando a Terra: Banco Mundial, políticas fundiárias neoliberais e reforma agrária de mercado. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

PEREIRA, J. M. M. O modelo de reforma agrária de mercado do Banco Mundial em questão: o debate internacional e o caso brasileiro. Teoria luta política e balanço de resultados. 2004. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós graduação em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

PEREIRA, J. M.M; SAUER, S. “História e legado da Reforma Agrária de Mercado no Brasil”. In SAUER, Sérgio; PEREIRA, João Márcio Mendes (Org.). Capturando a Terra: Banco Mundial, políticas fundiárias neoliberais e reforma agrária de mercado. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

PITTA, F. T. As transformações na reprodução fictícia do capital na agroindústria canavieira paulista: do Proálcool à crise de 2008. 2016. 420 f. Tese (Doutorado em Geografia), FFLECH/USP, São Paulo, 2016.

RAMOS FILHO, E.S. A crise do contrato social da modernidade: o caso da reforma agrária de mercado do Banco Mundial. In: Revista Formação. Presidente Prudente, n. 12, p. 143–163, jan. 2005.

RODRIGUES, R. Agronegócio brasileiro 2014-2022: Proposta de plano de ação aos presidenciáveis. Revista Agroanalysis, 2014, pp: 33-35.

SANTOS, H. F. Competitividade regional do setor sucroenergético na mesorregião Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba: agricultura científica globalizada e implicações socioambientais no município de Uberaba –MG. 2017. 281f. Dissertação (Mestrado em Geografia), IG/ÚNICAMP, Campinas,2017.

SAUER, S.; TUBINO, N.; LEITE, A. Z.; CARRERO, G. Governo Bolsonaro amplia a grilagem de terras com mais uma Medida Provisória. Boletim DATALUTA, n. 144, p. 2-11, dezembro 2019.

SAUER, S; PEREIRA, J. M M. (Org.). Capturando a terra. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

SENADO NOTÍCIAS. Debatedores alertam para risco à fiscalização com fim do Ministério do Trabalho. 24 abr. 2019. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/ materias/2019/04/24/debatedores-alertam-para-risco-a-fiscalizacao-com-fim-do-ministerio- do-trabalho. Acesso em: 25 jan. 2021.

SILVA, L. R. O BNDES e a sustentação do setor sucroenergético no Brasil: implicações territoriais no contexto neoliberal e de financeirização. 2017. 152 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017. Disponível em: http://doi.org/10.14393/ufu.di.2017.328

CAMPOS, N. L. Internacionalização do capital no setor sucroenergético do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba: estratégias políticas e territoriais. 2019. 258 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2019. Disponível: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.te.2019.631

TEIXEIRA, G. Medida Provisória nº 759, de 2016 – Dispositivos sobre as Políticas Agrária e Fundiária: Parecer. Câmara dos Deputados, Brasília, 2016.

UMBELINO, A. Lula dá adeus à Reforma Agrária. Direitos Humanos, 2008. Acesso em: 22 de janeiro de 2022. Disponível em: http:// www.direitos.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=479 0&Itemid=1.

VALENTE, R. General cai da presidência da Funai após pressão de ruralistas. Folha de S. Paulo, Brasília, 11 de junho de 2019. Disponível em https://www1.folha.uol.com. br/poder/2019/06/general-cai-da-presidencia-da-funai-apos- pressao-de-ruralistas. shtml. Acesso em 23 de jan 2022.

VALENTE, R. Mourão forma Conselho da Amazônia com 19 militares e sem Ibama e Funai. Notícias UOL, Brasília, 18 de abril de 2020. Disponível mais em https://noticias. uol.com.br/colunas/rubens-valente/2020/04/18/conselho-amazonia-mourao.htm. Acesso em 19 de jan 2022.

Downloads

Publicado

2023-04-03

Como Citar

ARAÚJO , D. F. C. de . . .; SOBRINHO, F. L. A. . . . . O Avanço do Neoliberalismo e a Reforma Agrária Brasileira . Geopauta, [S. l.], v. 6, p. e10947, 2023. DOI: 10.22481/rg.v6.e2022.10947. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/10947. Acesso em: 18 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos