O terroir como categoria geográfica: origem e abordagens conceituais.

O terroir como categoria geográfica: origem e abordagens conceituais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/rg.v6.e2022.e11291

Palavras-chave:

Terroir, Território, Globalização, Gosto da terra

Resumo

O conceito de terroir, traduzido como “gut da terre”, tem sido debatido nas esferas da teoria da produção agrícola tradicional versus globalização da agricultura. Sem uma tradução clara, sua origem é antiga, mas consolidada na França, especificamente na viticultura e traz muitas questões quando aplicado a outras culturas. O artigo busca nas refrências estrangeiras o conceito e as formas de manutenção do terroir denominado natural em contraposição do que convencionou chamar de terroir tecnológico, baseadao na grande produção. Busca relacionar o terroir com o território com a categoria geográfica. Defende a pequena propriedade como exemplo para o terroir natural a partir das condicionantes físicas como solo e clima.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Edvaldo Oliveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia- UESB-Brasil

Professor adjunto do Departamento de Geografia da UESB e do Mestrado em Geografia , vinculado ao Programa de Pós Graduação em Geografia da UESB - PPGEO

Gerson dos Santos Lisboa, Universidade Federal de Goiás: Goiânia, Goiânia, Brasil

Doutorado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Santa Maria. Docente Magistério Superior na Universidade Federal de Goiás, na Faculdade de Ciência e Tecnologia. Membro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências e Sustentabilidade da Universidade Federal do Sul da Bahia, com atuação nas áreas de Sensoriamento Remoto, Modelagem e Simulação Florestal, Crescimento e Produção Florestal e Estatística.

Vinícius de Amorim Silva, Universidade Federal do Sul da Bahia: Ilhéus, Bahia, Brasil

Doutor em Geografia, com enfase em análise ambiental e planejamento territorial, Universidade de Campinas Professor Associado, da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), no Campus Jorge Amado (CJA)

Referências

ARNOLD, ROB. The terroir of whiskey. A Distiller’s Journey into the Flavor of Place. Columbia University Press / New York, 2021.

CAREY, Victoria Anne. The use of viticultural terroir units for dem arcation of geographical indications for wine production in Stellenbosch and surrounds. Dissertation (PhD (Agric)) -- Stellenbosch University, Cape Ocidental, South Africa. 2005.

GLADSTONES, John S. Wine, terroir and climate change. National Library of Australia Cataloguing-in-Publication entry. Kent Town South Australia, 2011.

MANASI, Kumar. ANUP, Dhar. ANURAG, Mishra. (org). Psychoanalysis from the Indian Terroir. British Library Cataloguing in Publication Information Available. Lexington Books, EUA, 2017

MATTHEWS, Mark Allen. Terroir and other myths of winegrowing. Oakland, Califórni: University of Califórnia Press, 2015.

PARKER. Thomas. Tasting French Terroir: the history of an idea. Library of Congress Cataloging-in-Publication. California studies in food and culture, University of California Press, Oakland, California, 2015.

PATTERSON, Tim.Wine and placa: a terroir reader. University of California Press. Oakland, California, 2018.

SOMMERS, Brian J. The geography of wine: how landscapes, cultures, terroir, and the weather make a good drop. A Plume Book. London, 2008

TOMASI, Diego, GAIOTTI, Federica, JONES, Gregory V. The Power of the Terroir: the Case Study of Prosecco Wine, Springer Basel, 2013.

TORRES, Olivier. The wine wars: the Mondavi affair, globalization and “terroir”. Palgrave Macmillan, Nova Iorque 2006. Traduzido do Francês para o inglês por Kirsty Snaith

TRUBEK, Amy B. The taste of place: a cultural journey into terroir. University of California Press. California, EUA, 2008.

Downloads

Publicado

2023-04-03

Como Citar

OLIVEIRA, E.; LISBOA, G. dos S.; SILVA, V. de A. . O terroir como categoria geográfica: origem e abordagens conceituais.: O terroir como categoria geográfica: origem e abordagens conceituais . Geopauta, [S. l.], v. 6, p. e11291, 2023. DOI: 10.22481/rg.v6.e2022.e11291. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/11291. Acesso em: 18 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos